Os 40 são os novos 30, só que não

Mulher-em-frente-ao-espelho

Mariliz Pereira Jorge, na Folha de S.Paulo

Você está se levando muito a sério, disse meu psicanalista. Olhei para ele e pensei, como a gente deixa esse tipo de coisa acontecer. Parece que foi ontem que tudo que eu planejava era chegar até o fim de semana.

Não perdia o sono, não sabia o que era ansiedade, muito menos perceber um desânimo, e não entender de onde vem esse peso que nos afunda.

Durante muito tempo eu consumia a vida. E quando me dei conta é a vida que me consome. São prazos, cobranças, mais contas do que dinheiro, falta de paciência, saco cheio, intolerância, um bufar constante. Passei a não me aguentar, porque não aguentava mais o pouco do muito que me rodeava.

É complexo. Mas quem já passou por isso sabe o que é. A gente se sente muito jovem ou nem pensa no momento porque está ocupado demais em viver. Nunca fui inconsequente. Não ser careta, certinha, não tem nada a ver com ser porra louca. Eu apenas percebi muito cedo que tinha mundo demais, tinha gente demais, tinha vida demais para conhecer e desbravar por aí.

Então, você se depara com o mestre dos clichês: a vida é feita de escolhas. E quando você olha tem 40 anos. E entra em crise porque não sabe se fez as escolhas certas. E começa a contestar se tudo o que fez valeu a pena. E se pergunta quando você começou a ficar tão chata. E olha para os lados e pensa, de onde veio esse medo da vida?

Tudo começa a ganhar uma proporção maior do que deveria. Você pensa que talvez, e só talvez, deveria ser a antítese da música dos Titãs. Amei muito, arrisquei muito, vi centenas de pores do sol, caguei para os problemas, morri de amor algumas vezes, aceitei sempre o que a vida me trouxe. E agora, José?

Agora todo mundo casou, teve filhos, comprou uma casa –ou duas–, se separou, casou de novo, foi promovido. E você continua sem saber o que fazer na semana seguinte.

Tomo um copo de água. Olho para o meu psicanalista, ele ri. De mim, claro. E começa a dizer o que a gente não deveria esquecer.

Quando começamos a olhar todos os problemas que surgem na vida adulta, focamos apenas em resolver o que nos traz o conforto imediato e não exatamente o que nos faz feliz. Chega uma hora que a gente resolve que chegou o momento de ter estabilidade na vida. Para a maioria essa urgência chega aos 30. Para outros aos 40, que são os novos 30 –só que não, exatamente.

Aos 30 você morre de tédio de pensar nessa monotonia da estabilidade. Mas aos 40 começa a acreditar que deveria ter engolido alguns sapos no trabalho e no amor, para não ter que pensar na semana que vem. E assim, ser infeliz para sempre.

Os paradoxos da vida. Quero tudo, mas não agora. Nem sempre as coisas acontecem quando queremos, principalmente para os adoradores da vida, para quem o tempo pode ser a qualquer hora. A gente precisa desarmar essa bomba prestes a explodir dentro de nós, que se chamam convenções, obrigações, chateações e olhar de novo apenas para o que nos dá prazer.

Quanto mais converso com o meu senhor Freud, mais me convenço de que estou tentando ser alguém que não sou –e nem preciso ser. Não sou a garota certinha, que planeja passo a passo o que vai acontecer amanhã. Não sou eu. Quanto mais quero prever o futuro, mais sofro com o presente. Quero usar a maturidade para viver a vida de uma forma mais adolescente, quando tudo que a gente mais faz é ser feliz, porque acredita que tem a adolescência pela vida afora.

Leia Mais

Consciência pode permanecer por até três minutos após a morte, diz estudo

morte_verbena5
publicado no O Globo

Aquele túnel com uma luz brilhante no fundo e uma sensação de paz descritos por filmes e outras pessoas que alegaram ter passado por experiência de quase morte podem ser reais. No maior estudo já feito sobre o tema, cientistas da Universidade de Southampton disseram ter comprovado que a consciência humana permanece por ao menos três minutos após o óbito biológico. Durante esse meio tempo, pacientes conseguiriam testemunhar e lembrar depois de eventos como a saída do corpo e os movimentos ao redor do quarto do hospital.

Ao longo de quatro anos, os especialistas examinaram mais de duas mil pessoas que sofreram paradas cardíacas em 15 hospitais no Reino Unido, Estados Unidos e Áustria. Cerca de 16% sobreviveram. E destes, mais de 40% descreveram algum tipo de “consciência” durante o tempo em que eles estavam clinicamente mortos, antes de seus corações voltarem a bater.

O caso mais emblemático foi de um homem ainda lembrou ter deixado seu corpo totalmente e assistindo sua reanimação do canto da sala. Apesar de ser inconsciente e “morto” por três minutos, o paciente narrou com detalhes as ações da equipe de enfermagem e descreveu o som das máquinas.

– Sabemos que o cérebro não pode funcionar quando o coração parou de bater. Mas neste caso, a percepção consciente parece ter continuado por até três minutos no período em que o coração não estava batendo, mesmo que o cérebro normalmente encerre as atividades dentro de 20 a 30 segundos após o coração – explicou ao jornal inglês The Telegraph o pesquisador Sam Parnia.

Dos 2.060 pacientes com parada cardíaca estudados, 330 sobreviveram e 140 disseram ter experimentado algum tipo de consciência ao ser ressuscitado. Embora muitos não se lembrassem de detalhes específicos, alguns relatos coincidiram. Um em cada cinco disseram que tinha sentido uma sensação incomum de tranquilidade, enquanto quase um terço disse que o tempo tinha se abrandado ou se acelerado.

Alguns lembraram de ter visto uma luz brilhante, um flash de ouro ou o sol brilhando. Outros relataram sentimentos de medo, afogamento ou sendo arrastado pelas águas profundas. Cerca de 13% disseram que se sentiam separados de seus corpos.

De acordo com Parnia, muito mais pessoas podem ter experiências quando estão perto da morte, mas as drogas ou sedativos utilizados no processo de ressuscitação podem afetar a memória:

– As estimativas sugerem que milhões de pessoas tiveram experiências vivas em relação à morte. Muitas assumiram que eram alucinações ou ilusões, mas os relatos parecem corresponder a eventos reais. E uma proporção maior de pessoas pode ter experiências vivas de morte, mas não se lembrarem delas devido aos efeitos da lesão cerebral ou sedativos em circuitos de memória.

Leia Mais

O caminho menos trilhado

caminhando

Ricardo Gondim

Preciso da divina companhia de quem se atreve acompanhar-me por uma rota deserta chamada vida. Firo, magoo e decepciono muitas vezes. Sofro se não expresso gratidão. Afasto gente querida. Atropelo companheiros. Como sei a dor de olhar para trás e ter remorso de não ter celebrado mais instantes, vez por outra luto para não lacrar as janelas da existência.

Contudo, seguir na estrada menos pavimentada parece tanto meu flagelo como minha fortuna. Não é fácil andar comigo. Perseguir horizontes pouco nítidos –  nebulosos – me desafia desde sempre. Mesmo quando acho difícil desvelar os enigmas herméticos, insisto em esmiuçar a sutil revelação da transcendência. Acho tudo complicado e quero saber o porquê.

Solitário – sem escolher a solidão – subo desfiladeiro. Não me interesso por descidas. Minha alma se interessa por conquistar as escarpas das serras. Cavalgo por prados selvagens sem atentar para os buracos perigosos. Nado na contramão da enxurrada que empurra toras de madeira enquanto cava rochas. Perto de mim, canhoto, as pessoas entendem o significado mais profundo de ser sinistro.

Meu corpo pede quietude, todavia, não cesso de espernear por dentro. Sou todo desassossego, todo alvoroço, todo rebuliço. Se recuo diante de acenos inquisitórios é devido ao meu destemor dos patrulheiros dos bons modos. No banquete dos bem comportados, necessito de espaço para os cotovelos. Meu ímpeto de escrever não tolera a cisma de escandalizar. Quero devanear como um poeta: alucinado com a beleza imarcescível, apaixonado pelo mistério inesgotável e alumbrado com a solenidade do sagrado.

Sei que não devo tentar explicar-me. Não por descaso, mas por me faltarem palavras. Como descrever a imensidão submersa de um coração apaixonado? Eu também tenho um caso de amor com a vida.

Minha interioridade é só minha. Mesmo assim continuo estrangeiro de mim mesmo. O homem que me encara de dentro do espelho mal sabe quem eu sou. Meus pensamentos se agitam, insubmissos. Os sentimentos colidem em noites insones. Constantes terremotos misturam medo e ousadia, ternura e raiva, fé e dúvida, empenho e fadiga. Na areia do tempo, me desconheço cada dia mais. Sou ambíguo e lógico, sensível e ríspido, melancólico e cheio de esperança.

Se insisto em não precisar de ninguém, no mesmo fôlego choro por companhia. Procuro o deserto só para morrer de saudade. Entre retroceder e avançar nos afetos, fico tensionado como elástico de estilingue. Acendo os faróis para o futuro e, ao mesmo tempo, lanço âncora. Rasgo mapas, roteiros, bulas, dogmas, contudo, gosto do rito do encontro. A antiga eucaristia do pão rasgado e do vinho tinto me enchem de significados novos. Cafuné, abraço e pequenos parágrafos carinhosos se tornam tão essenciais quanto o vento – o espírito – que me anima com eternidades. Na senda pouco povoada por onde viajo, confesso carência de intimidade.

Soli Deo Gloria 

fonte: site do Ricardo Gondim

Leia Mais

Empresário planta 17.685 árvores e cria 1º parque linear de SP



Plantador

publicado no Catraca Livre

Dizem que há três coisas que um homem deveria fazer na sua vida: plantar uma árvore, ter um filho e escrever um livro. O empresário Hélio Silva, 63 anos, foi um pouco além: plantou 17.685 árvores, teve 3 filhos (e 2 netos) e já escreveu 49 páginas de um livro para inspirar as pessoas a cuidarem do planeta.

Foi caminhando por uma área degradada na avenida Carvalho Pinto, na Penha, zona leste de São Paulo, em 2003, que ele teve a ideia de transformar o local “na maior UBS [Unidade Básica de Saúde] a céu aberto da cidade”. As primeiras 500 mudas plantadas foram destruídas. “De cada 10 que eu plantava, arrancavam 8”, conta.

Mas ele persistiu e, 5.000 árvores plantadas e 40 meses depois, a prefeitura transformou o Tiquatira no primeiro parque linear (ao longo de rios) da cidade, levando para o local equipamentos de lazer e banheiros. Com mais de 170 espécies nativas da mata Atlântica, deve se tornar um dos maiores em biodiversidade.

Parque

São jequitibás, jatobás, paus-brasil, eritrinas, aroeiras, canelas, goiabas, amoras, ingás… “Conheço uma por uma e sei exatamente o dia em que foram plantadas”, afirma Hélio. Para atrair a fauna, a cada 12 árvores que ele planta, 1 é frutífera. E deu certo: vieram sabiás, sanhaços, saíras, tico-ticos, gaviões, papagaios. “De vez em quando é uma sinfonia só”, conta.

Faça chuva ou faça sol, diariamente Hélio está no parque, ou cuidando das árvores (fazendo covas, adubando, plantando, podando) ou caminhando. “É meu Lexotan natural”, brinca. “Agradeço, converso, pergunto como foi o dia ou a noite delas. E, por incrível que pareça, tenho todas as respostas.”

O dinheiro gasto comprando mudas e adubo, de R$ 1.000 a R$ 3.000 mensais, ele considera o maior investimento da sua vida. “O Tiquatira é meu patrimônio maior, que divido com todos. Dividir é muito melhor que somar para si mesmo”, pontua. E compara: “Ter uma árvore é muitíssimo parecido com ter um filho, mas os filhos são nossos, e as árvores, do coletivo”.

Área-degradada

E o que ele planeja para o futuro? “Já combinei com Deus que vou até os 87 anos e ainda vou plantar de 40 mil a 50 mil árvores. Tenho projetos interessantes a serem desenvolvidos para a comunidade, para o bairro, para a cidade, para o Brasil, para o planeta, para a vida.”

Leia Mais

Álcool pode aumentar expectativa de vida, diz pesquisa

2014-721460288-2014-718676157-maradona_argentina_stuzzi_foto-alle-vidal3.jpg

Publicado no Extra

Bruxelas – O consumo moderado de bebidas alcoólicas ajuda a aumentar a expectativa de vida. Essa é a conclusão de um estudo apresentado no simpósio Beer and health (Cerveja e saúde), realizado nesta terça-feira, na capital da Bélgica, pela pesquisadora italiana Simona Constanzo, do Departamento de Epidemiologia e Prevenção do Instituto Neurológico Mediterrâneo. De acordo com o trabalho, a ingestão de quatro doses diárias por homens e de duas por mulheres reduz em 17% e 18%, respectivamente, o risco de mortalidade por qualquer causa.

Em pacientes com doenças cardiovasculares, o álcool também mostrou fazer bem à saúde. O consumo de cinco a dez gramas da substância por dia resultou em 20% a mais de proteção para o coração.
O estudo concluiu que, para se obter benefícios, o ideal é consumir até 150mL de vinho por dia. Para cerveja, o recomemendado é beber, no máximo, a quantidade que contenha 43 gramas de álcool. Nessa faixa, é possível diminuir em cerca de 40% o risco de doença cardíaca.

Segundo Simona Constanzo, a pesquisa deixou evidente que o álcool desempenha um papel cardioprotetor independentemente de outras substâncias presentes no vinho e na cerveja, como os polifenóis, embora eles também sejam importantes para a saúde.

– O consumo moderado de bebidas alcoólicas traz uma série de benefícios em termos de redução do risco cardiovascular e de mortalidade, não só para a população em geral como em pacientes cardíacos. Dessa forma, as pessoas devem ser orientadas a evitar a ingestão excessiva de álcool, assim como aquelas com história de doença cardiovascular não devem ser proibidas de beber – destacou a pesquisadora, alertando ainda que “beber uma taça de vinho ou um copo de cerveja deve ser visto como um prazer, não um tratamento”.

*A repórter viajou a convite do Brewers of Europe.

Leia Mais