Arquivo da tag: Sérgio Pavarini

Cinto transforma gordura corporal em energia


Energy Belt poderia ser uma alternativa para gordinhos que não gostam de ir à academia

Luciana Carvalho, na INFO

As gordurinhas a mais na região da cintura aterrorizam muita gente, mas um produto idealizado pela designer Emmy van Roosmalen acende uma esperança em quem deseja eliminar o excesso de peso. O cinto chamado “Energy Belt” transforma as gorduras em energia capaz de carregar vários tipos de aparelhos eletrônicos, como celulares.

Exibida durante a Dutch Design Week, na Holanda, a invenção funciona da seguinte forma: protocélulas artificiais contidas no cinto imitam a gordura marrom (que ajuda a queimar a gordura corporal) ao captar e converter a gordura branca (aquela que armazena gordura) em ATP (adenosina trifosfato, molécula cuja função é armazenar energia). Dessa reação, é produzida a eletricidade, que será usada nos aparelhos.

Com uma ajuda como essa, seria possível comer sem muitas preocupações e até faltar alguns dias na academia. Mas, por enquanto, essa ideia ainda é um conceito e não tem previsão de chegar ao mercado.

Comprovado: TV faz mal às crianças

kickthebaby_thumbCarlos Cardoso, no Meio Bit

Os números são assustadores, mas reais: Anualmente nos EUA 13 mil crianças são machucadas da forma mais idiota e evitável possível: Derrubando o televisor em suas cabecinhas inocentes e curiosas. Pior: A cada 3 semanas uma criança morre por causa desse tipo de acidente.

70% das vítimas têm menos de 5 anos.

Esses números aumentaram em 31% na última década. A “culpa” é das TVs de tela plana. Antigamente era virtualmente impossível para um moleque atentado derrubar uma Telefunken 29 polegadas, que pesava uns 200kg. Hoje não só o peso como a estabilidade das TVs está bem diferente.

Em amo a minha Samsung Loura, mas balançando pela parte de cima ela treme toda. Uma pestinha dessas empurrando a TV invocará Newton E Darwin, e poderá acordar no hospital com cara de gato persa.

A culpa no caso é 100% dos pais. A mesma pesquisa identificou que 3/4 das TVs não estão presas nas paredes, mas apenas colocadas precariamente nos racks, com aquelas bases ridículas que não seguram nada. Os pais, botando o bolso na frente dos filhos temem danificar a parede ou instalar a TV corretamente.

Tem filho pequeno em casa? Não pense duas vezes: Compre um suporte de parede. Os bons modelos são seguros, flexíveis e permitem inclusive mais ângulos de visão do que a base original.

Esvaziar a cabeça é fundamental para produzir mais

Aumentar a eficiência, sem perder a qualidade de vida: esse é o objetivo do programa criado por David Allen, o guru mundial da produtividade

   Divulgação

Marisa Adán Gil, no Pequenas Empresas & Grandes Negócios

Você liga o computador e encontra quinhentos e-mails o aguardando. A secretária eletrônica pisca com dezenas de recados ainda por responder. Seu bloco de anotações tem uma lista enorme de tarefas que você provavelmente não terá tempo de cumprir. Quando começa a se debruçar sobre os itens, o telefone toca: é um fornecedor, querendo marcar uma reunião urgente. Como se organizar diante de tantas demandas? É possível ter um alto índice deprodutividade e, ao mesmo tempo, manter a qualidade de vida? As duas questões estão no centro do método GTD, ou Getting Things Done (em uma tradução livre, “Realizando tarefas”), criado pelo consultor norte-americano David Allen, de 65 anos. Considerado uma espécie de guru da produtividade, o autor do best-seller A Arte de Fazer Acontecerviaja pelos Estados Unidos levando o programa GTD a empresas como Sony e Microsoft e instituições como a Força Aérea Norte-Americana. Apesar de contar com técnicas e ferramentas sofisticadas, o método tem como base um pensamento simples: libere sua mente, e a produtividade virá.

Você criou um método para aumentar a produtividade que também promete melhorar a qualidade de vida de executivos e empresários. Como isso funciona?
Eu acredito que as duas coisas andam juntas. Quanto melhor for a sua qualidade de vida, mais produtivo você será, e vice-versa. Desde a época da faculdade, sempre me interessei por métodos e técnicas capazes de ampliar a minha capacidade de produzir, de realizar. Eu me envolvi com essa questão porque eu estava focado na experiência humana, queria saber que tipo de coisas eu poderia fazer sem mudar quem eu era. Meu objetivo não era ganhar mais dinheiro, e sim melhorar a qualidade da experiência, ser mais livre, mais flexível. Depois de passar por 30 empregos diferentes, percebi que eu mesmo teria que encontrar a resposta.

Vamos falar da sua vida antes de você criar o método. Você estudou história americana, mas largou a faculdade, certo?
Sim. Eu era fascinado pela história americana, mas depois descobri que queria ter mais experiências mais ligadas à vida real. Estava mais interessado em modelos culturais do que em datas, se é que você me entende.

Você costuma dizer que, nessa época, iniciou uma busca por Deus, pela verdade e pelo universo. Como foi isso? E como esse processo de autoconhecimento está relacionado com o mundo dos negócios?
Eu ainda estou em busca de tudo isso. Bom, a busca está relacionada com Deus, mas também com o modo como você lida com as pessoas, com a maneira como enxerga a sua vida. Se o seu destino é estar aqui na Terra e viver novas experiências, seja na vida pessoal ou na profissional, então deve aproveitar para aprender mais sobre si mesmo. Acredito que, se agimos conscientemente no dia a dia, podemos aprender muito sobre quem somos. É maluco isso, mas muita gente faz as coisas sem saber por que está fazendo. Quanto mais atento você está ao que faz, quanto mais você direciona a sua energia, menor é o desperdício e maior é o seu crescimento. É bom para os negócios, mas também o ajuda a crescer como ser humano.

Seu programa, o GTD, segue alguns passos básicos. O primeiro deles seria “esvaziar a cabeça” e “colocar tudo em um lugar seguro”.
Para começar, é preciso identificar e capturar ideias, projetos e objetivos que são significativos para você, e fazer uma grande lista, a mais completa possível. Você tem que externalizar tudo isso e colocar em algum lugar onde os dados fiquem seguros: pode ser no papel, em uma pasta no computador, no iPad, não importa – desde que você saiba onde está e como acessar. O segundo estágio consiste em avaliar tudo que está na lista, sendo bem específico sobre cada item. O que aquilo significa para você? É algo que precisa de atenção imediata ou não? Que resultados espera alcançar? Qual o próximo passo para chegar lá? Isso vale tanto para um e-mail quanto para um projeto de vendas. Em seguida, vem o terceiro estágio, em que você organiza os resultados das suas decisões de uma maneira que torne fácil localizar todas as resoluções. Por fim, a quarta fase é a da revisão e da reflexão. É preciso dar um passo para trás e observar todos os seus projetos, colocando no papel o que já foi feito e o que ainda precisa ser feito. Depois de tudo isso, se você decidir tomar uma taça de vinho, vai fazer isso com tranquilidade, porque saberá exatamente o que está deixando de fazer, e isso não será um problema.

Eu faço listas o tempo todo, mas isso não parece resolver o problema.
Fazer as listas é apenas a primeira fase. Se você não seguir para os outros estágios, realmente não vai adiantar nada. Diga algo que está na sua lista de pendências, qualquer coisa…

Aprenda a controlar o estresse em até 3 minutos

Especialistas sugerem técnicas rápidas de respiração que podem ser feitas no trabalho e até no trânsito

Saiba como relaxar no trabalho. Exercícios ajudam a gerenciar o estresse

Saiba como relaxar no trabalho. Exercícios ajudam a gerenciar o estresse

publicado no iG

A respiração profunda, afirmam os especialistas, é o mecanismo mais rápido para o gerenciamento do estresse.

Por meio dela, é possível controlar os batimentos cardíacos e liberar hormônios, como a endorfina, que alivia a tensão e é um importante aliado no combate a doenças, já que fortalece o sistema imunológico.

Você está estressado? 

Sabendo disso, especialistas da Escola de Medicina de Harvard ensinam, no site da instituição, formas rápidas de amenizar o estresse e relaxar em apenas três minutos, informa o material de divulgação. É possível praticar as técnicas em qualquer lugar, seja num engarrafamento ou nos momentos que antecedem uma reunião importante. Veja como:

Em um minuto

Coloque uma das mãos na barriga, logo abaixo do umbigo, para sentir o movimento dela durante a respiração profunda. Inspire em três segundos e expire em outros três segundos. Para ajudar no ritmo, enquanto é realizada a inspiração pense na frase “eu estou”. Já na expiração, mentalize a frase “em paz”. Repita estes movimentos por um minuto.

O exercício pode ser feito sentado, com as costas apoiadas no encosto da cadeira, as pernas descruzadas e os pés totalmente apoiados no chão.

Em dois minutos

Conte lentamente de zero a dez. A cada número, faça uma respiração completa, inspirando e expirando. Por exemplo, inspire profundamente, dizendo “dez” mentalmente. Expire de forma bem lenta repetindo o mesmo número. Entre um algarismo e outro, aumente o espaçamento, reforçando a respiração. Isso evita possíveis tonturas.

Repita a sequência três vezes, sentado e com as costas eretas. Relaxe os ombros e deixe as mãos soltas e abertas, apoiadas nos joelhos.

Em três minutos

Sentado, deixe todo o corpo solto. Relaxe os músculos faciais e permita que a mandíbula fique levemente aberta. Solte os ombros e empurre os braços para baixo. As mãos também devem ficar soltas, com os dedos entreabertos. Descruze as pernas e coloque os pés no chão. Sinta as coxas afundarem na cadeira, colocando todo o peso do corpo nas panturrilhas. Inspire e expire lentamente por três minutos.