Agência funerária divulga lista com as canções mais tocadas em cerimônias fúnebres no Reino Unido

foto: Reprodução/Facebook
foto: Reprodução/Facebook

Publicado na Rolling Stone

O site Gigwise divulgou uma lista um tanto quanto inusitada contendo as músicas mais tocadas em funerais no Reino Unido. Monty Python, Frank Sinatra e Céline Dion estão no top 20 das canções mais populares em cerimônias fúnebres.

“Always Look on the Bright Side of Life” do Monty Phyton lidera o ranking de canções mais populares, do qual também fazem parte “My Way” de Frank Sinatra, “Angels” de Robbie Williams e “My Heart Will Go On”, tema de Céline Dion para trilha sonora do filme Titanic.

Segundo David Collingwood, diretor da empresa Funeral Care – responsável pelo levantamento -, “a música é algo muito importante na vida das pessoas e tem ocupado um espaço cada vez maior nas cerimônias de despedida dos entes queridos e amigos”.

“Algumas pessoas escolhem previamente as canções que deverão ser tocadas no funeral delas, assim como escolhem um caixão e as flores”, finaliza. Além dos canções, há uma nova tendência: pessoas vestidas como os artistas preferidos de quem está sendo velado.

Veja a lista completa abaixo:

1. “Always Look on the Bright Side of Life” (Eric Idle – Monty Python)
2. “The Lord is My Shepherd Psalm 23/Crimond” (Tradicional)
3. “Abide with Me” (Tradicional)
4. “Match of the Day theme”
5. “My Way” (Frank Sinatra)
6. “All Things Bright and Beautiful” (Tradicional)
7. “Angelsv (Robbie Williams)
8. “Enigma Variations” – Nimrod (Elgar)
9. “You’ll Never Walk Alone” (Gerry and the Pacemakers)
10. “Cricket Theme / Soul Limbo” (Test Match TV Theme / Booker T. & the MG’s)
11. “Canon in D” (Pachelbel)
12. “Love Theme from Titanic / My Heart Will Go On” (Celine Dion)
13. “Last of the Summer Winev (Theme Tune)
14. “Only Fools and Horses” (Theme Tune)
15. “Time to Say Goodbye” (Sarah Brightman & Andrea Bochelli)
16. “Four Seasons” (Vivaldi)
17. “Ave Maria” (Schubert)
18. “You Raise Me Up” (Westlife)
19. “Rugby Theme / World in Union” (Dame Kiri Te Kanawa e outras versões)
20. “Nessun Dorma” (Puccini)

Top de canções pop/rock
1. “My Way” (Frank Sinatra)
2. “Angels” (Robbie Williams)
3. “Time to Say Goodbye” (Sarah Brightman & Andrea Bochelli / Katherine Jenkins)
4. “You Raise Me Up” (Westlife)
5. “Over the Rainbow” (Eva Cassidy)
6. “Wind Beneath My Wings” (Bette Midler)
7. “Simply the Best” (Tina Turner)
8. “You’ll Never Walk Alone” (Gerry & The Pacemakers)
9. “I Will Always Love You” (Whitney Houston/Dolly Parton)
10. “Angel” (Sarah McLachlan)
11. “Unforgettabl”e (Nat King Cole)
12. “How long will I Love You” (Ellie Goulding)
13. “My Heart Will Go On” (Celine Dion)
14. “Stairway to heaven” (Led Zeppelin)
15. “We’ll Meet Again” (Vera Lynn)
16. “Flying Without Wings” (Westlife)
17. “Dancing Queen” (Abba)
18. “Fields of Gold” (Eva Cassidy)
19. “Who Wants” To Live Forever (Queen)
20. “Smile” (Nat King Cole)

dica do Rogério Moreira

 

Leia Mais

10 parcerias musicais surpreendentes (ou: Bizarro feat. Inusitado)

Publicado por Alexandre Inagaki

Certas parcerias musicais aparentam combinar tão bem quanto batata frita com maionese, bebidas alcoólicas com direção ou fotos de gatos mortos com Facebook. Às vezes essas combinações, surpreendentemente, se encaixam bem, feito peças de Lego. Em outras ocasiões, se enquadram perfeitamente naquela frase clássica do Barão de Itararé: “De onde menos se espera, daí é que não sai nada mesmo.” A seguir, eis uma lista de 10 parcerias musicais que foram tão inesperadas quanto renúncia de Papa ou proposta de diminuição de ministérios feita pelo PMDB.

* * *

10. Sylvester Stallone e Dolly Parton – “Sweet Lovin’ Friends”.

Muitos atores, como Bruce Willys e Scarlett Johansson, já se aventuraram no mundo da música lançando álbuns com resultados pífios. Este foi também o caso de Stallone, que como cantor provou ser um bom intérprete de Rambo. Seu dueto com a rainha do country Dolly Parton, que faz parte da trilha sonora do filme Rhinestone – Um Brilho na Noite, resultou em um álbum que é um excelente recomendação de presente de inimigo secreto. O filme não ficou muito atrás:Rhinestone ganhou dois prêmios Framboesa de Ouro em 1984: Pior Ator (para o eterno Rocky Balboa) e Pior Canção Original (uma aberração intitulada “Drinkenstein”, que você pode conferir clicando aqui, caso sofra de curiosidade mórbida).

9. Ultraje a Rigor e Tonico & Tinoco – “Vamos Virar Japonês”.

Tonico & Tinoco, mestres da música sertaneja de raiz (dos bons tempos em que ainda não tinham inventado a praga do sertanejo universitário), juntaram-se à banda liderada por Roger Moreira na gravação da única canção inédita gravada em O Mundo Encantado do Ultraje a Rigor, coletânea de sucessos lançada em 1992. Foi uma mistura entre rock e música sertaneja que precedeu em 16 anos ao show que reuniu Chitãozinho & Xororó e Fresno no programa Estúdio Coca-Cola, da MTV, especializado em promover encontros musicais inusitados de nomes como Banda Calypso e Paralamas do Sucesso, ou CPM 22 e Babado Novo.

8. Duran Duran e Milton Nascimento – “Breath After Breath”.

Destaquei neste post a parceria sui generis entre a banda inglesa que se destacou com seus videoclipes nos anos 80 e o grande cantor do Clube da Esquina, que faz parte do álbum que o Duran Duran lançou em 1993, mas o fato é que Milton Nascimento poderia ser igualmente lembrado por suas colaborações surpreendentes com o Angra (em “Late Redemption”) e com o RPM, com quem compôs e gravou duas músicas: “Feito Nós” e “Homo Sapiens”.

7. Nick Cave and the Bad Seeds e Kylie Minogue – “Where the Wild Roses Grow”.

Quem diria que a cantora pop australiana, conhecida por hits chicletudos como “The Loco-Motion” e “I Should Be So Lucky”, um dia faria uma colaboração com Nick Cave, o lúgubre compositor de músicas como “The Mercy Seat” (sobre um homem condenado à morte e prestes a ser executado numa cadeira elétrica)? Pois bem: Nick convidou Kylie para um dueto em uma canção soturna sobre uma mulher que é assassinada com uma pedrada às margens de um rio, gravada em um álbum apropriadamente intitulado Murder Ballads, de 1996. E não é que o resultado ficou ótimo, a ponto da música ter sido considerada uma das 100 melhores músicas dos anos 90 segundo a New Musical Express?

6. Tony Bennett e Lady Gaga – “The Lady Is a Tramp”.

Álbuns de duetos, formados por um intérprete consagrado mais dezenas de convidados especiais, são uma fórmula clássica e mais do que estabelecida na indústria fonográfica. E se tornaram mais populares ainda depois que Frank Sinatra lançou seu bem-sucedido Duets em 1993, em gravações ao lado de nomes tão ecléticos quanto Aretha Franklin, Julio Iglesias e Bono Vox. Tony Bennett, ao seguir a mesma fórmula, conseguiu fazer uma mistureba mais diversificada ainda em suas listas de convidados para os álbuns Duets: An American Classic (2006) e Duets II (2011), reunindo cantores como Andrea Bocelli, Juanes, Amy Winehouse e Celine Dion. Mas creio que o ápice, em termos de colaborações inusitadas, é o seu dueto com Lady Gaga, conhecida tanto pelos seus hits pop quanto por seus figurinos abilolados.

5. Michael Jackson e Eddie Murphy – “What’s Up WIth You?”.

As palavras que dediquei a Sylvester Stallone no começo deste post podem ser perfeitamente aplicadas ao resultado esdrúxulo da combinação entre Michael Jackson e o ator de O Professor Aloprado. Você pode até dar play no vídeo com eles, mas não creio que aguentará suportar mais do que 1 minuto com esse dueto tão feliz quanto barulho de giz riscado numa lousa.

4. Lou Reed e Metallica – “The View”.

Ok, é saudável ver artistas saindo de sua zona de conforto e arriscando-se em projetos diferentes. Mas a parceria entre o ex-vocalista do Velvet Underground e a mais do que consagrada banda de heavy metal não deu muita liga. Em entrevista dada ao USA Today sobre Lulu, o álbum de 2011 gravado por Reed e Metallica, o cantor falou da reação pouco calorosa dada pelos fãs do grupo: “Eles estão ameaçando atirar em mim. Nem sequer ouviram o álbum, mas já estão recomendando várias formas de tortura e morte.” Hitler foi outro que se manifestou no YouTube sobre essa parceria…

3. Sepultura e Carlinhos Brown – “Ratamahatta”.

Houve uma época em que o Sepultura foi a grande referência musical do Brasil para os estrangeiros, fazendo sucesso de crítica, reunindo multidões em shows e vendendo milhões de cópias de álbuns como “Arise” (1991) e “Chaos A.D.” (1993) por todo o mundo. Em 1996, lançaram “Roots”, radicalizando a mistura de thrash metal com sonoridades brasileiras do álbum anterior. O ápice desse amálgama foi a gravação de uma faixa com Carlinhos Brown, o cara da Timbalada. Pena que, pouco depois, uma briga homérica entre os integrantes do grupo acabou resultando na saída de Max Cavalera, seu vocalista. O Sepultura nunca mais foi o mesmo, e esse episódio inspirou um artigo do site ZeroZen intitulado “A Maldição de Carlinhos Brown”, chamando o criador das caxirolas de tremendo pé-frio.

2. Maná e Thiaguinho – “Lábios Divididos”.

Outra estratégia marqueteira largamente usada pelas gravadoras é reunir um astro latino com outro brasileiro, a fim de que um cantor do Brasil consiga atingir o sucesso no mercado latino-americano, e vice-versa. E foi assim que surgiram parcerias formadas por nomes comoJuanes e Paula FernandesSandy & Júnior e Enrique IglesiasAlejandro Sanz e Ivete SangaloZezé Di Camargo & Luciano e Julio Iglesias, com resultados bastante duvidosos. Para mim, porém, o ápice dessas gororobas artísticas chegou ao seu apogeu com a reunião entre os mexicanos do Maná, com mais de 25 anos de carreira, e Thiaguinho, ex-vocalista do grupo de pagode Exaltasamba. Acho louváveis as tentativas de se quebrar o Tratado de Tordesilhas musical que faz com que o Brasil ouça tão poucas bandas que cantem em espanhol, mas desse jeito fica complicado…

1. U2 e Luciano Pavarotti – “Miss Sarajevo”.

Seria possível uma colaboração bem-sucedida entre uma banda de rock e um cantor de ópera? Havia um bom precedente: Barcelona (1988), álbum que Freddie Mercury, em carreira solo, gravou com a cantora lírica Montserrat Caballé. Trata-se, porém, de um disco semioperístico, sem uma guitarra sequer. O caso de “Miss Sarajevo” é diferente: aqui temos Bono, The Edge, Adam Clayton, Larry Mullen Jr. e Brian Eno, produtor de Original Soundtracks 1, álbum de 1995 que o U2 gravou com o pseudônimo de Passengers, tocando uma balada roqueira com os backing vocals de luxo do tenor. A canção foi inspirada em um concurso de beleza, realizado em meio à guerra que assolava a Bósnia nos anos 90, criado para chamar a atenção das autoridades européias para as atrocidades que estavam sendo cometidas em Sarajevo, capital bósnia. O final do videoclipe exibe uma cena do documentário Miss Sarajevo, dirigido por Bill Carter, em que as mulheres que participaram do concurso seguram uma faixa com a mensagem “Não deixem que eles nos matem.” A colaboração de Luciano Pavarotti com o U2 resultou em uma das melhores músicas da banda, mas vale a pena ouvir também a versão de “Miss Sarajevo” em que Bono canta, de forma mesmerizante, os trechos do tenor italiano.

Leia Mais

Thiaguinho, Pezinho e Vitinho são os ‘grandes’ nomes da MPB de hoje

novos-nomes-mpb

 

Por Thales de Menezes, na Folha de S. Paulo

Entre as músicas mais tocadas no país em 2012, algumas foram compostas por Thiaguinho, Rodriguinho, Pezinho e Vitinho. A campeã de execuções tem cinco palavras no título, das quais quatro são monossílabos. Sem dúvida, a música brasileira vive agora um momento menor.

A liderança é incontestável. “Ai Se Eu Te Pego” rodou o mundo, de coreografia de gol do Real Madrid à trilha sonora de estação espacial. Com sua letra, digamos, minimalista, não teve barreiras.

Mas a análise da lista mostra que o hit de Michel Teló não é uma fatalidade isolada, é indício de uma pandemia.

A lista recém-divulgada pelo Ecad (Escritório Central de Arrecadação e Distribuição, órgão responsável pela arrecadação de direitos autorais no país) engloba execuções em rádios, shows, casas noturnas e bares com música gravada ou ao vivo, salões de festas e até karaokês.

Juntando tudo isso, o domínio é forte do sertanejo universitário –o Ministério da Educação deveria fazer algo contra essa denominação.

Teló leva medalhas de ouro e bronze, porque aparece também em terceiro, com “Humilde Residência”. Entre as telonianas, surge “Balada”, de Gusttavo Lima, exemplo mais bem-acabado do ídolo sertanejo moderno, de calça justa e cabelo espetado.

Em quarto lugar aparece o pagodeiro Thiaguinho e sua “Fugidinha”. Ele é autor de quatro canções entre as 50 mais executadas, com os parceiros Pezinho, Rodriguinho e Gabriel Barriga.

Não é aconselhável se falar em um embate entre sertanejo e pagode. Em busca de sucesso amplo e fácil, artistas de um gênero cantam sem preconceito hits do outro. O exemplo mais célebre dessa promiscuidade é Teló incluir “Fugidinha” em seus shows.

A inglesa Adele, maior vendedora de CDs no planeta, é a única estrangeira entre as dez mais, com duas músicas.

Percorrer a lista até a 50ª posição mostra muitos títulos da fórmula “pegar você”. Alguns chamam a atenção, como “Camaro Amarelo”, de Munhoz & Mariano, em 17º –cada geração tem o “Fuscão Preto” que merece– e “Sou Bravo (Sou Foda)” (16º), obra de Vitinho Avassalador que dispensa comentários.

Os únicos nomes de uma MPB mais consolidada no top 50 são Tim Maia, com “Não Quero Dinheiro” (15º) e “Gostava Tanto de Você” (47º), e Ben Jor, com “País Tropical” (38º). A presença desses hits mais antigos se deve às execuções em karaokês.

Como casas de festas estão incluídas, “Parabéns a Você” surge em 13º lugar! Sim, a música que todos cantam nos aniversários tem registro oficial. Foi composta por duas irmãs americanas em 1912 e tem tradutores brasileiros.

Se esse ranking representasse qualidade musical, “Parabéns a Você” superaria sertanejos e pagodeiros.

Leia Mais

Galvão Bueno narra o fim do Mundo

Publicado originalmente no Virgula

O dia mais esperado de 2012, ao menos para boa parte da população está chegando. A dúvida se o mundo acabará mesmo nesta sexta-feira (21) ou não aflige alguns, outros preferem ignorar. Mas, têm pessoas que preferem se divertir com a situação.

Pensando nisso, um usuário resolveu montar um clipe do fim do mundo. Nada melhor que Galvão Bueno para narrar este evento.

Com o grito de “acabou” da Copa de 1994, quando o Brasil foi tetracampeão do mundo, e a famosa trilha sonora da vitória de Ayrton Senna, o trailer narra o fim do mundo.

dica do Rogério Moreira

Leia Mais