Sexo faz o cérebro crescer

Ontem eu era virgem; hoje, sou nerd

Thiago Perin, no Ciência Maluca

Calma, gente. Por enquanto, o efeito só foi comprovado nos ratos. Mas… Tudo indica que a mesma coisa possa acontecer nos humanos. Para chegar a essa conclusão, cientistas da Universidade de Princeton, em Nova Jérsei (EUA), brincaram de cupido com dois grupos de ratinhos: um deles “teve acesso” a fêmeas sexualmente receptivas uma vez por dia, durante duas semanas. O outro, só uma única vez nesse mesmo período.

Comparados aos ratos virgens, os dois grupos saíram da experiência com mais neurônios no hipocampo (outros estudos já mostraram que as células dessa região são especialmente sensíveis a experiências ruins; a não ser que as intimidades dos ratos tenham sido bem decepcionantes, aparentemente às boas também). E, enquanto os ratinhos que só viram a fêmea uma vez registraram aumento no nível dos hormônios de estresse (!), os que mandaram ver todos os dias tiveram um up, além de em novos neurônios no hipocampo, também nas células adultas do cérebro e no número de conexões entre elas. Que beleza, não?

 

Leia Mais

Fazia tempo

Arte de Giotto

Publicado por Carpinejar

Fazia tempo que não deixava a comida esfriar no prato pelo interesse na conversa.

Fazia tempo que não abria o zíper de um vestido com todo o cuidado para não machucar a pele.

Fazia tempo que não tinha tanta ansiedade de meu passado.

Fazia tempo que não via alguém amarrar meu cadarço.

Fazia tempo que não andava de ônibus dividindo o headphone.

Fazia tempo que não esperava passar a chuva.

Fazia tempo que não procurava fotografias de minha infância.

Fazia tempo que não reparava em casais mais velhos comendo em silêncio.

Fazia tempo que não sofria de compaixão dos bancos de praça.

Fazia tempo que não observava o musgo nos fios telefônicos, ouvia o barulho de lâmpadas falhando das cigarras.

Fazia tempo que não agradecia com desculpa e me desculpava com obrigado.

Fazia tempo que não me acordava louco para dormir um pouco mais.

Fazia tempo que o cheiro da pele não se parecia tanto com o cheiro dos travesseiros.

Fazia tempo que não me exibia aos meus amigos.

Fazia tempo que não me curvava aos cachorros de minha rua.

Fazia tempo que o cansaço não me atrapalhava.

Fazia tempo que não decorava os hábitos de outra pessoa a ponto de antecipá-la em pensamento.

Fazia tempo que não me importava em conferir a previsão do tempo e o horóscopo.

Fazia tempo que não me preocupava com o que havia na geladeira.

Fazia tempo que não ria sozinho, sem controlar a altura da voz.

Fazia tempo que não enganchava minhas roupas num brinco.

Fazia tempo que não tinha saudade do que nem iria acontecer.

Fazia tempo que não respondia com perguntas, como se estivesse estudando para o vestibular.

Fazia tempo que não temia o intervalo dos telefonemas.

Fazia tempo que não massageava os pés no colo – os pés femininos são mãos distraídas.

Fazia tempo que não escrevia bilhetes para despertar surpresas pela casa.

Fazia tempo que não curava a ressaca com sexo.

Fazia tempo que não estendia no varal a calcinha molhada no box do banheiro.

Fazia tempo que não dobrava a camiseta com suspiro, ou dobrava o suspiro com a camiseta.

Fazia tempo que não me demorava no espelho, encolhendo a barriga, ensaiando cumprimentos.

Fazia tempo que não mergulhava em silêncio para não desperdiçar nenhuma frase dita.

Fazia tempo que não beijava esquecendo aonde ia e quem poderia estar olhando.

Fazia tempo que não me apaixonava assim.

Leia Mais

Pornografia na internet vicia crianças a partir dos 11 anos, revela pesquisa

Universidade de Plymouth, no Reino Unido, publicou um estudo no qual mostra que as crianças a partir dos 11 anos estão se viciando em pornografia na internet e antecipando sua sexualidade, o que pode gerar problemas na vida adulta. De acordo com a pesquisa, o acesso a conteúdos proibidos para menores de 18 anos dá às crianças expectativas irreais sobre o sexo e as tornam insensíveis às imagens pornográficas.

Como solução para o problema, a Associação Nacional dos Diretores do país diz que é necessária a adição de uma disciplina de orientação sexual aos alunos do ensino fundamental, que estão crescendo em um “mundo sexualizado” e precisam aprender a lidar com tanto conteúdo adulto disponível facilmente através da internet. A União Nacional de Professores do Reino Unido discorda e diz que abordar o tema nas salas de aula seria um passo muito largo, já que as crianças do nível fundamental não têm maturidade suficiente para discutir o assunto. Os professores acreditam que, mesmo sendo imaturas, as crianças sabem lidar com a pornografia online e que as escolas devem instruí-las apenas se elas solicitarem.

 O conselheiro político Sion Humphreys, em entrevista àRádio 1 da BBC, disse que a orientação sexual deveria começar a partir dos 10 anos, de forma leve, para “estabalecer as bases”. De acordo com Humphreys, os professores precisam ser instruídos para ter esse diálogo com os mais novos.

Já a fundadora do site Netmums, que dá orientações a mães, acredita que o trabalho conjunto entre pais e professores é a solução ideal para educar sexualmente as crianças. Ela diz que o assunto é um “campo minado” e que muitos não sabem o que fazer ou dizer a uma criança. “Por exemplo, uma mãe solteira pode saber como conversar com seus filhos adolescentes, já um pai solteiro pode não saber como falar do assunto com sua filha”, explica.

De acordo com o DailyMail, o Departamento de Educação do governo do Reino Unido não quis comentar sobre a inclusão da orientação sexual para o ensino fundamental mas diz que cabe a cada escola definir como tratar o assunto.

Leia Mais

Pastor do Rio promete a adolescente a cura de “câncer” através de relações sexuais

Publicado originalmente no site do Ministério Público do Rio de Janeiro

O Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MPRJ), por intermédio da Promotoria de Investigação Penal de Petrópolis, ofereceu denúncia em face de Luciano Felix da Silva, pastor da Igreja Assembleia de Deus a Caminho do Céu, localizada no Município de Areal, na Região Serrana, pelo crime de estupro de adolescente. A Promotoria requereu a conversão da prisão de Luciano, detido desde segunda-feira (15/10), de temporária para preventiva.

Segundo texto da denúncia, subscrita pela Promotora de Justiça Maria de Lourdes Féo Polonio, a adolescente conta que o Pastor a abordou e disse que ela tinha um câncer que fora “revelado a ele por Deus”. A cura, de acordo com Luciano, seria manter relações sexuais com ele.

Ainda conforme narra a denúncia, como a adolescente se negou a ter relações sexuais com o pastor, ele insistiu dizendo que a doença estava se agravando e se masturbou na frente dela, dizendo que a cura, entretanto, não seria completa. Em seguida, com a mão em cima de sua genitália, “orou” pela sua cura.

A Promotoria destaca que Luciano aproveitou a autoridade que exercia sobre a vítima, já que era pastor na igreja frequentada tanto pela menina como por sua família, para a prática do crime previsto no artigo 213 do Código Penal Brasileiro, que estabelece que é crime “constranger alguém, mediante violência ou grave ameaça, a ter conjunção carnal ou a praticar ou permitir que com ele se pratique outro ato libidinoso”.

A Promotora Maria de Lourdes ressalta na denúncia a importância do testemunho de vítimas de estupro. “Cumpre salientar que a palavra da vítima nos crimes sexuais possui valor preponderante, eis que estes, na maioria das vezes, são cometidos na clandestinidade, sem a presença de qualquer testemunha e não deixando quaisquer vestígios”, narra trecho da denúncia.

Como informou a Promotoria, em caso de condenação, a pena pode chegar a 18 anos.

Leia Mais

Jovens americanos acham o Facebook mais estimulante do que sexo

Lu Galastri, na Galileu

Uma pesquisa, feita pela Universidade de Chicago, sugere que jovens americanos ficam mais tentados a entrar no Facebook e no Twitter do que a responder suas necessidades sexuais. É isso mesmo – fuçar no perfil das pessoas pode ser mais tentador e estimulante do que o ato sexual em si.

Para chegar a essas conclusões, cientistas entrevistaram 250 universitários e descobriram que a preferência vem da facilidade das mídias sociais. Segundo eles, o apelo do Facebook é comparável ao de uma janela – você não consegue ficar sem olhar por muito tempo, já que está lá ao seu lado, fácil. Já a vida sexual seria mais trabalhosa.

Além disso, quanto mais tempo os entrevistados ficavam sem usar redes sociais maior era sua urgência de retornar, sua vontade de olhar pela janela.

Você conhece gente que realmente se comporta assim? Sente que vive demais em suas redes sociais? Deixe sua opinião nos comentários.

Leia Mais