Armas de fogo transformadas em instrumentos musicais que tocam sozinhos

Luciano Ribeiro, no Papo de Homem

Pedro Reyes é um artista plástico mexicano que costuma usar suas obras para chamar atenção a algum problema social.

“Eu acredito que o propósito da arte é vir com formas de transformar os instintos mais negativos em instintos criativos.” –Pedro Reyes

Dessa vez, ele decidiu combinar música, escultura e automação para falar do desarmamento no México. Ele transformou armas apreendidas de grupos criminosos – que seriam destruídas – em instrumentos musicais capazes de tocar sozinhos.

O resultado você pode conferir nesse mini-documentário feito para o The Creators Project (um canal que vale acompanhar, inclusive).

De 27 de março a 15 de maio de 2013, a obra esteve em exposição da Lisson Gallery – galeria de arte contemporânea de Londres.

Aqui você pode ver os instrumentos em ação:

“A tecnologia não é boa ou má, tudo depende do uso que você dá a ela. O trabalho espiritual aqui é como dizer: ‘eu estou pegando este pedaço de metal que representa nosso instinto de matar uns aos outros e estou transformando-o em um instrumento musical, que é a forma mais sofisticada de comunicação no planeta.’” –Pedro Reyes

ins1ins2ins3ins4ins5ins6ins7ins8ins9

Leia Mais

Taxa de suicídio diminui 85% após ação da Samsung em ponte

A campanha publicitária premiada em Cannes ajudou a reverter uma trágica situação da Coreia do Sul, um dos países mais suicídios

Trecho de vídeo que registra a ação: luzes com sensores acendiam conforme os transeuntes caminhavam pela ponte, que também recebeu frases inspiradoras
Trecho de vídeo que registra a ação: luzes com sensores acendiam conforme os transeuntes caminhavam pela ponte, que também recebeu frases inspiradoras

M. Medina, na Exame

São Paulo – A Coreia do Sul é o país com a maior taxa de suicídio da OCDE. A ponte Mapo, na capital Seul, é o lugar de onde mais pessoas se jogam, tendo sido responsável por 108 mortes nos últimos cinco anos.

Para reverter essa trágica situação e se promover como uma marca que salva vidas, o Seguro Samsung transformou em “Ponte da Vida” o local mais mortal do território sul-coreano.

Contrariando as expectativas do governo de construir um muro ou simplesmente fechar a ponte, a companhia apostou em uma solução criativa que fizesse as pessoas pensarem duas vezes antes de tomarem uma medida extrema.

Luzes com sensores acendiam conforme os transeuntes caminhavam pela ponte, que também recebeu frases inspiradoras que incluem: “Vá ver as pessoas de quem você sente saudade”, “Os melhores momentos da sua vida ainda estão por vir”, “Como você gostaria de ser lembrado?”. Segundo reportagem da Creativity, as mensagens foram criadas em parceria com psicólogos e ativistas da prevenção ao suicídio.

A instalação, assinada pela agência Cheil Worldwide, levou um ano e meio para ser feita, contou com 124 trabalhadores, totalizou 2,2 km de extensão e utilizou 2.200 luzes de LED e sensores.

Segundo o Cannes Lion, que premiou o projeto em 2013, de setembro do ano passado, quando a campanha teve início, a dezembro de 2012, a taxa de suicídio na ponte diminuiu 85%.

Leia Mais

“Roubo das riquinhas e levo para os pobres”, diz Dr. Rey, que deve vir candidato a deputado

Dr. Rey deve vir como candidato a deputado nas próximas eleições/ Foto: Reprodução
Dr. Rey deve vir como candidato a deputado nas próximas eleições/ Foto: Reprodução

Bruno Astuto, na Época

No ar em 172 países, com seu programa de TV de cirurgias plásticas, o brasileiro Roberto Miguel Rey Júnior, o Dr. Rey, diz que fatura US$ 100 milhões por ano com produtos licenciados, cirurgias e apresentações na TV. Mora numa mansão avaliada em US$ 6 milhões em Beverly Hills e acaba de comprar um apartamento no bairro nobre do Itaim, em São Paulo. Filiou-se ao PSC (Partido Social Cristão), o mesmo do pastor Marco Feliciano, que pretende lançá-lo a deputado federal no ano que vem. A ÉPOCA, ele falou da nova carreira.

ÉPOCA –Qual será sua plataforma eleitoral?

Dr. Rey – Sou uma espécie de embaixador do Brasil, como Gisele Bündchen e Anderson Silva. Quero mostrar que o brasileiro não é uma piada. É inacreditável que menos de 9% do PIB brasileiro vá para a saúde. Meu governo seria metade Obama, pelo lado social, e metade Ronald Reagan, pelo econômico. Venho da classe D, e meu barraco não tinha eletricidade. O brasileiro só rouba porque está desesperado, assim como eu fazia nos mercados paulistas. Se estivesse no Brasil, estaria na cadeia.

ÉPOCA – Vai abandonar a medicina e sua carreira na TV?

Dr. Rey – Minha inspiração foi o Silvio Santos. Precisei da mídia para ser conhecido. As riquinhas pagam meu trabalho humanitário. A cada seio que faço nelas, consigo fazer três correções de lábios leporinos em comunidades carentes. ‘Roubo’ das riquinhas e levo para os pobres. Nasci para elevar o Brasil a Primeiro Mundo. Meu sonho era ser candidato nos Estados Unidos, porque o latino é muito maltratado por aqui. Me falaram para esquecer os gringos, porque o país está em colapso econômico e moral. Então, vou para o Brasil, que é o país do futuro.

ÉPOCA – Acha que seria eleito?

Dr. Rey – Sei que a mulher brasileira me apoia. Mas o homem vive numa sociedade machista e não está acostumado com o meu jeito suave. Não sou gay, mas tenho um lado feminino.

ÉPOCA – Por que o PSC?

Dr. Rey – É um partido que não julga. Sou mórmon, metade gringo, tenho um jeito diferente, e eles me aceitaram. Além de tudo, é um partido que não tem vergonha de Deus. Não sou responsável pelas pessoas que estão no partido. Respeito o Feliciano, mas ele é ele – e eu sou eu.

Leia Mais

Justin Bieber é criticado por dizer que Anne Frank poderia ser uma ‘belieber’

Cantor adolescente foi ao museu na Holanda dedicado à memória de Frank. No livro de dedicatórias, Bieber escreveu que ela poderia ter sido fã dele.

(Foto: AP/Globo News)
(Foto: AP/Globo News)

Publicado originalmente no G1

O pop star adolescente Justin Bieber virou alvo nas mídias sociais após dizer que Anne Frank poderia ser uma “belieber”, nome pelo qual chama suas fãs.

A polémica começou após o museu Anne Frank House relatar que Bieber escreveu no livro de visitas da entidade esperar que a jovem vítima do Holocausto fosse uma “belieber”.

A entidade comunicou, por meio de seu perfil no Facebook, neste sábado (13) que Bieber havia visitado o museu na noite anterior e passado mais de uma hora, acompanhado de um grupo de amigos e guardas. Os fãs esperavam o astro do lado de fora por “um vislumbre dele”.

“Em nosso livro de visitas, ele escreveu: ‘Verdadeiramente inspirador poder vir aqui. Anne era uma grande menina. Esperançosamente ela teria sido uma belieber’”, disse o museu em sua publicação no Facebook.

A frase escrita no livro de visitas gerou centenas de comentários na rede social de pessoas reagindo negativamente à escolha de palavras de Bieber.

“Anne Frank uma belieber? Essa é de longe uma das coisas mais egoístas que eu já li, tipo sempre”, escreveu a usuária do Facebook, Tania Saez Pinto.

Comentaristas da mídia também se juntaram à polêmica. Scott Simon, apresentador da Rádio Pública Nacional dos EUA, disse no Twitter: “Anne seria sábia o suficiente para apenas rir”.

Um representante de Bieber não retornou as ligações ou um e-mail neste domingo a respeito da controvérsia sobre seu comentário no livro de visitas.

Anne Frank, que morreu aos 15 anos no campo de concentração de Bergen-Belsen em 1945, é uma das mais notórias vítimas judias do Holocausto.

Leitores em todo o mundo leram seu diário, publicado em 1947, e detalha privações e triunfos pessoais que ela e sua família passaram no tempo em que se esconderam da ocupação nazista na Holanda.

 

Leia Mais

‘Não temos condições de ficar’, diz pastor de igreja atacada em Sumaré

Após adolescente de 16 anos levar tiro no braço, templo vai mudar de lugar. 
Pai e filho invadiram o local na noite de sábado incomodados com barulho. 

Foto: Marcello Carvalho/G1
Foto: Marcello Carvalho/G1

Publicado originalmente no G1

Depois de um adolescente de 16 anos ter sido agredido e levado um tiro no braço após um culto na Igreja Assembléia de Deus Ministério Gerizim, no Jardim Santa Clara, em Sumaré (SP), na noite de sábado (23), o pastor titular e os membros da igreja decidiram se mudar do local. “Estamos fechando a igreja, vamos nos mudar, não temos condições de ficar aqui”, disse o pastor Alessandro Pereira Godoy.

Segundo o religioso, o motivo da mudança é que os agressores são vizinhos da igreja e, por isso, o risco de acontecer outro ataque é grande. “Nós não sabemos o que vai acontecer, se eles conseguirem sair da delegacia podem vir aqui e matar todo mundo, nós não queremos morrer”, desabafou. Os suspeitos, identificados como Domingos e Pablo estão presos na cadeia de Sumaré, informou a Polícia Civil.

O local onde será criado o novo templo já está definido. Segundo os membros da congregação, um amigo, que pertence à outra igreja, já cedeu um barracão no mesmo bairro para que eles possam se mudar. Na manhã deste domingo (24), eles recolheram cadeiras, mesas, instrumentos musicais e todos os objetos da igreja para fazer a mudança para a nova sede.

Andréia Pacheco estava no salão no momento do ataque e ficou chocada com o que aconteceu. “Ficamos desesperados, queríamos defender o adolescente, mas não tínhamos como. É uma crueldade, eles ia matar um jovem de 16 anos”, contou a vendedora. Ela, que frequenta a igreja todos os dias, afirmou que não tem mais segurança nenhuma para ficar. “Se nós não mudarmos daqui eu não venho mais, é muito perigoso”, completou.

Ataque

O adolescente levou um tiro de raspão no braço e foi agredido com chutes e socos após o culto. Os suspeitos da ação são vizinhos do templo e estariam incomodados com o barulho, segundo a Polícia Militar. Eles foram presos.

De acordo com Godoy, os agressores são pai e filho, um de 57 anos e outro com idade entre 20 e 30 anos. Um pastor, de Bertioga (SP), também foi agredido, segundo testemunhas. Cerca de 30 pessoas estavam no local na hora da confusão.

Godoy disse que após o culto terminar os suspeitos atravessaram a rua e começaram a agredir com tapas e socos o religioso de Bertioga, que falava ao celular na calçada. Após a confusão, o agressor, de 57 anos, voltou para casa e pegou uma arma de fogo e foi para dentro do templo do Ministério Gerizim.

Ameaças

Dentro da igreja, apontou a arma para o pastor Godoy, que se escondeu no banheiro. Depois, pai e filho teriam ido em direção ao jovem de 16 anos para agredi-lo.

A cozinheira Lindinalva Pereira Cunha, que estava no culto, relata que tentou separar o adolescente dos agressores, mas não conseguiu. Depois de dar socos e pontapés no rapaz, o homem armado deu um tiro à queima roupa que acertou o braço do jovem.

Ele foi levado ao Hospital Estadual de Sumaré e não corre risco de morte. “Foi muita crueldade. Ele tentou matar um menino de 16 anos. Tentei separar, mas eles me jogaram do altar”, lembra Lindinalva. Na igreja ainda havia marcas de sangue na manhã deste domingo.

Tiros

Depois de atirar contra o jovem, segundo o pastor, o vizinho foi procurá-lo no banheiro. Como a porta estava trancada ele deu um tiro na fechadura, que ficou destruída. O religioso conseguiu fugir e o agressor teria disparado dentro do banheiro feminino e outro no teto do templo. Ao saírem da igreja pai e filho foram detidos pela Polícia Militar.

G1 foi até a casa dos suspeitos, mas ninguém quis comentar o caso. De acordo com a Polícia Civil, o caso foi registrado como tentativa de homicídio.

Leia Mais