ONG sugere ‘colher na calcinha’ para combater casamentos forçados

combate-casamentos-forçados

Publicado no Terra

Uma organização britânica que luta contra os casamentos forçados de jovens que vivem no subcontinente indiano aconselha às vítimas em potencial a adotar uma estratégia inusitada: esconder uma colher nas roupas íntimas para acionar os detectores de metais do aeroporto e, assim, conseguir chamar a atenção para sua situação.

A organização Karma Nirvana, com sede em Derby, na região central da Inglaterra, recebe anualmente 6.500 ligações relacionadas a casamentos forçados. As vítimas são, em 80% dos casos, de acordo com dados oficiais, jovens nativas de países do subcontinente indiano, região peninsular do Sul da Ásia, onde se situam Índia, Paquistão, Bangladesh, Nepal e Butão.

O governo britânico lançou uma campanha para tentar evitar que, sob o pretexto das férias de verão, estas jovens sejam enviadas ao exterior para se casar contra sua vontade.

“Quando as vítimas em potencial ligam e não sabem se isso pode acontecer com elas, ou quando exatamente vai acontecer, recomendamos que elas escondam uma colher nas roupas íntimas”, explica Natasha Rattu, diretora da Karma Nirvana.

“O objeto de metal escondido no corpo é detectado quando elas passam pelo controle de segurança e se a vítima tiver 16 anos ou mais, será levada para um local seguro, onde terá a última chance de revelar, sem que seus pais estejam presentes, que querem forçá-la a se casar”, disse à AFP.

“Várias pessoas têm nos ligado para dizer que isto fez com que elas se livrassem desta situação perigosa. É um método seguro, já que é muito difícil denunciar esta situação quando a família está próxima”, acrescentou a responsável, fundada por Jasvinder Sanghera, que precisou fugir de casa para escapar de um casamento forçado quando era adolescente.

A associação trabalha com os aeroportos de Heathrow, em Londres, Liverpool e Glasgow e, em breve, também contará com o aeroporto de Birmingham para tentar sensibilizar os funcionários sobre os sinais que sugerem um caso de casamento forçado, como uma passagem aérea só de ida para férias de verão ou a atitude das jovens.

No ano passado, o escritório do ministério das Relações Exteriores responsável pelo combate aos casamentos forçados cuidou de 1.500 casos. Apenas 18% das vítimas eram do sexo masculino e um terço era composto por menores de 17 anos. A mais jovem das vítimas tinha apenas dois anos e a mais velha, 71.

Cerca de metade dos casos envolvia o Paquistão, enquanto Bangladesh correspondia a 11% dos registros, a Índia 18%, e o Afeganistão 2%. O problema também afeta a Somália, a Turquia e o Iraque.

Os pedidos de ajuda recebidos pela Karma Nirvana geralmente aumentam antes da viagem de férias de verão e no fim delas. “As férias são um momento propício para o desaparecimento das jovens, já que a escola não sentirá falta delas”, explica Natasha Rattu.

A conscientização tem crescido no Reino Unido, onde vivem várias comunidades de imigrantes, e onde os suicídios e assassinatos “de honra”, ligados ao casamento forçado, têm marcado a opinião pública. Porém, os especialistas avaliam que as vítimas que se manifestam junto às autoridades e associações são apenas a ponta do iceberg.

Para promover a conscientização da população, a Polícia de Essex, no sudeste da Inglaterra, publicou em seu site o depoimento anônimo de uma mulher forçada a se casar com um homem escolhido por seus pais.

Ela relatou o medo que tinha por causa das ameaças do pai. “Ele disse que se eu tentasse fugir, ele me encontraria e me mataria. Falou que ele preferia ir para a cadeia do que ter que suportar a desonra que eu causaria à família”, contou.

A mulher acabou aceitando o “casamento indiano”. “Naquela noite, meu marido me estuprou. As agressões continuaram durante oito anos e meio”, afirma a mulher, que escapou, mas não sem antes ter destruído seus documentos para que ninguém pudesse encontrá-la.

Leia Mais

Manuscritos de Martinho Lutero são descobertos na Alemanha

lutero

Publicado por AFP [via Terra]

Vários manuscritos de Martinho Lutero, pai do protestantismo, foram descobertos na famosa biblioteca Duque August de Wolfenbüttel, no norte da Alemanha, anunciou a instituição esta segunda-feira.

Um professor alemão de teologia, Ulrich Bubenheimer, foi quem encontrou as anotações, escritas nas margens de um poema e de uma crônica.

Elas “fazem parte das mais antigas escrituras de Lutero conservadas”, destacou em um comunicado a biblioteca, particularmente rica em manuscritos da era medieval, incunábulos (impressos com tipos móveis que remontam ao surgimento da imprensa) e livros da época da Reforma.

No total, a descoberta consiste em uma dúzia de anotações feitas por Lutero enquanto estudava em Erfurt (leste) no começo do século XVI. Nelas aparecem várias vezes a palavra latina “fides” (fé) e as datas de nascimento de Isabel da Hungria, uma santa da sua terra, a Turíngia.

Nascido em 1483 e falecido em 1546, Martinho Lutero foi um grande reformista religioso e um dos primeiros escritores da língua alemã. Ele foi autor de uma tradução da Bíblia em língua vernácula.

O luteranismo foi implantado no norte e no centro da Alemanha, onde teve o apoio de príncipes, no norte da Alsácia e nos países escandinavos.

Leia Mais

SC: promotor nega casamento gay e desdenha de noivas

Carta do promotor Henrique Limongi chama união homoafetiva de 'indisputavelmente anômala' Foto: Priscila Minkz Zanuzzo / Reprodução
Carta do promotor Henrique Limongi chama união homoafetiva de ‘indisputavelmente anômala’
Foto: Priscila Minkz Zanuzzo / Reprodução

Publicado no Terra

Um promotor de Santa Catarina negou nesta semana a união civil entre duas mulheres, e ainda desdenhou do pedido. Henrique Limongi baseou-se na Constituição, que ainda afirma que a entidade familiar é composta “entre o homem e a mulher”, e ignorou a recomendação do Conselho Nacional de Justiça e da Corregedoria-Geral da Justiça de Santa Catarina de reconhecimento do casamento gay como união estável.

Além de negar o pedido, o promotor escreve na carta de reposta que a união de Priscila Minks Zanuzzo e Carmen Abreu de Melo é “indisputavelmente anômala” e que foge aos “mais comezinhos parâmetros de normalidade” – comezinhos significa simples e de fácil entendimento. Limongi ainda menciona “o chamado casamento gay ou, para ser ‘politicamente correto’, união homoafetiva” (sic) e diz que a Constituição tem “clareza de fustigar a visão” sobre o tema, o que deveria, na escrita do magistrado, “dispensar, assim, fogosos malabarismos exegéticos ou extenuantes ensaios de hermenêutica”.

“Quando a gente entrou com pedido, não via a possibilidade de ser negado”, conta Priscila ao Terra, “mas ainda não é lei, então tem a arbitrariedade do promotor e do juiz”. Para fazer a união civil, um casal deve pedi-la no cartório, que lavra o pedido e encaminha os documentos ao promotor, que deve habilitar todas as uniões – independente de serem homoafetivas. A decisão do promotor ainda precisa ser validada pela Justiça.

“Acredito que o juiz não vai negar”, opina Priscila, mas ressalva que, se o magistrado endossar a decisão do promotor, ela e a noiva vão recorrer da decisão.

Juntas há 10 anos, Priscila e Carmen, 29 e 30 anos, decidiram oficializar a união pelo “aspecto legal, de ter os direitos que as outras pessoas têm”. Elas planejavam assinar os documentos no cartório dia 23, e no fim de semana realizariam uma festa para os amigos.

“Foi bem horrível receber essa carta, porque não é só a carta dizendo ‘olha, segundo a lei, vocês não podem casar’. A carta é cheia de ironias, sarcasmos, colocando negrito ‘entre homem e mulher’, dá pra sentir um tom bem preconceituoso. Não é só o que está escrito, mas o modo como está escrito”, diz Priscila.

Foi por se sentirem ofendidas que as duas publicaram a carta em seus perfis no Facebook, onde reclamam que o magistrado “caçoa” do pedido de união estável. Na rede social, os amigos de outras cidades – de São Paulo, terra natal de Carla, e do oeste de Santa Catarina, onde Priscila nasceu -, passaram de empolgados com o casamento em Florianópolis para indignados.

“Estou me informando sobre o que é possível fazer contra esse promotor, porque acho que com essa carta ele está fazendo um desserviço, está colocando as convicções pessoais dele na frente de tudo, não só se pautando na lei mas indo além e ofendendo gratuitamente”, diz Priscila. “E eu sei que ele já escreveu outra carta semelhante”, comenta, em referência a documento divulgado por reportagem da RBS TV sobre um pedido de união homoafetiva que Limongi negou a dois homens em junho. As imagens destacam trechos da carta que, como a enviada às noivas, colocam em negrito e sublinhado que a Constituição cita “homem e mulher” para que a união estável se caracterize como entidade familiar.

Leia Mais

Dilma diz ter “muito respeito” pelo ET de Varginha

A presidente inaugurou nesta quarta-feira campus de universidade em Varginha (foto: Roberto Stuckert Filho/PR / Divulgação)
A presidente inaugurou nesta quarta-feira campus de universidade em Varginha (foto: Roberto Stuckert Filho/PR / Divulgação)

Publicado originalmente no Terra

O ET de Varginha, responsável por colocar a cidade mineira no “mapa da ufologia” mundial, recebeu nesta quarta-feira um elogio da presidente da República, Dilma Rousseff. Em entrevista a rádios da região durante visita à cidade para inaugurar o campus da Universidade Federal de Alfenas (Unifal), Dilma disse que tem “muito respeito” pelo ser extraterrestre.

“Primeiro, eu queria te dizer que eu tenho muito respeito pelo ET de Varginha. E eu sei que aqui, quem não viu conhece alguém que viu, ou tem alguém na família que viu, mas de qualquer jeito eu começo dizendo que esse respeito pelo ET de Varginha está garantido”, disse a presidente ao responder pergunta sobre a produção cafeeira, que também citou a fama da cidade por conta do extraterrestre. Confira a íntegra da entrevista no site da Presidência.

O caso do ET de Varginha ocorreu no ano de 1996. Duas irmãs e uma amiga garantem ter visto uma criatura marrom, com grandes olhos vermelhos e três protuberâncias na cabeça, na cidade de Varginha. Além da criatura, algumas pessoas alegaram ter visto objetos voadores não identificados na região.

Na ocasião, o Corpo de Bombeiros foi acionado e organizou um grupo de busca para o que eles julgaram ser um animal selvagem, capturado com sucesso. Segundo testemunhos, as criaturas capturadas foram levadas pelos militares brasileiros, através de um complexo sistema de transporte, para os Estados Unidos. As autoridades negam o episódio.

Leia Mais

Veja seleção de cinco crateras que formam lindas paisagens no mundo

Publicado originalmente no site Casa e Jardim

Nosso planeta é coberto por buracos tão fundos e grandes que podem ser vistos até do espaço. Alguns foram causados pela queda de meteoritos e cometas e muitos outros pela exploração de diamantes e metais preciosos. Veja exemplos impressionantes destas “cicatrizes” deixadas na Terra.

(Foto: Reprodução/The World Geography)
(Foto: Reprodução/The World Geography)

Mina Grasberg, Indonésia
É a maior mina de ouro do mundo e a terceira maior de cobre. Construída em 1963 por 175 milhões de dólares, funciona até hoje e emprega 19.500 funcionários. São dois buracos, o maior deles com 8 km² e 480 metros de profundidade.

2_9

Mina Mir, Rússia
Muitos diamantes saíram da quarta maior mina do mundo, hoje inativa, localizada no leste da Sibéria. Ela tem 525 metros de profundidade e diâmetro de 1,2 quilômetro. Foi a primeira e maior mina da União Soviética e funcionou por 44 anos, até 2001. A partir dos anos 1990, foi operada pela empresa exploradora Sakha, que tinha lucros de 600 milhões de dólares por ano. A cratera é tão grande que o espaço aéreo acima é fechado, pois helicópteros podem ser sugados por correntes de ar.

(Foto: Reprodução/The World Geography)
(Foto: Reprodução/The World Geography)

Cratera Pingualuit, Canadá
Na língua inuktitut, significa “onde a terra se eleva”. Isso porque a região fica a 160 metros acima da tundra ao redor. O buraco tem 3,4 quilômetros de diâmetro e 400 metros de profundidade. Foi formado pela queda de um meteorito ou cometa há cerca de 1,4 milhão de anos. Um lago preenche a depressão. Ele é um dos mais profundos da América do Norte, com 267 metros. Sua água é considerada uma das mais puras do mundo, devido à sua transparência: é possível enxergar a até 35 metros.

(Foto: Reprodução/The World Geography)
(Foto: Reprodução/The World Geography)

Mina Ekati, Canadá
Composta por seis buracos, esta mina produziu, entre 1998 e 2009, 40 milhões de quilates de diamantes. Hoje o minério da superfície foi esgotado, mas escavações subterrâneas continuam a retirar cerca de 7,5 milhões de quilates por ano.

(Foto: Reprodução/The World Geography)
(Foto: Reprodução/The World Geography)

The Big Hole, África do Sul
A cidade de Kimberley é o lar da De Beers, uma das maiores empresas de mineração e comércio de diamantes do mundo, e é considerada a capital das pedras preciosas. A cratera é o resultado do trabalho de 30 mil homens em 1871, quando o primeiro exemplar foi encontrado. Rapidamente, o buraco alcançou 300 metros de diâmetro e 1,1 quilômetro de profundidade. 14.5 milhões de quilates foram encontrados lá, incluindo o famoso Cullinan, de 3,1 mil quilates, aproximadamente 621 gramas.

Leia Mais