Gênesis, revisto e ampliado

Visto que se aproximava o sétimo dia, Deus disse: ‘Que a meia fure, que a privada entupa, que a internet caia…’

Antonio Prata, na Folha de S.Paulogenesis

Então o Senhor Deus disse a Adão: porquanto deste ouvidos à tua mulher, e comeste da árvore que eu te ordenara não comesses: maldita é a terra por tua causa; com o suor do rosto comerás o teu pão, até que te tornes à terra; porque dela foste tomado; porque tu és pó e ao pó tornarás.

E, vendo o Senhor Deus que Adão fazia-se de desentendido, disse: espera, que tem mais; não só custará o pão o suor de teu rosto, como aumentará a circunferência de tua barriga, e a circunferência de tua barriga desagradará à Eva, e Eva te dará chuchu, e quiabo, e linhaça, e couve, e outras ervas que dão semente e leguminosas que dão asco, e delas usarás como alimento, em teus dias de tribulação.

E disse também o Senhor: porquanto comeste da árvore, porei em teu encalço insetos peçonhentos, e serão pernilongos nas cidades, e nas praias borrachudos serão; e ordenarei que te piquem bem na pelinha entre os dedos dos pés, e que zunam em teus ouvidos, e nas noites sem fim recordar-te-ás de teu criador.

Não satisfeito com os castigos, continuou o Senhor Deus: que destas ventas por onde soprei a vida escorra muco, e que seja frio e pegajoso como as escamas da serpente, e caudaloso como as águas do Jordão, e que brote numa sessão de cinema, ou na Sala São Paulo, e que tenhas à mão somente uma folha de Kleenex, e que com ela te enxugues e te assoes, até que se esfacele a última fibra de celulose, marcando teu rosto com inumeráveis pontinhos brancos, como marcarei a face pecadora de Caim.

E assim vagarás pela terra, disse o Senhor Deus, pois grande é teu pecado. E disse mais: cansado de perambular pela terra, inventarás o automóvel, mas o automóvel só fará multiplicar o teu cansaço; e gastarás metade de teus dias na Rebouças, e roubarão teu estepe, e te esquecerás do rodízio, e os pontos de tua carteira excederão o máximo permitido pelo Detran, que será 21, e andarás de táxi, e ouvirás elogios ao massacre do Carandiru, e diatribes contra médicos estrangeiros, e sentirás na carne a miséria de tua descendência.

Em vão, buscarás refrigério em viagens, mas quando no aeroporto estiveres, e chegares ao portão 4, alto-falantes te mandarão para o 78C; e quando o 78C alcançares, serás mandado de volta ao portão 4, e faminto pagarás R$ 16 num pão de queijo e numa Coca, e a Coca será de máquina, e o pão de queijo estará frio.

Então, visto que se aproximava a viração do sétimo dia, Deus se apressou, e disse: que o sal umedeça, que o bolo seque, que a meia fure, que a privada entupa, que o dinheiro escasseie, que o cupim abunde, que a unha encrave, que a internet caia, que o time perca, que a criança chore, que o churrasco do teu cunhado seja melhor que o teu, e que todos assim concordem, inclusive Eva, e que, largado num canto da varanda, com tua Kaiser quente na mão, te lembres que eu sou El Shaddai, e que estou acima de todas as coisas, inclusive de tua careca, que não temerá a finasterida, não aceitará o minoxidil nem reagirá às preces que, em vão, me enviarás.

E, dizendo isso tudo, o Senhor Deus lançou Adão para fora do jardim do Éden, e lançou Eva para fora do jardim do Éden, varão e fêmea, os lançou.

dica do Samuel Moreira

Leia Mais

Sarah Sheeva: “Beijar muito durante o namoro resulta em incompatibilidade no casamento”

beijo-frances_2635099

Sarah Sheeva, no Facebook

Você que é líder, pastor(a), conselheiro(a) em alguma igreja, experimente fazer uma pesquisa pessoal: pergunte aos casais que estiverem em crise o seguinte: “Como começou o relacionamento de vocês? Vocês beijavam na boca no início do relacionamento? Ou vocês começaram pela amizade?”

Experimente fazer essa “pesquisa” e se CHOQUE com as respostas. Você vai perceber que a maioria dos casais que hoje enfrentam problemas sérios de incompatibilidade, começaram o relacionamento pelo beijo e contato físico, e não pela amizade.

Se compararmos a quantidade de casais felizes que antes de casar (na fase do namoro) beijavam, e os que não beijavam, vamos perceber que a maioria dos que HOJE enfrentam problemas de incompatibilidade e falta de afinidade são os que BEIJAVAM muito no namoro. O beijo é pros casados. O namoro (namoro mesmo) é pros casados.

Os solteiros precisam aprender a “namorar” em santidade, evitando se abrasar, porque os desejos sexuais sempre acabam levando a passar dos limites antes de casar, e isso não fará bem ao futuro do relacionamento. Um pecadinho aqui e agora, fará PESO (diferença) lá no teu futuro, no dia a dia do teu casamento.

Mantenha-se em santidade ATÉ casar.

Não namore antes de 18 anos, porque namoro de Crente não pode passar de 4 anos não (é meu conselho), se não (se passar de 4 anos) fica difícil suportar os desejos, e cai mesmo.

Vigia Crente!

dica do Eliel Batista

Leia Mais

A brincadeira com Deus vai acabar

abrincadeiracomdeusvaiacabar

Caio Fábio

Não sei quando…

Não sei como…

Mas sei que vai acabar!

O problema é muitos se acabarão juntamente…

Quem dera entendessem!

Como seria bom que se convertessem de seus maus caminhos!

Mas não…

Eles parecem ser o exato cumprimento do que a Palavra diz sobre falsos profetas e comerciantes do povo…

Peço misericórdia sobre todos!

Entretanto…

Parece que estão a cada dia mais pedrados!

Quero-lhes todo o bem que o Evangelho lhes poderia trazer…

Todavia, por nenhuma via parecem querer a via…

Estão no caminho largo…

Vivem sob os umbrais da porta do engano…

São mercenários!

Quando o terror chegar… todos eles fugirão!

Não têm cuidado das ovelhas…

Servem aos seus próprios ventres…

São pastores de si mesmos…

Transformaram a Graça do nosso Senhor em libertinagem ou em comércio vil…

Deus os salve do que inevitavelmente lhes virá se não se arrependerem e derem fruto público de arrependimento!

Judas, o irmão de Jesus concorda comigo. Pedro e Paulo também. Tiago me dá corroboração. E Jesus diz: “Ai deles”.

Que dizer? Nada dizer?

Ora, não posso. Meu coração fica consumido de angústia!

Transformaram o Evangelho em babugem de porcos!

Senhor, realiza a obra de Tua verdade sobre todos os que besuntam a verdade com mentiras!

Teu filho, o maior dos pecadores salvo por Tua Graça

fonte: site do Caio Fábio

Leia Mais

Carta ao amigo que se suicidou

124092_Papel-de-Parede-Arvore-sozinha--124092_1280x800
x
Ricardo Gondim

Por que morreste?

Quisera dar-te, amigo, as coragens que me fizeram um menino ousado na conquista da primeira namorada. Dar-te-ia também os medos que frearam a ensandecida ladeira por onde eu podia despencar na irresponsabilidade juvenil. Se pudesse, cortaria um pedaço do coração, transplantaria para teu peito a felicidade do beijo que desvirginou os meus lábios. Eu te diria que o amor resiste ao tempo e que as boas memórias que carregamos transformam qualquer tristeza em alegria. Eu te diria que tua vida ainda seria brindada por coragens e medos, alegrias e tristezas.

Quisera poder te chamar para pedalar ao meu lado até a mangueira grande e discreta, onde, solitário, confidenciei em solilóquios intermináveis alguns sonhos impossíveis. Lá veríamos juntos que, se todos os sonhos não se cumprem, persegui-los dá algum sentido à nossa vida banal.

Quisera dar-te, amigo, todos os questionamentos e descobertas que fiz sobre o mistério de Deus. Eu te convidaria a assistir ao meu primeiro rasgo de conversão. Tu serias testemunha de como, hesitante, desejei a verdade – a mesma verdade que insiste em distanciar-se de mim sempre que imagino tê-la em meus braços.

Quisera fazer-te parceiro de minha Primeira Comunhão católica em Londrina. Depois eu te chamaria para presenciar a noite de minha Profissão de Fé presbiteriana. Tu me acompanharias à vigília de oração onde recebi o Batismo no Espírito Santo pentecostal. Daí eu gostaria de conversar contigo sobre minhas recentes aberturas para uma espiritualidade existencial, comprometida com o aqui e agora.

Quisera poder falar contigo sobre a jornada em direção ao Divino, nem sempre ascendente, mas repleta de altos e baixos. Repartiríamos assim entusiasmos e tristezas. Trançaríamos nossa amizade espiritual parecida com a corda de muitos fios.

Quisera dar-te, amigo, os instantes magros em que contabilizei fracassos, derrotas, perdas – instantes que forjaram em mim o dever de perseverar. Na derrota aprendi que muitos de meus ideais não nasciam da esperança. Eu estava engolido por um quixotismo bobo. Achava que alcançaria qualquer projeto faraônico. Aprender a caminhar pelos vales, cabisbaixo e sem arrogância, nunca é fracasso.

Quando me achava onipotente fui simplório. Ingênuo, tapei buracos enormes para não ter que lidar com a des-ilusão. Mal sabia que é melhor a dura realidade do que viver escondido sob a mentira da ilusão. Para preservar instituições falidas, relevei decepções. Eu havia me convencido de que horrores éticos, que me afrontavam, não passavam de mal-entendidos. Saí da alucinação de minha prepotência para salvar a alma. Presentear-te com os meus desapontamentos seria um jeito de te pedir: não desista; não vire o tablado do jogo. A vida é assim mesmo, dura. Nem todas pessoas são confiáveis – inclusive nós mesmos. Mas vale a pena continuar. Está escrito: “Seja Deus verdadeiro e todo homem mentiroso”.

Quisera dar-te, amigo, meu ouvido discreto, meu olhar atento, meu abraço silencioso. Partiste sem me dar a chance de te acolher. Eu faria tudo para te salvar da loucura de sair da vida antes do tempo. Para evitar a tua tragédia, fico com o ímpeto, se possível, de me colocar na trajetória da bala, na frente do trem, no olho do furacão, no meio do terremoto. Para te poupar, estaria disposto a ser antídoto, escudo, parapeito, boia, escada, paraquedas. Para te ajudar, faria qualquer coisa: massagem cardíaca, respiração boca a boca, transfusão de sangue.

Por que não me consideraste teu psicanalista, confessor, saco de pancada? Eu não te condenaria. Não te cobraria. Não te rejeitaria. Só pediria: não jogue a toalha.

Amigo, saber que segaste a vida por conta própria foi um duro golpe. Acordei desolado. O mundo ficou árido. Agora vejo que não te conhecia bem.

Carregarei a sensação de que poderia ter sido um amigo mais achegado que irmão. Não fui. Todos perdemos. Mas ao contrário de ti, não desistirei. Sei que ainda posso ser amigo de outro.

(Faz pouco tempo. Ainda dói)

 Soli Deo Gloria

fonte: site do Ricardo Gondim

imagem: Internet

Leia Mais