Arquivo da tag: Uma Imagem

Instagram é apontado como rede social que mais causa depressão

(foto: Addiction blog)

(foto: Addiction blog)

Publicado originalmente no Olhar Digital

Análise publicada pelo site Slate concluiu que o Instagram é a rede social que mais causa depressão nos usuários devido a comparações entre os perfis que podem afetar a auto-estima.

Para Hanna Krasnova, pesquisadora da Universidade Homboldt de Berlin, uma foto apresenta indícios mais explícitos de pessoas sendo felizes, ricas e bem-sucedidas do que uma simples atualização de status. “Você não inveja um simples post”, defende.

Krasnova alerta para um efeito espiral: sempre que inveja a foto de alguém, o usuário tende a tirar outra na qual aparente estar mais feliz… e a competição se prolonga. Além disso, a pesquisa indica que as pessoas passam tanto tempo montando uma imagem bonita e escolhendo o melhor filtro que não percebem o tempo investido na rede.

Há uma série de estudos que avaliam o impacto que as redes sociais têm para efeitos de depressão. A pesquisa utilizada para esta notícia é: “Eles São Mais Felizes e Têm Vidas Melhores do que Eu: O Impacto do Uso do Facebook na Percepção de Outras Vidas”.

Existem evidências físicas do Jesus histórico?

evidencias-jesus-histórico

Por Cesar Grossmann, no Hype Science

Jesus Cristo é a pessoa mais famosa que já viveu, mas será que ele realmente viveu? A maioria dos historiadores de teologia, tanto cristãos quanto não cristãos, acredita que Jesus realmente existiu, mas eles chegaram a esta conclusão através de evidência textual bíblica, e não das inúmeras relíquias que são expostas como evidência física em igrejas por toda a Europa.

A razão disso é que as evidências físicas da vida e morte de Jesus Cristo, que vão de fragmentos de textos em pergaminhos a pedaços de madeira alegadamente da sua cruz, não passam pelo teste do escrutínio científico.

7. Lençóis bíblicos

Esta é talvez a relíquia mais famosa no mundo: o Sudário de Turim, um lençol que se acredita tenha sido a mortalha que teria envolvido o corpo de Jesus. O lençol, com 4,5 metros de comprimento e 1,1 metros de largura, tem uma imagem em negativo do corpo de um homem, e tem sido adorado por milhões de peregrinos em uma catedral em Turim, Itália. Mas, cientificamente falando, é uma fraude.

A datação de carbono-14 apontou que o sudário não é da época de Jesus, mas do século 14. Por coincidência, também é no século 14 que o sudário aparece pela primeira vez em registros históricos, em um documento escrito pelo bispo francês Pierre d’Arcis em 1390, alegando que a imagem de Jesus sobre o tecido havia sido “engenhosamente pintada”, um fato “atestado pelo artista que fez a pintura”.

Atualmente, a Igreja Católica não confirma oficialmente a autenticidade do Sudário de Turim, apesar de muitos dos fiéis, incluindo o Papa Bento XVI, indicarem que pessoalmente acreditavam na santidade do mesmo.

6. Lascas de madeira

evidencias-jesus-histórico2

Uma das supostas evidências são as lascas da “Cruz Verdadeira” – a cruz na qual Jesus teria sido crucificado -, espalhadas pelas igrejas da Europa. Segundo o teólogo do século 16, João Calvino, “não há abadia tão pobre que não tenha um exemplar. Em alguns lugares, há fragmentos grandes, como na Santa Capela em Paris, em Poitiers, e em Roma, onde dizem que um crucifixo de bom tamanho teria sido feito com ele. Em resumo, se todos os pedaços que conhecemos fossem juntados, eles somariam o carregamento completo de um grande navio, enquanto o Evangelho testifica que um único homem foi capaz de carregar a cruz.

A “Enciclopédia Católica”, contudo, cita o trabalho de um autor do século 19, M. Rohault de Fleury, que publicou em 1870 o livro “Mémoire sur les instruments de la Passion” (Paris, 1870), onde contabilizou todos os fragmentos existentes à época da “Cruz Verdadeira”, e chegou à conclusão que eles não chegavam a fazer uma cruz (4.000.000 mm³ de madeira, contra um volume total estimado por M. Fleury de 178.000.000 mm³). Dentre os fragmentos existentes, nenhum foi testado para verificar sua idade, quer por carbono-14, quer por comparação de anéis de crescimento.

 5. Ferragem Sagrada

evidencias-jesus-histórico3

O documentário “The Nails of the Cross” (“Os Pregos da Cruz”, em tradução livre) que foi ao ar em 2011 no History Channel, o cineasta Simcha Jacobovici conta a história de dois pregos supostamente encontrados em uma tumba de 2.000 anos em Jerusalém.

No mesmo programa, ele também apresentou evidências circunstanciais que parecem sugerir que aquelas relíquias enferrujadas foram usadas para pregar Jesus na cruz: a tumba em que foram encontrados os pregos supostamente pertenceriam ao sumo sacerdote judeu Caifás, que presidiu o julgamento de Jesus, segundo o Novo Testamento.

Na crítica do filme, a agência de notícias Reuters apontou que a maioria dos especialistas e estudiosos do documentário não são imparciais e que o trabalho do cineasta é forçado. E golpes publicitários não faltam quando se trata dos santos pregos. Em 1911, o erudito Herbert Thurston contou todos os pregos que se acreditava terem sido usados na crucificação, e encontrou nada menos que 30 pregos sendo venerados pela Europa. O número exato de pregos usados é desconhecido, há uma controvérsia se eram três ou quatro.

Na Enciclopédia Católica, Thurston aponta que “provavelmente a maioria dos pregos eram anunciados como réplicas que tocaram ou que continham limalha de pregos mais antigos. Sem fraude consciente da parte de ninguém, é fácil que uma imitação seja considerada verdadeira em pouco espaço de tempo”.

4. Mentiras de chumbo

evidencias-jesus-histórico4

Setenta livros de metal foram supostamente descobertos em uma caverna na Jordânia, e foram considerados os documentos cristãos mais antigos. Datando de poucas décadas após a morte de Jesus, os estudiosos chamaram os “Códices de Chumbo” ou “Códices Jordanianos” a mais importante descoberta na história da arqueologia.

Os cristãos assumiram que os livros eram a prova da existência real de Jesus, por que uma página tinha uma imagem dele. Um fragmento de texto escrito “eu deverei caminhar ereto” foi interpretado como uma referência à ressurreição de Jesus, uma evidência forte de que ela teria acontecido, e pouco tempo depois do fato.

Mas os códices de chumbo são uma fraude – uma mistura de dialetos anacrônicos e imagens copiadas de outras fontes, forjado nos últimos 50 anos. “Na imagem, ‘Cristo’ é na verdade o deus-sol Helios, de uma moeda que veio da ilha de Rodes”, conta o arqueólogo de Oxfort, Pether Thonemann. “Também tem inscrições sem sentido em hebreu e grego”.

3. Pergaminhos sagrados

evidencias-jesus-histórico5

Uma das mais importantes descobertas arqueológicas que de fato foi datada no tempo de Jesus pode ou não ser evidência de sua existência, dependendo para quem você perguntar. Os Pergaminhos do Mar Morto, um conjunto de pergaminhos e papiros encontrados nos anos 1940 em Israel, foram escritos entre os anos 150 AEC e 70 EC. Existe uma referência nestes pergaminhos a um “mestre da justiça”. Alguns dizem que este mestre é Jesus, outros, que pode ser qualquer um.

2. A Coroa de Cristo

evidencias-jesus-histórico6

Segundo o Evangelho, antes da crucificação Jesus recebeu dos soldados romanos uma coroa de espinhos, uma piada dolorosa sobre sua soberania. Muitos cristãos acreditam que o espinhento instrumento de tortura ainda existe, mas em pedaços espalhados na Europa.

Uma coroa quase completa está abrigada na Catedral de Notre Dame em Paris. A história documentada da Coroa de Espinhos se estende 16 séculos no passado, uma procedência impressionante, mas não chega ao ano 30 da Era Comum. Além disso, a coroa de Notre Dame é uma tiara feita de um arbusto, e não tem nenhum espinho.

evidencias-jesus-histórico7

 1. A Bíblia

O melhor argumento a favor de Jesus como uma pessoa que realmente viveu é, obviamente, a própria Bíblia. Os estudiosos acreditam que os evangelhos de Mateus, Marcos, Lucas e João foram escritos por quatro discípulos de Cristo décadas após a crucificação. Existem outros evangelhos que não fazem parte do cânon, mas que também foram escritos por contemporâneos de Jesus. Existem diferenças em detalhes nos relatos de eventos na vida e morte de Jesus, mas também há bastante concordância, e durante os séculos de análise cuidadosa, os estudiosos bíblicos chegaram a um perfil geral de Jesus, o homem.

“Sabemos algumas coisas sobre o Jesus histórico – menos do que alguns cristãos pensam, mas mais do que alguns céticos pensam”, conta Marcus Borg, um estudioso bíblico famoso, autor e professor aposentado de religião e cultura na Universidade do Estado de Oregon (EUA). “Apesar de alguns livros terem argumentado recentemente que Jesus nunca existiu, as evidências de que ele viveu são convincentes para a grande maioria dos estudiosos, sejam eles cristãos ou não cristãos”.

Foto: cão se despede de parceiro policial em funeral

Figo coloca sua pata sobre caixão do companheiro morto durante o funeral Foto: Jonathan Palmer/Herald-Leader / Reprodução

Durante funeral, Figo coloca sua pata sobre caixão do companheiro morto
Foto: Jonathan Palmer/Herald-Leader / Reprodução

publicado no Terra

Uma imagem tocante marcou o funeral de um policial do Estado americano do Kentucky morto em ação. A fotografia de Jonathan Palmer mostra o cão colocando sua pata sobre o caixão do policial Jason Ellis, como se estivesses dando seu último adeus ao companheiro.

Ellis, 33 anos, foi morto em uma aparente emboscada durante a madrugada do dia 25 de maio. Ele desceu de sua viatura para recolher dejetos de uma rampa de acesso a uma rodovia em Bardstown quando foi atingido por vários disparos. A autoria do crime ainda está sendo investigada.

Centenas de agentes dos Estados de Kentucky, Ohio e Indiana participaram do funeral de Ellis, que trabalhava em uma unidade canina de combate às drogas, na última quinta-feira. Figo, o cão que o acompanhava, foi aposentado e doado a Amy, viúva de Ellis, e a seus dois filhos, de 6 e 7 anos.

 

Os evangélicos progressistas

Seguidores da Bíblia, eles se opõem à violência contra homossexuais, defendem a igualdade entre homens e mulheres e enfrentam preconceito dentro e fora da comunidade religiosa

Patrick, da Aliança Bíblica: "Para mim, ser progressista é não ter uma relação de submissão incondicional com a figura do pastor ou do líder religioso" (foto:  Edu Cesar)

Patrick, da Aliança Bíblica: “Para mim, ser progressista é não ter uma relação de submissão incondicional com a figura do pastor ou do líder religioso” (foto: Edu Cesar)

Alessandra Oggioni, no iG

Eles são evangélicos, frequentam os cultos, leem a Bíblia e lutam para defender suas opiniões pessoais – mesmo que elas distoem do que pensa a maioria de seus irmãos em fé. Patrick, Morgana e Elias são considerados evangélicos progressistas, que se declaram contra a violência aos homossexuais, pregam a igualdade de direitos entre homens e mulheres e adotam uma postura mais questionadora sobre temas polêmicos, não sem enfrentar preconceitos dentro e fora do grupo ao qual pertencem. “Infelizmente, a sociedade vê o evangélico como conservador, limitado intelectualmente e manipulável. Mas esta não é uma imagem totalmente verdadeira”, afirma o comentarista esportivo Elias Aredes Junior, evangélico praticante.

A comunidade evangélica no Brasil conta com mais de 42 milhões de pessoas, de acordo com dados do IBGE. O crescimento do número de fiéis é expressivo – eram 15,4% da população no ano 2000 e chegaram a 22,2%, em 2010.

Embora estejam todos “enquadrados” no mesmo grupo, há denominações bastante distintas. Os ensinamentos são diferentes em uma igreja da corrente histórica, como a Batista ou a Metodista, em comparação a uma pentecostal, à qual pertence a Assembleia de Deus, por exemplo, ou a uma neopentecostal, como a Igreja Universal do Reino de Deus.

Com doutrinas tão diferentes, alguns evangélicos buscam comunidades mais abertas a questionamentos e também participam de movimentos progressistas, para defender interpretações e pontos de vista nem sempre aceitos nos cultos. Conheça a história de três jovens cristãos que se incluem neste grupo.

Abaixo a submissão incondicional

Formado em ciências sociais, Patrick Timmer, 27 anos, trabalha como secretário-geral na Aliança Bíblica Universitária do Brasil, em São Paulo. De família evangélica, é membro da igreja Comunidade de Jesus, e se considera um “progressista”. “O termo progressista pode significar muita coisa. Para mim, é não ter uma relação de submissão incondicional com a figura do pastor ou do líder religioso”, define.

Para Patrick, tudo o que é ouvido no culto precisa “passar pelo crivo das escrituras e ganhar uma interpretação coerente”. Ele acredita que todo evangélico deve ter uma postura crítica e saber buscar respaldo na própria Bíblia. “É preciso analisar o contexto, procurar literaturas de apoio, conversar com outras pessoas. O diálogo e o debate sempre ajudam na construção de uma democracia saudável”, afirma.

Ele explica que, em muitos casos, trechos da Bíblia são usados para justificar atos de opressão ou abuso, especialmente contra as mulheres. “Certas leituras podem levar a uma interpretação equivocada de superioridade de gênero. Mas a submissão para justificar a violência não tem base bíblica”, defende Patrick.

Sobre o homossexualismo, comumente alvo de críticas de líderes religiosos e dos políticos da bancada evangélica, Patrick diz que é preciso mudar esta polarização de “evangélicos versus gays”. Para ele, violência e intolerância são inaceitáveis, sejam por racismo, machismo, xenofobia ou homofobia.

A favor de um Estado laico

Morgana é secretária-executiva da rede Fale, união de grupos evangélicos que promove a justiça social (foto:  Arquivo pessoal)

Morgana é secretária-executiva da rede Fale, união de grupos evangélicos que promove a justiça social (foto: Arquivo pessoal)

A missionária Morgana Boostel, 26 anos, também se considera uma evangélica progressista. Ela é secretária-executiva da Rede Fale, uma organização internacional ligada a várias congregações evangélicas, que atua em campanhas contra injustiças sociais. Em março deste ano, a Rede publicou uma carta aberta, assinada por 173 pastores e líderes evangélicos, se posicionando contra a permanência de Marco Feliciano na presidência da Comissão de Direitos Humanos e Minorias (CDHM). Dezenas de comentários na própria página da rede rechaçaram a opinião dos pastores.

“Todos devem ter os direitos garantidos, independentemente da sua história ou trajetória familiar”, defende.

Evangélica desde criança, ela já frequentou a igreja Batista e hoje é membro da Comunidade Anglicana Neemias, na cidade de Vitória (ES). Morgana defende fervorosamente a liberdade de crença e se mostra contrária à intervenção da Igreja em ações do governo. “Estado laico não é a ausência de elementos de fé, mas a possibilidade de expressá-la da forma que cada um considere importante”.

Para ela, assim como a opção religiosa, todas as escolhas devem ser respeitadas. Cada um é responsável por decidir o que achar melhor para a própria vida, até mesmo quando se trata de questões sexuais. “É inadimissível qualquer tipo de violência contra homossexuais. Isso inclui o preconceito, pois [o preconceito] incita a violência”.

Elias, comentarista esportivo, é ligado a movimentos progressistas desde a adolescência (foto:  Arquivo pessoal)

Elias, comentarista esportivo, é ligado a movimentos progressistas desde a adolescência (foto: Arquivo pessoal)

Em defesa da diversidade

O comentarista esportivo Elias Aredes Junior, 40 anos, sempre foi de família evangélica. Ainda adolescente, aprendeu com os tios a questionar os valores pregados nas igrejas que sempre frequentou. “Comecei a despertar para temas de justiça social e igualdade, o que me levou a participar ativamente de movimentos estudantis”, conta ele, que hoje também frequenta reuniões e encontros do Movimento Evangélico Progressista.

Elias, que faz parte de uma igreja na cidade de Campinas (SP), considera boa parte da comunidade evangélica bastante conservadora. “Muitas vezes, a igreja não consegue lidar com este cenário multifacetado. E isso não é bom porque não contempla a diversidade. Quem não estiver dentro de um modelo preestabelecido fica de fora”, diz.

Ele cita um exemplo que ouviu de um pastor em outra denominação religiosa, que frequentava anteriormente. Durante um culto, o líder disse que, ao ver uma passeata gay, teve vontade de jogar o carro contra a multidão. “Achei aquilo horrível. Posso não concordar com a conduta gay, mas o Estado tem a obrigação de assegurar-lhes todos os direitos, inclusive o de manifestação”, opina.

Para Elias, o problema de lidar com a diversidade vai além da questão gay, incluindo também as novas formações familiares. “Vi vários casos de preconceito contra mães solteiras. Então, quando uma mulher é solteira ou separada, ela não pode ser considerada família pela igreja?”, questiona.

Para mudar este cenário e promover a inclusão, Elias acredita que cabe aos próprios evangélicos lutar pelo que acreditam e “adotar” líderes e representantes que estejam mais de acordo com o perfil de cada um. “O pastor da igreja que frenquento é aberto ao diálogo e respeita o que eu penso. Uma nobre e gratíssima exceção neste cinturão ditadorial existente na comunidade evangélica brasileira”, afirma.

dica do Bruno Dias

Deputado considerado racista e homofóbico pode comandar Comissão de Direitos Humanos

Publicado originalmente no BOL

Mensagens de 2011 que foram postadas no Twitter do deputado Marco Feliciano (PSC-SP) e depois apagadas

Mensagens de 2011 que foram postadas no Twitter do deputado Marco Feliciano (PSC-SP) e depois apagadas

Internautas reagiram no Facebook à possibilidade do pastor evangélico e deputado Marco Feliciano (PSC-SP) vir a assumir a presidência da Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara dos Deputados.
Voltou a circular na rede social, nesta semana, uma imagem contendo mensagens publicadas em 2011 – e depois apagadas – no perfil de Feliciano no Twitter. Na ocasião, o parlamentar teria escrito: “Africanos descendem de ancestral amaldiçoado por Noé. Isso é fato. O motivo da maldição é polêmica. Não sejam irresponsáveis twitters rsss. Sobre o continente africano repousa a maldição do paganismo, ocultismo, misérias, doenças oriundas de lá: ebola, Aids. Fome… Sendo possivelmente o 1o. Ato de homossexualismo da história. A maldição de Noé sobre canaã toca seus descendentes diretos, os africanos (sic)”.
Polêmico por suas declarações contra a homossexualidade, Feliciano foi um dos deputados que manifestou a intenção de ficar com o cargo de presidente da Comissão de Direitos Humanos.
Pastor Marco Feliciano, em sua casa em Orlândia (SP) Edson Silva/Folhapress

Pastor Marco Feliciano, em sua casa em Orlândia (SP)
Edson Silva/Folhapress

Em acordo entre os partidos para a divisão de cargos em comissões da Casa, na quarta-feira (27), o PSC de Feliciano ficou com o direito de indicar um nome para comandar o colegiado.

O líder do PSC, André Luis Dantas Ferreira (SE), afirma que o partido ainda não decidiu quem vai ser escolhido. Ao todo, o partido possui 16 parlamentares na Câmara. Uma reunião foi marcada para a próxima terça-feira (5) para a escolha do indicado pelo partido.
O site de ciberativismo Avaaz.org já possui uma petição querendo a imediata destituição do deputado. “É inaceitável que a comissão fique nas mãos de alguém que irá lutar contra qualquer avanço em direção ao reconhecimento dos direitos humanos no Brasil, uma matéria ainda tão frágil em nosso país”, diz o texto da petição, que até a publicação desta notícia contava com 16 mil adesões.