Garotinho usa espaço de entrevistas da TV Globo para atacar a emissora

very-little-boy

Publicado na Folha de S. Paulo

O deputado Anthony Garotinho (PR), candidato ao governo do Rio, usou espaço concedido pela TV Globo para entrevista com candidatos no telejornal “RJTV” para atacar a emissora. Garotinho citou casos envolvendo a TV Globo para se defender das acusações de que é alvo.

“Acusação todo mundo tem. Agora mesmo acusaram a Globo de estar envolvida num desvio milionário com laranjas em paraísos fiscais. Eu não sei se a Globo é culpada, até acho que é. Mas é uma opinião minha, quem vai dizer isso é o juiz. Disseram que a Globo sonegou bilhões. É para ver como as injustiças acontecem. A Globo pode estar sendo vítima de uma injustiça”, afirmou o candidato.

A emissora foi multada, em outubro de 2006, em R$ 615 milhões por supostas irregularidades na compra de direitos de transmissão da Copa de 2002. Segundo fiscais da Receita Federal, a emissora fez manobras para não pagar R$ 183 milhões em Imposto de Renda. A Receita não aceitou a defesa da emissora, que, em 2009, aderiu ao Refis (Programa de Recuperação Fiscal) e parcelou seus débitos.

Coube à apresentadora Mariana Gross dar a posição da emissora após a entrevista com o candidato. “A TV Globo nada sonegou. A TV Globo paga seus impostos.”

Garotinho também ironizou a emissora ao lembrar a autocrítica feita pelas Organizações Globo por seu apoio editorial à ditadura militar. Questionado sobre por que não havia reduzido o IPVA e acabado com a vistoria veicular anual, como promete fazer agora, em seu primeiro governo, o deputado disse:

“Não fiz, mas vou fazer agora. Quantas coisas na vida a gente faz uma autocrítica. A Globo, por exemplo, apoiou a ditadura. Depois, passou um tempo, fez uma autocrítica e reconheceu que não deveria ter apoiado a ditadura.”

As Organizações Globo, atualmente chamadas de Grupo Globo, publicaram em setembro de 2013 um editorial no jornal “O Globo” em que reconhecem como um erro o apoio ao golpe e à ditadura militar.

AÇÕES NA JUSTIÇA

O ex-governador responde a 13 ações por improbidade administrativa, boa parte delas relacionadas a contratação de ONGs. Garotinho ironizou também as ações nas quais é réu.

“Eu gostaria de saber onde foi parar esse dinheiro. Quem comprou fazenda foi o [ex-deputado Jorge] Picciani, milionário, ‘rei do gado’. Quem comprou casa em Mangaratiba foi o [ex-governador] Sérgio Cabral, lanchas, iates e viagens a Paris. Quem montou uma fazenda cinematográfica foi o [deputado] Paulo Melo. Eu levo uma vida normal, de classe média. Devo ser incompetente para roubar. Se você diz isso tudo e eu não tenho esse dinheiro. Sou vítima de muitas perseguições”, afirmou o candidato do PR.

Leia Mais

Datafolha: Dilma tem 35%, e Marina, 34%

Em um eventual segundo turno, a candidata do PSB tem 48% das intenções de voto contra 41% da presidente

pesquisa_datafolha-03-09-size-575Publicado na Veja on-line

Pesquisa Datafolha para a Presidência da República divulgada nesta quarta-feira, encomendada pela TV Globo e pelo jornal Folha de S.Paulo, aponta cenário praticamente inalterado em relação à sondagem divulgada na semana passada. A presidente Dilma Rousseff (PT) oscilou um ponto porcentual positivamente e tem 35% das intenções de voto na liderança da disputa. Marina Silva, do PSB, tem 34%, mesmo índice registrado na rodada anterior. Como a margem de erro é de dois pontos para mais ou para menos, é possível afirmar que as duas estão empatadas tecnicamente.

O candidato do PSDB, Aécio Neves, tem 14% das intenções de voto, um ponto a menos do que na sondagem anterior. Os demais candidatos somam 4%. Outros 7% não souberam responder e 6% disseram que pretendem votar em branco ou nulo.

De acordo com o instituto, Marina Silva derrotaria Dilma Rousseff em eventual segundo turno, por 48% a 41%, mas a diferença caiu em relação à pesquisa da semana passada – 50% a 40%. Se a disputa fosse entre Dilma e Aécio, a petista seria eleita por 49% a 38% – era 48% a 40%. O Datafolha também simulou pela primeira vez um segundo turno entre Marina e Aécio: 56% a 28% para a candidata do PSB.

O instituto ouviu 10.054 eleitores em 361 cidades brasileiras entre os dias 1º e 3 de setembro. A pesquisa está registrada sob o protocolo BR-00517/2014.

Leia Mais

Daniel Alves joga coxinha para a arquibancada

Luciana Gimenez garantiu que Mick Jagger não virá para o Brasil
Luciana Gimenez garantiu que Mick Jagger não virá para o Brasil

Publicado impagavelmente no The Piauí Herald

ARENA CORINTHIANS – O lateral Daniel Alves agiu como um verdadeiro herói na luta contra a elitização do futebol. Num momento espontâneo, o lateral atirou uma coxinha na arquibancada. “Haaaaaaaaja requeijão, amigo”, berrou Galvão Bueno.

A atitude foi elogiada por todos os comentaristas da TV Globo. “É uma maravilha reunir todo esse PIB na arquibancada”, destacou Ronaldo.

Em poucos minutos, Luciano Huck começou a vender camisetas com seu próprio rosto estampado.

Leia Mais

Fagner fora da Copa: cantor achou “meio ridículo” convite de Fifa e Globo

Fagner preferiu não cantar em festa da Fifa e torce por protestos criativos e pacíficos
Fagner preferiu não cantar em festa da Fifa e torce por protestos criativos e pacíficos

José Ricardo Leite, no UOL

Andar ao lado de Raimundo Fagner em Fortaleza é quase um teste de paciência. Não, o cantor não tem nenhum problema com a cidade. Pelo contrário. A cada esquina que passa, é um pedido de foto, um cumprimento, uma pergunta, outra saudação, um abraço. O músico, com paciência, atende a todos, como se conhecesse os fãs há tempos. Ouve cada frase e aviso de que um parente é seu fã com um sorriso no rosto.

Na última semana, a reportagem do UOL Esporte caminhou com ele em direção a um evento de inauguração de um campo sintético da cidade. Fagner foi por vontade própria bisbilhotar o que acontecia. Ficou por alguns minutos como um observador na rua. Até que foi reconhecido e virou atração. Não deu outra: o prefeito o chamou para o palanque e a organização o fez sair na foto de inauguração do estádio. Até bateu pênalti e fez um gol antes do primeiro jogo oficial. Só então deixarem que ele fosse embora.

Ele é um dos principais nomes mais famosos da capital cearense. É uma figura importante da música brasileira. E fã incondicional de futebol: ficou até concentrado com a seleção em 1982. Por tudo isso, recebeu convite para ser uma das atrações da Fan Fest, a festa oficial da Fifa em parceria com a Globo, que acontece nas cidades sedes. Aceitou? Não. O cantor preferiu fazer seus shows nas tradicionais festas de São João pelo Nordeste.

“Fui convidado para fazer as Fan Fests e desde o começo recusei. Até porque não gosto de cantar em Copa. E a produção, da Fifa com a TV Globo, acha que o artista está se sentindo muito bem em estar ali, tem até que pagar para estar ali. Achei meio ridículo. As condições que ofereceram, desde novembro, é como se a gente que estivesse querendo ir. Não é esse meu caso. Recusei convite da Fifa, da TV Globo, do governo do estado, da prefeitura. Não quis fazer. Pra mim não é essa visibilidade. Não achei a oferta legal e tem muita gente precisando aparecer. Não me interessei em fazer”, falou o cantor, em entrevista ao UOL Esporte.

Fagner não detalhou o valor da proposta que recebeu, mas disse que nem levou a sério o que ouviu. Pesou, também, o fato de não querer estar atrelado aos meios oficiais da Copa para poder opinar com liberdade. “A proposta que veio eu deletei. Eles é que devem ter interesse em me ter aqui, mas a proposta foi o contrário. E outra: não quero trabalhar dentro desse espírito da Copa. Estou também preocupado com o que pode acontecer. Na Copa das Confederações, fiz um show e veio uma ordem dos movimentos sociais pra não chegarem perto de mim, que não me incomodassem. Não quero passar por essa experiência de movimentos… Não quis estar envolvido. Não foi só pela proposta, que achei desrespeitosa. Agora, também não quis estar aliado e estar trabalhando em eventos da Copa”, explicou.

“A maioria quer saber o que acho. Não quero estar dentro dessa célula e estar envolvido nesse projeto. E as festas de São João sempre fizeram parte da minha agenda. Tenho minhas dúvidas sobre o que vai acontecer nesses eventos (da Copa). Não quis ficar com instabilidade emocional e com preocupação em shows. Quero estar livre pra falar o que acho, mesmo torcendo pra dar tudo certo. Não tenho que ir atrás deles. E achei desrespeitoso acharem que é o artista que tem que participar. É uma tremenda roubada. O que é Fan Fest? Não sei o que é isso. Quem é Fan Fest da Fifa?”.

A Fan Fest  teve seu primeiro evento no Brasil realizado na noite do último domingo, com o cantor Bell Marques como grande atração. A festa oficial da Copa do Mundo é organizada pela Fifa, com as cidades sedes custeando a infraestrutura. A Globo é a incumbida pela produção artística dos shows.

Desejo por reivindicações organizadas

Fagner disse que, se puder e a agenda permitir, assistirá a algum jogo in loco pela sua paixão pelo futebol. Ele diz que o clima no país é instável justo no momento que se realiza a Copa do Mundo e deseja que quem protestar faça isso de uma maneira positiva.

“Foi uma infeliz coincidência de ter a Copa do Mundo em um momento eleitoral e que o país passa dificuldades, todos cobrando muito com manifestações. Ninguém sabe como serão, só que elas virão. E espero que elas tenham pouca interferência dentro do futebol. A coincidência dos dois eventos foi ruim, mas acho que a maioria dos brasileiros vai se envolver com a Copa. Eu gostaria que os manifestantes fizessem uma grande passeata cívica. É uma utopia, mas algo que lembrasse caras pintadas, Diretas Já, que protestassem contra a corrupção ou pelas deficiências que o povo sente. Vou sonhar que a Copa e os movimentos sociais encontrem seus caminhos, não que se colidam”.

“Você não pode nem extrapolar sua alegria se gostar da Copa, fica com medo. Com o futebol sim, fico feliz. Mas quem quer uma coisa mais social não vai deixar passar. Mas quem gosta do futebol… É uma coisa muito bonita, uma grande empolgação. Aqui vai ser palco do mundo inteiro e queria que procurassem uma maneira criativa de mostrar a insatisfação e o que não funciona aqui. Porque a violência não vai levar pra lugar nenhum. O Brasil tem exemplos e que seja criativo pra reivindicações sejam vistas e positivas. Que os movimentos sociais se inspirem na nossa criatividade para verem que o Brasil precisa de socorro”, continuou.

Copa de 82

Fagner fez parte da concentração do histórico time brasileiro que jogou a Copa de 1982, na Espanha, por sua amizade com Zico, Sócrates e outros jogadores. Foi até chamado pelo técnico Telê Santana para participar de um rachão de dois toques um dia.

Lembra, como se fosse um jogador do elenco, da frustração que a derrota para a Itália causou naquele grupo. “Eu vivi o trauma, junto com eles, de não ganhar. O Brasil desembarcou lá com muita alegria. Eu estava no estádio quando perdemos pra Itália. No dia seguinte eu tinha um jogo dos artistas, eu era capitão, e nem consegui jogar. Eu estava dentro daquele grupo e vivi aquela tragédia”, relembrou.

Para a Copa de 2014, Fagner diz ter muita confiança no time brasileiro. “Confio muito no time pra que conduzam o futebol e empolguem a população. Acho que pra todos os times fortes, o favorito é o Brasil. Temos grandes jogadores de meio-campo. No ataque poderíamos ter o Luis Fabiano, um cara guerreiro, é marrento. Lá na frente tem que ter marrento. Sabemos que o Fred resolve na hora H, mas está fisicamente mal. O Oscar é bom, esse menino Willian também. Além do Neymar, grande esperança, e o Hulk, que pode ser o Jairzinho de 1970. É uma máquina de jogar bola. O time está entrosado.”

Leia Mais

Será que já podemos rir das religiões na TV?

Tony Goes, no F5

Assim como nas conversas de bom tom, dois assuntos eram proibidos nos humorísticos de antigamente: política e religião.

O primeiro, por razões óbvias. O Brasil vivia sob uma ditadura militar, e ninguém podia criticar o governo em público. A política só reapareceu nos programas de humor na virada dos anos 70 para os 80 do século passado, graças à abertura.

A religião permaneceu um tabu. Ou pelo menos o cristianismo, em suas muitas variantes; crenças minoritárias eram alvos permitidos. Judeus e “macumbeiros” (como ainda eram chamados os seguidores das religiões afro-brasileiras) sempre foram satirizados na TV.

A internet estilhaçou essa proibição implícita. Grupos como o Porta dos Fundos lançaram diversos vídeos tirando sarro de figuras e dogmas religiosos. Tiveram milhões de acessos, mas também enfrentaram processos na Justiça.

Agora esta irreverência chegou à TV aberta. “Tá no Ar” (Globo), a sensação do momento, já mostrou comerciais da Galinha Preta Pintadinha e um clipe de Jesus cantando rap (mas sem distorcer um único de seus ensinamentos).

Semana passada, o programa avançou mais um sinal: exibiu “Crentes”, uma suposta versão evangélica do seriado “Friends”.

No dia seguinte, a internet bem que tentou criar um escândalo. Vários sites e portais publicaram notas do tipo “evangélicos se revoltam com humorístico da Globo”. E postaram os mesmos seis tuítes de fiéis ultrajados.

Vou repetir o número: seis. Meia dúzia. Não duvido que existam mais, assim como o número de ofendidos deve ser maior. Mas o escândalo pretendido pela rede simplesmente não aconteceu.

Talvez porque o quadro exibido no final do “Tá no Ar” de quinta-feira (22) não tenha nada de mais. Não insulta a fé de ninguém nem pega pesado. É preciso ser muito ingênuo (para não dizer burro) para se incomodar com ele.

O curioso é que a imprensa não foi perguntar aos babalorixás se eles estavam furiosos com a Galinha Preta Pintadinha. Afinal, sempre se pôde rir da umbanda e candomblé —eles devem estar mais do que acostumados.

Mas os evangélicos têm fama de esquentados, como se fossem crianças mimadas com quem não se deve brincar. Pois não teve até crente que encontrou mensagem demoníaca em rótulo de maionese?

Só que a mínima reação ao esquete “Crents” mostrou que alguma coisa está mudando. O próprio Marcius Melhem, um dos criadores e protagonistas do “Tá no Ar”, disse ao jornalista Mauricio Stycer que a repercussão negativa ao quadro não é representativa dos evangélicos. E não me parece mesmo que seja.

Será que finalmente estamos maduros o suficiente para rirmos até mesmo da religião? Qualquer religião?

Deus queira.

Leia Mais