Marido frustrado cria tabela com desculpas da mulher ao negar sexo

Documento que continha frases como “Estou muito cansada”, “Preciso de um banho” ou “Amanhã levanto muito cedo” foi compartilhado milhares de vezes em rede social

16720584Publicado no Zero Hora

Um marido frustrado com a frequência sexual que mantinha com a mulher resolveu elaborar uma planilha na qual listou as desculpas diárias utilizadas pela companheira para “negar fogo”. Irritada com a iniciativa, ela compartilhou o documento no Reddit, fórum online, o que gerou uma grande repercussão, com milhares de mensagens e manifestações de apoio para ambos os lados, informou o The Telegraph. Segundo a lista do homem, que já foi apagada, em 30 dias, o casal transou apenas três vezes.

“Estou cansada”, “Estou tentando assistir ao filme” (dormiu menos de 15 minutos depois), “Preciso de um banho”, “Comi demais”, “Acho que estou ficando doente”, “Ainda não me sinto bem”. Essas são algumas das respostas dadas por uma mulher, que não teve a identidade e nem a nacionalidade reveladas, para negar sexo ao marido durante 30 dias, entre os meses de junho e julho.

Insatisfeito, o homem listou todas elas e resolveu mandar para a mulher por e-mail enquanto ela se dirigia ao aeroporto para uma viagem a trabalho de 10 dias.

Irritada depois de não ter suas diversas ligações atendidas, a mulher resolveu compartilhar o documento no Reddit com um texto no qual dizia, segundo o Daily Mail, que os dois estão juntos há cinco anos, mas casados há dois. Sem filhos, eles compraram uma casa há cinco meses.

“Ele nunca fez isso, nós sempre nos comunicamos pessoalmente ou por texto. Eu abri isso agora e percebi que essa tabela é um levantamento sarcástico no qual ele deixa claro que não sentirá a minha falta pelos próximos dez dias (…) Nossas vidas têm sido uma loucura de tão ocupadas. Passamos toda a primavera renovando a nossa nova casa. No meu trabalho, me deram quase o dobro da minha carga de tarefas habitual depois de alguns dos meus colegas terem sido demitidos. Ganhei algum peso no inverno e estou me arrebentando na academia para me livrar dele”, disse.

Antes de ser deletado, o documento foi compartilhado milhares de vezes, recebendo inúmeras mensagens de apoio para ambos os lados. A maioria das pessoas criticou a “imaturidade” do marido e disse que ele deveria ter lidado com o problema de uma forma diferente.

Hoje não vai dar
No Brasil, um perfil de Twitter chama a atenção também ao listar desculpas, mas para recusar o convite para sair. O @hojenaovaidar – Melhores desculpas para não sair com você – cita diariamente desculpas engraçadas e pouco convincentes que poderiam ser substituídas simplesmente por um não. Confira algumas abaixo:

Hoje não vai dar, não quero estragar a nossa amizade.
Hoje não vai dar, mas me encontra lá no Tinder
Hoje não vai dar, ainda tô com ressaca da Copa
Hoje não vai dar, quebrou meu forninho
Hoje não vai dar, tenho chá de fralda da minha prima

dica do Gerson Caceres Martins

Leia Mais

Sobre casamento e amor

Tatuagem-Casais-heartlock“Não é bom que o homem esteja só. Far-lhe-ei uma companheira
que lhe seja suficiente. [Gênesis 2.18]

Ed René Kivitz

Venho me perguntando o que faz as pessoas optarem pelo casamento se contam com outras alternativas para a vida a dois. A justificativa mais comum para o casamento é o amor. Mas devemos considerar que amor é uma experiência cuja definição está em xeque não apenas pela quantidade enorme de casais que “já não se amam mais”, como também pelo número de pessoas que se amam, mas não conseguem viver juntas.

Talvez por estas duas razões – o amor eterno enquanto dura e o amor incompetente para a convivência – nossa sociedade providenciou uma alternativa para suprir a necessidade afetiva das pessoas: relacionamentos temporários em detrimento do modelo indissolúvel. Mas, mesmo assim, o número de pessoas que optam pelo casamento em sua forma tradicional, do tipo “até que a morte vos separe” cresce a cada dia.

Acredito que existe uma peça do quebra cabeça que pode dar sentido ao quadro. Trata-se da urgente necessidade de desmistificar este conceito de amor que serve de base para a vida a dois. Afinal de contas, o que é o amor conjugal? Para muitas pessoas, é confundido com a paixão. Paixão é aquela sensação arrebatadora que nos faz girar por algum tempo ao redor de uma pessoa como se ela fosse o centro do universo e a única razão pela qual vale a pena viver. Esta paixão geralmente vem acompanhada de uma atração quase irresistível para o sexo, e não raras vezes se confunde com ela. Assim, palavras como amor, paixão, desejo e tesão acabam se fundindo e tornando-se quase sinônimas.

Este conceito de amor justifica afirmações do tipo “sem amor nenhum casamento sobrevive”, “sem paixão, nenhum relacionamento vale a pena”, “é o sexo apaixonado que dá o tempero para o casamento”.

Minha impressão é que todas estas são premissas absolutamente irreais e falsas. Deus justificou a vida entre homem e mulher afirmando que “não é bom estar só”. Nesse sentido, casamento tem muito pouco a ver com paixão arrebatadora e sexo alucinante. Casamento tem a ver com parceria, amizade, companheirismo, e não com experiências de êxtase. Casamento tem a ver com um lugar para voltar ao final do dia, uma mesa posta para a comunhão, um ombro na tribulação, uma força no dia da adversidade, um encorajamento no caminho das dificuldades, um colo para descansar, um alguém com quem celebrar a vida, a alegria e as vitórias do dia-a-dia. Casamento tem a ver com a certeza da companhia do outro no dia do fracasso, e a mão estendida na noite de fraqueza e necessidade. Casamento tem a ver com ânimo, esperança, estímulo, valorização, dedicação desinteressada, solidariedade, soma de forças para construir um futuro satisfatório. Casamento tem a ver com a certeza de que existe alguém com quem podemos contar apesar de tudo e todos … a certeza de que, na pior das hipóteses e quaisquer que sejam as peças que a vida possa nos pregar, sempre teremos alguém ao lado.

Nesse sentido, não é certo dizer que sem amor nenhum casamento sobrevive, mas sim que sem casamento nenhum amor sobrevive. Não é certo dizer que sem paixão, nenhum relacionamento vale a pena, mas sim que sem relacionamento nenhuma paixão vale a pena. Não é o sexo apaixonado que dá o tempero para a vida a dois, mas a vida a dois que dá o tempero para o sexo apaixonado. Uma coisa é transar com um corpo, outra é transar com uma pessoa. Quanto mais valiosa a pessoa, mais prazeroso e intenso o sexo. Quanto maior o afeto, mais prolongado o tesão. Quanto menos valorizada a pessoa, mais banal a transa.

Podemos resumir a vida a dois, entre homem e mulher, conforme idealizada por Deus, em três palavras que descrevem um casal bem sucedido.

Um casal bem sucedido é um par de amantes.

Um casal bem sucedido é um par de amigos.

Um casal bem sucedido é um par de aliados.

São três letras A que fornecem a base de uma relação duradoura. Amante se escreve com A. Amigo se escreve com A. Aliado se escreve com A. E não creio ser mera coincidência o fato de que todas as três, amante, amigo e aliado, se escrevem com A… A de AMOR.

fonte: Facebook

Leia Mais

Cerca de 40% dos homens preferem futebol na TV a sexo na cama, diz pesquisa

Cerca de 27% dos entrevistados revelaram que pensam em futebol durante a relação sexual

sexotvWendy Candido, no Virgula

A Copa do Mundo não é a responsável por apenas piorar o trânsito, mas também por desacelerar a vida sexual das pessoas. Pelo menos é o que concluiu a pesquisa da 72 Point, que conversou com 2 mil homens do Reino Unido e descobriu que 42% deles recusariam sexo para ver futebol na televisão.

Há também aqueles que preferem dividir as atividades: cerca de 37% dos entrevistados revelaram que fariam sexo se pudessem deixar uma televisão ligada durante a partida; e ainda assim, 27% deles declararam que pensam em futebol durante a relação sexual.

A pesquisa, divulgada pelo Daily Mail, também fez uma lista com as dez justificativas mais comuns para que os homens recusem sexo. Confira a lista abaixo:

  1. “Quero assistir ao jogo de futebol”
  2. “Estou com dor nas costas”
  3. “Estou muito cansado”
  4. “Estou com dor de cabeça”
  5. “Tenho trabalhado até tarde”
  6. “Tenho trabalho a fazer”
  7. “Estou muito bêbado”
  8. “Podemos fazer isso depois?”
  9. “Eu não me sinto bem”
  10. “Tenho que acordar cedo amanhã”

Leia Mais

Pesquisa: ter televisão no quarto melhora a vida sexual

Cena de 'Sex and the City' / Divulgação
Cena de ‘Sex and the City’ / Divulgação

Fernando Moreira, no Page not Found

Uma recente pesquisa revelou que casais que têm uma televisão no quarto tem vida sexual mais intensa que aqueles que não possuem. Pelo menos, no Reino Unido.

A pesquisa com 2.431 britânicos feita pela Voucher Codes Pro, empresa de ofertas on-line, apontou que 2/3 dos entrevistados acreditam ter uma vida sexual mais movimentada e saudável porque têm o aparelho de TV no quarto. Destes, 50% afirmaram que o motivo é simples: eles podem fazer sexo e assistir aos programas preferidos ao mesmo tempo. Mais: 37% usam a tevê para se estimular assistindo a filmes eróticos.

Por outro lado, 26% dos entrevistados disseram não ter uma televisão na alcova porque ela arruinaria o sexo.

A pesquisa não revelou se o número de polegadas do aparelho tem algum peso sobre a intensidade sexual.

Leia Mais

“O silêncio protege o pedófilo”

O empresário Marcelo Ribeiro, 48, autor do livro "Sem Medo de Falar - Relato de uma Vítima de Pedofilia" (foto: Marlene Bergamo/Folhapress)
O empresário Marcelo Ribeiro, 48, autor do livro “Sem Medo de Falar – Relato de uma Vítima de Pedofilia” (foto: Marlene Bergamo/Folhapress)

Eliane Trindade, na Folha de S.Paulo

Há seis anos, Marcelo Ribeiro, 48, revelou à mulher Renata Daud, 36, ter sido abusado sexualmente dos 9 aos 16 anos pelo maestro do coral da Igreja Católica de sua cidade natal, em Minas, e depois no Rio Grande do Sul. Uma crise na relação levou o empresário a relatar pela primeira vez um trauma que escondia há mais de três décadas e que agora conta também no recém-lançado livro “Sem Medo de Falar – Relato de uma Vítima de Pedofilia” (ed. Paralela, 195 págs., R$ 24,90). A seguir, o depoimento em primeira pessoa do autor sobre o abuso e suas consequências:

*

“Quando comecei a ser molestado aos nove anos de idade pelo maestro do coral da Igreja Católica da minha cidade natal, em Minas, eu não tinha noção do que era sexo. O primeiro beijo que ele me deu foi uma coisa maravilhosa. Para mim, não era erótico. Criança é erógena. Sente, mas não sabe lidar com aquilo.

Já ele, o predador sexual, sabia o que estava fazendo. Não fui violentado, mas abusado sexualmente dos 12 aos 16 anos. Uma noite, eu acordei com o maestro na minha cama. Ele se assustou, me mandou fazer silêncio, saiu do quarto e eu fiquei sem compreender nada.

O maestro era respeitado na minha cidade a ponto de ganhar a confiança dos meus pais para que eu fosse morar com ele no Sul, para onde o coral se transferiu.

A primeira vez que me lembro de ter feito sexo com ele foi quando ficamos sozinhos na casa paroquial. A mãe dele tinha viajado e o secretário estava em outro quarto. O maestro foi tirando a minha roupa e eu fui aceitando. Ele já tinha me beijado escondido várias vezes.

BEL-PRAZER

Aprendi que tenho de ser explícito para que as pessoas compreendam o que quer dizer abuso sexual e pedofilia. Ele fez sexo comigo, me acariciou, me tocou, me beijou, me fez praticar sexo oral e me penetrou. Repetidas vezes e a seu bel-prazer. E exigiu que eu o penetrasse.

Não havia o meu desejo. Era obediência mesmo. Como eu era muito criança, parecia que aquilo não me incomodava tanto, porque tinha outras coisas bacanas, como cantar no coral, ser reconhecido. Chegamos a gravar discos, nos apresentávamos em casamentos e saíamos em turnê pelo país.

Os abusos eram um fardinho que eu tinha de carregar. Só fui tomar consciência de ser vítima de pedofilia muito depois. O maestro, que se tornaria padre, dizia que a nossa era uma história de amor. Sempre contava que Mozart tinha um sobrinho que vivia assim com ele. É como se fosse normal, mas era dúbio. Tinha que ser escondido.

Tenho 48 anos e só aos 42 consegui falar sobre o assédio. Contei minha história em um livro por saber que existem tantas outras vítimas que não conseguem denunciar.

ABUSO HOMOSSEXUAL

Sinto que é muito importante um homem falar de abuso. Temos vários depoimentos de mulheres na internet. Muitas falam abertamente. É mais difícil falar de um abuso que é homossexual. Nunca pensei se eu era ou não era gay. Antes de ser molestado, tive uma paixão platônica por uma colega de escola. Quando decidi abandonar o coral e voltar para casa, eu tinha 16 para 17 anos e nenhum traquejo com meninas. Afinal, de alguma forma, já tinha me iniciado sexualmente, mas não com mulher. Então, minha opção foi pelas profissionais, como vários jovens da época, quando era estudante de engenharia em Belo Horizonte.

Vivi uma adolescência tardia. Aos 26 anos, conheci minha mulher. Renata tinha 13. Falei para o amigo que nos apresentou: ‘Como é que você me apresenta uma menina que não tem peitinho ainda?’ Fiz essa grosseria, mas namoramos por dois anos.

Eu era totalmente desregulado. Agia com brutalidade. Meus familiares foram os que mais sofreram com as sequelas do abuso, com o ódio que eu tinha guardado.

Só contei aos meus pais quando o livro estava para sair. Sinto que minha mãe, que é muito católica, carrega uma culpa. Espero que ela passe a culpar a Igreja, afinal, ela autorizou que eu fosse morar com o maestro imaginando que eu estivesse nas mãos seguras de religiosos.

LAVAGEM CEREBRAL

O maestro foi nos afastando da família, dos amigos, do futebol. Era uma lavagem cerebral. Comecei a me rebelar quando fui passar férias em casa e voltei usando jeans. Nós tínhamos que usar calça social, com vinco, e camisa de manga comprida e gola, com o último botão fechado.

Minha mulher diz que existe força no ato de falar o que até então era indizível. Reencontrei Renata adulta e nos apaixonamos novamente. Mas, há seis anos, ela pediu que eu fosse embora da vida dela. Foi o medo de perdê-la que me fez falar pela primeira vez que eu tinha sofrido abuso. Ela foi amorosa e sábia para me ajudar a me libertar daquele trauma.

A vida foi me preparando para este momento. As denúncias de pedofilia na Europa e nos Estados Unidos dão força às vítimas. O silêncio protege o pedófilo. Falar desnuda ele. E a força do denunciar está em reverberar.

É um modo também de incentivar que pais e educadores falem abertamente sobre o assunto. Temos que ter consciência de que esse é um crime muito comum. O pedófilo está próximo: pode ser um padre, um maestro de coral, um professor de educação física. E a gente vai ter que falar para as crianças. Elas vão ter que saber o que é pedofilia, até para estarem mais protegidas.

SEM PRESCRIÇÃO

O livro levanta ainda a questão da prescrição dos crimes de abuso sexual infantil. Meu caso está prescrito há décadas. Antes, o pedófilo não podia mais ser punido após dez anos, a contar da data do abuso. Com a denúncia da nadadora Joana Maranhão, a lei foi alterada e passou a contar dez anos a partir dos 18 anos da vítima.

Defendo que não exista prescrição para esse tipo de crime. Tenho contato com muitas vítimas, e ninguém sabe quando vai se curar do trauma e conseguir falar.

O maestro dirige hoje uma instituição no Sul do país. Ele mudou de ordem. Não é mais católico. No entanto, fiz a denúncia à CNBB por ter sido vítima de abuso sexual dentro da Igreja Católica, numa casa paroquial.

Esperava que a entidade tomasse pelo menos meu depoimento formal. Ninguém me procurou. Cheguei a falar diretamente com o presidente da CNBB na época, dom Geraldo, que era arcebispo de Mariana. Ele disse que eu não precisava me preocupar mais.

Três décadas depois, tomei coragem e telefonei para o mosteiro para falar com o maestro, que continua cercado de jovens. Perguntei: ‘Por que você não se afasta das crianças já que tem essa doença?’. Ele não disse nada. Lembrei do que ele tinha feito a mim e a resposta foi o silêncio. Antes que desligasse, fiz um apelo: ‘Para de fazer o mal’.

Eu não revelo o nome dele no livro. Não se trata de vingança. Se eu contasse todos os detalhes, eu ia reduzir o fato à minha história. É uma forma de não discutir só o meu caso, mas de falar de um problema social. Quis contar o meu caso e não a história do coral, embora saiba que existam outras vítimas.

Espero que o livro ajude a sociedade brasileira no combate à pedofilia. É um documento que pode ajudar outras vítimas, os legisladores e, principalmente, os pais. Eu fui escolhido para ser uma vítima. E tenho certeza de que também fui escolhido para contar a história.”

OUTRO LADO

Procurada pela Folha para falar sobre a denúncia do empresário Marcelo Ribeiro, a CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil) não respondeu até a conclusão desta edição.

Em carta endereçada a Marcelo Ribeiro, datada de 23 de junho de 2010, a CNBB acusa o recebimento da “denúncia de pedofilia e abuso sexual na Diocese de Novo Hamburgo/RS”.

“Agradeço-lhe a confiança e informo que o assunto foi encaminhado à Assessoria Jurídica da CNBB”, diz o texto assinado por Dom Geraldo Lyrio Rocha, arcebispo de Mariana, e então presidente da entidade.

Desde então, o autor da denúncia tenta obter informações do andamento das investigações. O padre acusado de pedofilia se desligou da Igreja Católica por razões não informadas e hoje está à frente de um mosteiro no Sul. Marcelo não revela a sua identidade nem encaminhou o caso a Justiça, pois seu caso está prescrito há três décadas.

Leia Mais