Homem gay enfrenta pastor homofóbico em metrô e é aplaudido

Homossexual é aplaudido por passageiros após enfrentar pastor homofóbico que pregava ódio aos gays em metrô.

gay-metro-nyc

Publicado no Pragmatismo Político

Quem nunca se deparou com pessoas pregando ideais religiosos em pleno transporte público?

Pois bem, um pastor resolveu entrar em um vagão de metrô em Nova York para dizer que ser gay é errado. O que ele não esperava era encontrar um homem gay no caminho, que não topou ouvir aquelas besteiras contra a homossexualidade calado.

Sem revidar com ofensas, mas com educação e civilidade, ele chamou o pastor de “falso profeta” que “ensina o ódio” e é “cheio de medo”! A atitude do rapaz foi aplaudida pelos outros passageiros do metrô.

Confira abaixo trecho da conversa.

Pastor: “Vocês veem o que estou dizendo? Você não pode aceitar dois homens juntos. E eles não tem seios, têm pênis. Dois homens tem pênis”

Rapaz: “Eu sou um homem. Eu sou um homem bom. E gay. E Jesus me ama”

Pastor: “Homem gay não. Você é uma bicha. Se eu não fosse pastor e visse você, e não sendo da igreja, eu pegaria minha escopeta”

Rapaz: “Não, essa não é a era do ódio. Jesus me ama. Jesus me ama”

Assista abaixo ao vídeo legendado

Dica do Fabio Pereira

Leia Mais

Estilo informal do papa revolta ultraconservadores

Para eles, quem troca cruz de ouro pela de ferro e prega Igreja ‘pobre e para pobres’ não é digno de ser o sucessor de Pedro

francisco_site_vaticano

Andrei Netto, no Estadão

O mesmo papa que será celebrado por milhares de pessoas na Praça São Pedro na manhã desta terça-feira, já é desprezado por grupos ultraminoritários da Igreja. Cristãos que romperam com Roma desde a aprovação do Concílio Vaticano 2.º, há 50 anos, os “tradicionalistas” estão em estado de choque com a escolha de Francisco como novo líder católico.

Para eles, um papa que se define como “bispo de Roma”, e não como sumo pontífice, que pede a bênção dos fiéis antes de lhes conceder a sua, que troca a cruz de ouro pela de ferro e prega uma Igreja “pobre e para os pobres” não é digno de ser o sucessor de Pedro.

A insatisfação dos católicos ultraconservadores começou na noite de quarta-feira, no mesmo instante em que o nome de Jorge Mario Bergoglio foi anunciado como papa Francisco. Desde então, fóruns tradicionalistas na internet veem como apocalíptico o futuro da Igreja nas mãos do argentino. Entre os mais moderados, as palavras são de decepção profunda. Para os mais radicais, Bergoglio não será jamais reconhecido como papa, por ser visto como reformador, progressista e ligado à Teologia da Libertação.

Francisco também é criticado por sua disposição ao diálogo com judeus, muçulmanos e por supostamente ser “amigo” dos “sectos” maçônico e protestante. Não bastasse, o novo pontífice tem sido acusado de ser “inimigo da Santa Missa” e da “santa doutrina católica” por ser defensor do Concílio Vaticano 2.º, o verdadeiro vilão aos olhos dos tradicionalistas.

Nos fóruns online, os textos não falam Habemus Papam, mas Habent Papam (“Eles têm um papa”). “O trono de Pedro continua vago”, diz o site Catholique Sedevacantiste, da França, em um artigo denominado Bergoglio, amigo íntimo dos judeus, inimigo de Nosso Senhor. Tradicionalista francês, Clément Lecuyer se refere a Francisco como “João Paulo IV”, herdeiro de uma linhagem de “falsos papas” formada por João XXIII, Paulo VI, João Paulo II e Bento XVI.

“Não é só sua linguagem, mas todo o seu passado. O problema é de adesão aos valores do catolicismo. O que é grave é sua linha miserabilista e terceiro-mundista, que é inaceitável. Na Itália e na Europa vamos viver em breve uma fuga imensa de fiéis”, disse ao Estado Maurizio Ruggiero, secretário do Comitata Antirisorgimentali, um grupo ultraconservador italiano.

Ruggiero é um dos porta-vozes de um movimento chamado Sedevacantista, uma referência à Sé Vacante, o período em que o Vaticano não tem papa.

Para esses ultraconservadores, nenhum papa desde o Concílio Vaticano 2.º é reconhecido como tal, por “violarem” os ritos do catolicismo tradicional, como a missa em latim. A cada novo conclave, grupos como o Comitata Antirisorgimentali esperam pela nomeação com a esperança de que o novo pontífice suspenda as regras do Concílio e encerre o diálogo com outras religiões.

Para eles, Francisco é o oposto do que se espera do líder católico. “É impossível não ser um sedevacantista com Francisco no Vaticano”, afirma Ruggiero. “Se pensar que um papa católico vai se encontrar com judeus e muçulmanos, como nos representará, se está escrito no nosso evangelho que só a Igreja Católica salva?”

A desilusão com Francisco é compartilhada por Michael Brendan Dougherty, jornalista e correspondente da revista The American Conservative. Para ele, Francisco é um retrocesso em relação a Bento XVI, que liberou a missa tradicional em latim. “As medidas não foram aplicadas na diocese do cardeal Bergoglio.”

O vaticanista italiano Marco Politi adverte para o fato de que os grupos mais tradicionalistas estão perdendo a paciência. “Eles já ficaram extremamente irritados quando Bento XVI renunciou, já que reduziu a imagem do papa, transformando-o em apenas mais um dos cardeais”, lembrou. “Agora, Francisco mantém a tendência de se mostrar mais próximo do povo, dispensando e mudando ritos.” / COLABOROU JAMIL CHADE

dica do Ailsom F. Heringer

Leia Mais

Internautas veem semelhança entre Papa Francisco e religioso de cerveja

Para eles, pontífice se parece com personagem do rótulo da Franziskaner.

Nomes de cerveja e do Papa são homenagens a São Francisco de Assis.

(Foto: Reprodução/AFP)
(Foto: Reprodução/AFP)

Publicado originalmente no G1

Usuários de redes sociais estão comentando a suposta semelhança física entre o novo Papa Francisco e o personagem do rótulo da cerveja alemã Franziskaner.

A Franziskaner é uma tradicional cerveja de trigo de Munique, com mais de 600 anos de tradição.

Ela tem, no rótulo, a imagem de um religioso franciscano, da ordem fundada por São Francisco de Assis.

O argentino Jorge Mario Bergoglio, que é da ordem jesuíta, escolheu o nome de Papa Francisco justamente para homenagear São Francisco de Assis.

Essa série de coincidências era comentada nas redes sociais, segundo o diário alemão “Bild”.

 

Leia Mais

Mulher filmada em praia de Rio das Ostras se defende: ‘Não aconteceu nada demais’

2013022241345

Luã Marinatto e Herculano Barreto Filho, no Extra

A recepção inicial é fria. Na porta de casa, no Vale do Ipê, em Belford Roxo, Wanderlea dos Santos Silva, de 41 anos, reluta em falar sobre as cenas quentes que protagonizou no carnaval de Rio das Ostras ou do vídeo que correu a internet esta semana. Aos poucos, mais solta, ela revela: ‘Eu não transei’. Nas imagens acima, Wanderlea aproveita para se defender das críticas que vem recebendo na internet.

- Estou pensando em processar o Youtube se eles não tirarem essas imagens do ar. Eu já tenho um advogado, mas também posso procurar um defensor público, não sei ainda. Essa situação toda me causou muita dor de cabeça. Olhei os comentários do vídeo e até tinha bastante gente me defendendo, mas outros falavam muita bobagem.

É isso mesmo. Wanderlea tem um companheiro, Johne Max Geraldo dos Santos, de 38 anos (ou apenas Max). Os dois se relacionam há cerca de dois meses, mas foi justamente logo após o flagrante com outro homem que o casal passou a dividir o mesmo teto, dormindo lado a lado pelas últimas duas semanas.

— Eu mesma contei pra ele sobre isso tudo assim que voltei de viagem, antes de saber dessa coisa de vídeo — diz Wanderlea, que apenas ontem, em uma lan house, assistiu às cenas em questão: — Não transei com o rapaz. Acho que ele só disse na delegacia que fez para aparecer. A gente se beijou, foi bom e faria de novo, mas quem pode dizer se eu estava com o biquíni abaixado? Estão falando demais, e eu não devo nada a ninguém.

Já Max, surpreendido ao chegar do trabalho e encontrar a amada dando uma entrevista, parece realmente ter levado numa boa toda a situação. No entanto, embora não tenha hesitado em perdoar Wanderlea, o funcionário de uma transportadora preferiu não assistir ao vídeo. Afinal, o que os olhos não veem, o coração não sente (ou sente menos).

— Tem que entender, né. Gosto muito dela. E se veio me contar por conta própria, não tenho por que duvidar de nada. Eu confio — assegura.

Ontem, mais detalhes sobre a aventura em Rio das Ostras de Wanderlea, que é mãe de um casal de gêmeos de 9 anos, vieram à tona. Ela e o rapaz de 27 anos, auxiliar de serviços gerais na cidade do Norte Fluminense, se conheceram horas antes de entrarem juntos no mar, na sexta-feira anterior à folia. O mergulho caliente aconteceu depois de um bate-papo animado e algumas cervejas

Na noite de ontem, no aconchego do lar, Wanderlea conseguiu até brincar com o apelido que ameaça vingar: “Cicarelli de Rio das Ostras”.

— Se fosse com o Max, eu com certeza teria chegado aos finalmente — garante.

Max, sorrindo, apenas concorda com a cabeça.

Wanderlea e o companheiro, Johne Max Geraldo dos Santos Foto: Urbano Erbiste
Wanderlea e o companheiro, Johne Max Geraldo dos Santos Foto: Urbano Erbiste

Veja a entrevista com a dona de casa

O que aconteceu na praia?

Não aconteceu nada demais. Não mantive relações sexuais com ninguém dentro d’água. Fui com os meus filhos para a praia. Conheci um rapaz. Tomamos cerveja em frente à praia e depois fomos para a água. Ficamos conversando e rolou um beijo. Qual o problema se eu beijar alguém? Mas não transamos. Meus filhos estavam perto de mim.

Por que, então, você foi parar na delegacia?

A guarda me chamou e falou que eu tinha sido vista fazendo sexo. Falei: “Não estava fazendo isso”. Chamaram uma conselheira tutelar, que ficou com os meus filhos. Fiquei quase três horas na delegacia. Pedi para fazer exame de corpo de delito para provar que não tinha transado.

Você veio para Rio das Ostras passar o carnaval?

Vim na quinta-feira (um dia antes do incidente na praia), para ver a minha filha mais velha, que tem 19 anos e mora na cidade. Moro em Belford Roxo, com os gêmeos (um casal de 9 anos). Não trabalho porque o pai deles paga pensão e prefere que eu fique em casa cuidando.

Como foram os dias após o episódio?

Fiquei com medo de voltar à praia e que as pessoas ficassem me olhando e apontam para mim. Me senti constrangida. Ia ficar uma semana, mas fui embora na segunda-feira. Acabou com o meu carnaval.

Você pretende tomar alguma providência?

Estou pensando em processar o Youtube se eles não tirarem essas imagens do ar. Eu já tenho um advogado, mas também posso procurar um defensor público, não sei ainda. Essa situação toda me causou muita dor de cabeça. Olhei os comentários do vídeo e até tinha bastante gente me defendendo, mas outros falavam muita bobagem.

Leia Mais

Restaurantes proíbem que clientes postem fotos de comida no Instagram

Vários locais renomados pedem ao menos que seus clientes não utilizem o flash do celular

comida

Eduardo Tello, no Conteúdo Nerd

A prática já é bastante popular. Usuários da rede de fotografia Instagram (e Flickr, ou 500px) vivem fotografando tudo o que veem nas ruas da cidade onde residem, ou das que visitam. Algo bastante popular principalmente na rede hipsters, é a fotografia de comidas. Fotografar pratos chiques em restaurantes utilizando o celular, e depois aplicar efeitos vintage para publicar nas redes sociais é algo extremamente popular hoje. Todo mundo faz, ou ao menos tentou.

O problema desta prática é o uso do flash, geralmente necessário à noite devido à pouca luminosidade. Estabelecimentos começaram a proibir o uso do flash pois outros clientes reclamam que a luz atrapalha sua noite, é incômodo. E eles têm razão. É muito chato você estar aproveitando um delicioso prato com outras pessoas quando do nada alguém tira um iPhone do bolso e começa a fotografar o que está comendo, utilizando o flash.

Em Nova Iórque, o restaurante Momofuku Ko já aderiu a proibição. Também na grande cidade, o Chef’s Table também avisa que os clientes não devem tirar fotos, pelo menos não com o flash ativado. E não apenas em NY, mas por todo o mundo: Seiobo, em Sidney; Shoto, em Toronto; Per Se, Le Bernardin e Fat Duck. Não duvido que estabelecimentos no Brasil logo vão aderir à proibição.

Você até pode fotografar o que está comendo em um restaurante, mas pelo menos desative o flash. Dica: ligue o modo HDR.

Leia Mais