8 frases de Chaves que poderiam ter saído da Bíblia

8-Frases-do-seriado-chaves-que-poderiam-ter-saído-da-bíblia-profetirando-humor-gospel-cristão

publicado no Profetirando

Pra comemorar os 30 anos de CHAVES, confira 8 Frases do seriado que poderiam ter sido tiradas da Bíblia.

“A vingança nunca é plena, mata a alma e a envenena”
-Provérbios de Seu Madruga.

“Quem come tudo e não divide nada acaba com a barriga inchada.”
-Chaves, sobre amar o próximo.

“As mulheres são assim: começam ficando com o chapéu e acabam ficando com a carteira.”
-Mais um provérbio de Seu Madruga, sobre a mulher que não edifica a casa.

“Não há nada mais trabalhoso do que viver sem trabalhar!”
-Provérbios de Seu Madruga

As pessoas boas devem amar seus inimigos.
-Seu Madruga, sobre Mateus 5:44.

“Eu sei que o Homem Invisível está aqui!”
“Por quê?”
“Porque não estou vendo ele!”
– Chaves, a definição de fé

“Eu vou comprar roupas pra todo mundo que precisa de roupa, como aquelas pobres senhoras que aparecem naquelas revistas que o senhor lê…”
-Chaves, bondade e amor ao próximo

“Prefiro morrer do que perder a vida”.
-Chaves, parafraseando Marcos 8:35.

Leia Mais

O humor como expressão de saúde psíquica e espiritual

smile-shewatchedtheskyPublicado por Leonardo Boff

Todos os seres vivos superiores possuem acentuado sentido lúdico. Basta observa os gatinhos e cachorros de nossas casas. Mas o humor é próprio só dos seres humanos. O humor nunca foi considerado tema “sério” pela reflexão teológica, sabendo-se que ele se encontra presente em todas as pessoas santas e místicas que são os únicos cristãos verdadeiramente sérios. Na filosofia e na psicanálise teve melhor sorte.

Humor não é sinônimo de chiste, pois pode haver chiste sem humor e e humor sem chiste. O chiste é irrepetível. Repetido, perde a graça. A historieta cheia de humor conserva sua permanente graça; e gostamos de ouvi-la repetidas vezes.

O humor só pode ser entendido a partir da profundidade do ser humano. Sua característica é ser um projeto infinito, portador de inesgotáveis desejos, utopias, sonhos e fantasias. Tal dado existencial faz com que haja sempre um descompasso entre o desejo e a realidade, entre o sonhado e sua concretização. Nenhuma instituição, religião, Estado e lei conseguem enquadrar totalmente o ser humano, embora existam exatamente para enquadrá-lo a um certo tipo de ordem. Mas ele desborda estas determinações. Daí a importância da violação do inédito para a vivência da liberdade e para que surjam coisas novas. Isso na arte, na literatura e também na religião.

Quando se dá conta desta diferença entre a lei e a realidade – veja-se por exemplo, a exdrúxula moral católica sobre a proibição do uso da camisinha em tempos em que grassa a AIDs – surge o sentido do humor. Dá vontade de rir, pois é tudo tão fora do bom senso, é tanto discurso proferido em pleno deserto que ninguém escuta nem observa que só podemos ter humor. Essas pessoas vivem na lua não na Terra.

No humor se vive o sentimento de alívio do peso das limitações e do prazer de vê-las relativas e sem a importância que elas mesmas se dão. Por um momento, a pessoa se sente livre dos superegos castradores, das injunções impostas pela situação e faz uma experiência de liberdade, como forma de plasmar seu tempo, dar sentido ao que está fazendo e construir algo novo. Por detrás do humor vigora a criatividade, própria do ser humano. Por mais que haja constrangimentos naturais e sociais, sempre há espaço para se criar algo novo. Se não fosse assim não haveria gênios na ciência, na arte e no pensamento. Inicialmente são tidos por “loucos”, excêntricos e anormais. Quando tudo passou, um novo olhar descobre a genialidade de um van Gogh, a criatividade fantástica de Bach, quase desapercebido no seu tempo. De Jesus se diz que “os seus saíram para agarrá-lo, pois diziam “ele está louco”(Mc 3,21). De São Francisco se disse a mesma coisa: ele é um “pazzus” um louco, coisa que ele aceitava como expressão da vontade de Deus. E era uma santo cheio de de humor e alegria a ponto de o chamaram”frade-sempre-alegre”.

Em palavras mais pedestres: o humor é sinal de que nos é impossível definir o ser humano dentro de um quadro estabelecido. Em seu ser mais profundo e verdadeiro é um criador e um livre.

Por isso, pode sorrir e ter humor sobre os sistemas que o querem aprisionar em categorias estabelecidas. E o ridículo que constatamos em senhores sérios (por exemplo, professores, juízes, diretores de escola e até monsenhores) que querem, solenemente e com ares de uma autoridade superior, quase divina, fazer dos outros cegos e submissos ou quais ovelhas terem que  obedecer às suas ordens. Isso também causa humor.

Acertado estava aquele filósofo (Th. Lersch Philosophie des Humors, Munique 1953, 26) que escreveu: “A essência secreta do humor reside na força da atitude religiosa. Pois o humor vê as coisas humanas e divinas na sua insuficiência diante de Deus”. A partir da seriedade de Deus, o ser humano sorri das seriedades humanas com a pretensão de serem absolutamente verdadeiras e sérias. Elas são um nada diante de Deus. E existe ainda toda uma tradição teológica que nos vem dos Padres da Igreja Ortodoxa que falam do Deus ludens, (do Deus lúdico) pois criou o mundo como um jogo para o seu próprio entretenimento. E o fazia, sabiamente, unindo humor com seriedade.

Quem vive centrado em Deus tem motivos de cultivar o humor. Relativiza as seriedades terrenas, até os próprios defeitos e é um livre de preocupações. São Thomas Morus, condenado à guilhotina, cultivou o humor até o fim: pedia aos algozes que lhe cortassem o pescoço mas lhe poupassem a longa barba branca. São Lourenço sorria com humor dos algozes que o assavam na grelha e os incitava a virá-lo do outro lado porque de um lado estava vem cozido ou do Santo Inácio de Antioquia, bispo, ancião e referência de toda a Igreja dos primórdios, que suplicava aos leões que viessem devorá-lo para passar mais rapidamente à felicidade eterna.

Conservar esta serenidade, viver em estado de humor e compreendê-lo a partir das insuficiências humanas é uma graça que todos devemos buscar e pedir a Deus.

Leia Mais

Fã do Superman faz 19 cirurgias para ficar parecido com o super-herói

Filipino operou nariz, queixo, fez clareamento na pele e procedimentos no corpo para ficar parecido com o super-herói

reproducao-superman-2-619x464

 

Publicado no Terra

O Filipino Herbert Chavez, 35 anos, passou 16 anos fazendo cirurgias plásticas para ficar parecido com o personagem Clark Kent, do filme Superman. Ele operou o nariz, os lábios, fez clareamento da pele, lipoaspiração, realinhamento da mandíbula e implantes abdominais para se assemelhar ao ídolo. Chavez gastou mais de R$ 15 mil em procedimentos, uma fortuna em comparação com o salário médio nas Filipinas que é de R$ 4,66 por hora. As informações são do Daily Mail.

O Filipino costuma sair pelas ruas ao redor de sua casa vestido como o super-herói, alegra as crianças e ensina bons costumes. “Me sinto um super-herói sempre que eu visto o traje do Superman, mas a minha missão não é salvar o mundo, é levar o sorriso aos rostos das crianças da região. Não me arrependo de nada”, contou ele.

Chavez disse ser difícil se manter como uma pessoa “perfeita”. “Quando se fala em super-heróis, as pessoas pensam que eles são impecáveis, não se machucam, nem morrem. Mas como humanos, só podemos copiar a aparência deles”, afirmou. Chavez precisa fazer retoques constantes nas modificações para manter a aparência. O cirurgião Tito Garcia faz todo o trabalho de graça, em troca da divulgação do nome do profissional feita por Chavez.

reproducao-superman-1-619x464

 

Chávez cria suas próprias fantasias e tem intenção de fazer mais procedimentos cirúrgicos para ficar ainda mais parecido com o personagem. Em junho de 2013, o Guinness reconheceu Chávez por ter a maior coleção em homenagem ao Superman, com 1.253 itens – entre bonecos de tamanho real, cartazes e anéis valiosos. O plano de Chavez é aumentar a coleção para 10 mil peças.

Dica da Cristina Danuta

Leia Mais

Entregador do McDonald’s cospe em hambúrguer e manda SMS avisando cliente

mcdonalds

Publicado originalmente no UOL

Um entregador da rede de fast food McDonalds na Coreia do Sul insultou um cliente por SMS nesta terça-feira (20). O funcionário cuspiu no lanche que estava carregando e depois informou o cliente sobre a grosseria por uma mensagem de texto pelo celular.

O cliente era um estudante universitário de sobrenome Kim, que havia pedido dois combos para entrega. O entregador, no entanto, não conseguia encontrar o endereço, e Kim teve que orientá-lo por telefone quatro vezes.

Depois de 40 minutos, a comida chegou. Kim consumiu os lanches. Mais 40 minutos se passaram antes que ele recebesse uma mensagem de texto do entregador, que provocava: “O cuspe estava gostoso? ^^”.

O funcionário utilizou o símbolo “^^” para representar um sorriso irônico.

Kim telefonou para o call center do McDonald’s e contou sua história. O gerente da loja demorou a acreditar que o entregador tivesse enviado uma mensagem de texto sobre o ocorrido.

Mais tarde, ficou provado que a mensagem tinha sido mesmo enviada pelo entregador.

Em uma entrevista, Kim afirmou que não conseguia imaginar por que o entregador enviaria uma mensagem de texto, e acrescentou que estava bravo com o gerente da loja por não ter acreditado nele.

O McDonalds se desculpou pelo incidente, e o entregador pediu demissão.

Leia Mais