A internet é lugar para segredos?

secret

Por Altieres Rohr, no G1

Existe uma percepção de que é possível jogar algo “na rede”, aproveitando-se do suposto anonimato da internet sem, entretanto, perder o controle sobre aquilo que foi publicado. Diferentemente de escrever um papel e jogar na rua, a internet permite acompanhar as reações de quem leu – e isso torna a internet mais interessante e construtiva para essa finalidade.

Escrever por escrever não adianta. É preciso do público.

É aí que entra a mágica do aplicativo Secret, cuja intenção é permitir a divulgação de “segredos” de forma anônima e que foi proibido pela Justiça brasileira. Quem quer publicar algo no Secret ou em qualquer outro lugar de forma “anônima” não está divulgando um segredo de graça; espera poder acompanhar as reações. No mais nobre dos casos, talvez espera que as pessoas deem mais atenção para um sofrimento até então silenciado – um pedido por empatia.

É algo curioso, mas parece que não faz sentido. Sabemos que as pessoas têm desejos ou sentimentos ocultos; o que interessa no Secret é que alguém decidiu revelá-los, dando a eles um “corpo”. Mas, ao mesmo tempo, o Secret é – a princípio – anônimo, incorpóreo. Não há razão para ser real.

É um paradoxo: os “segredos anônimos” são interessantes porque dão forma ao que é oculto, mas não existe forma para o anonimato – ele esvazia tudo. O Secret pode muito bem ser um imenso e coletivo trabalho de ficção.

A força do Secret está na sua fraqueza. O Secret é social em sua própria concepção e, por isso, não é verdadeiramente anônimo. O site de humor brasileiro “Não Salvo” mostrou como descobrir as publicações de uma pessoa no Secret com uma técnica que foi apresentada também por dois pesquisadores à revista de tecnologia “Wired”. Esse “risco” de se perder o anonimato é que dá substância a um ambiente onde não deveria haver nenhuma.

O truque para descobrir as postagens de uma pessoa não se trata de uma falha de segurança, mas sim de explorar a própria ideia por trás do Secret – de mostrar “segredos” de contatos. Eliminar esse problema depende de uma alteração profunda na maneira que o Secret exibe seus segredos, tirando a exclusividade do círculo social. E isso deixaria o app muito menos interessante.

A web tem sim espaços verdadeiramente anônimos ou, pelo menos, muito mais anônimos do que o Secret. Alguns chegam a ter audiências consideráveis. Mas eles não têm substância e, por isso, são repletos de trotes, mentiras e todo tipo de lixo digital – inclusive de pessoas fingindo que possuem problemas só para atrair a atenção (e a pena) de outros visitantes. Curiosamente, alguns desses espaços são muito mais antigos e não tiveram problemas com a Justiça brasileira.

O Secret conseguiu um equilíbrio: quem posta pensa que está anônimo, quem lê tem motivos para crer que se trata de alguém falando a verdade – e que esse alguém é próximo. É uma receita que faz todo mundo ficar na linha da falta de entendimento e, por isso, é perigoso. O “perigo”, aliás, é para quem usa – a coluna não está opinando sobre a decisão da Justiça brasileira de proibir o aplicativo.

A internet permite sim que segredos sejam revelados e discutidos com estranhos. Muitas minorias acham espaço na internet para conversar sobre temas e revelar sua intimidade, encontrando um apoio que seria difícil de conseguir com pessoas próximas. Mas ora, se a ideia é não revelar segredos para seus amigos, por que alguém usaria o Secret ou qualquer serviço parecido – cuja ideia, embora velada, é exatamente essa?

Leia Mais

Twitter passa a remover imagens sobre pessoas falecidas

imagem

 

Publicado no Olhar Digital

O Twitter passará a remover determinadas fotos de pessoas falecidas, caso receba pedidos dos falimiares.

A ação vem logo após Zelda Williams, filha do ator Robin Williams, anunciar que deixaria a plataforma por estar recebendo montagens de fotos que seriam do corpo de seu pai.

Em comunicado, a rede de microblogs informa que os familiares podem enviar as solicitações para o e-mail privacy@twitter.com especificando o tipo de conteúdo que desejam ver removido. Entram na mira fotos de momentos antes ou após a morte e os que mostrem ferimentos críticos.

O Twitter avisou, entretanto, que nem todos os casos serão atendidos. Será levado em conta, por exemplo, o interesse público em torno da imagem.

Para mais informações, há um artigo sobre como lidar com a conta de pessoas falecidas aqui.

Leia Mais

Americano pede desculpas por ter inventado o “pop up”

Publicado na Exame

“Todos nós passamos por situações tão ruins em nossas vidas que somos forçados a explicar nossas ações para lembrar a todos que tínhamos boas intenções. É óbvio que agora sabemos que o que fizemos foi um fiasco, mas deixe-me relembrá-lo que o que queríamos era fazer algo nobre e corajoso”, escreve Ethan Zuckerman, principal pesquisador do MIT Lab, um centro de estudos da instituição americana. Zuckerman refere-se especificamente aos pop-us, aquelas janelas que infernizam a vida de qualquer internauta, com anúncios pipocando no meio das páginas e que se tornaram o modelo mais forte de publicidade na web. É algo que ele criou, em um trabalho que durou 20 anos, e que hoje ele gostaria que desaparecesse.

ezheadshothersman
ETHAN ZUCKERMAN (FOTO: DIVULGAÇÃO)

“Desculpem-me. A intenção era boa”, escreveu o americano em artigo publicado ontem no The Atlantic. Lá, ele conta como a ideia surgiu, como os anúncios tornaram-se inconvenientes e propõe novos modelos de financiar o conteúdo na web.

De 1994 a 1999, Ethan trabalhou para o Tripod.com, ajudando a desenvolver, arquitetar e implementar um website que tivesse serviços e conteúdo para recém-formados. Quando o negócio faliu, ele tornou-se um webdesigner e desenvolvedor. Nos cinco anos seguintes, criou dezenas de modelos de negócio, tentando vendê-los para empresas. Ele e seus colegas não sabiam exatamente para onde o trabalho caminhava, mas no final, descobriram que haviam criado um modelo aplicável de anúncios em sites.

O pop-up viria depois, após uma empresa de carros ter ficado realmente brava quando um anúncio seu foi inserido em um site de sexo. Zuckerman então sugeriu remover o anúncio da página e colocá-lo em uma janela que seria aberta em primeiro plano e não levaria a uma associação direta entre marca e conteúdo do site. “E assim, ao longo dos anos, desenvolvemos uma das ferramentas de publicidade mais odiada de todos os tempos: o pop-up”.

 

Futuro da propaganda online

Zuckerman cita o programador Maciej Cegłowski para defender que o anúncio tornou-se o modelo mais negligente da internet, porque é o “mais fácil para um startup implementar, o mais fácil para investir em marketing”. Ele afirmou que o grande problema do modelo atual de anúncios online é que eles não seguem os interesses dos usuários, eles competem pela atenção deles. “É uma barreira que você tem que ultrapassar – minimizar janelas, clicando fora da janela do anúncio, ignorando-os – para conseguir ler o que você desejava quando clicou no link.”

O americano defende outros modelos para financiar conteúdo e serviços na web, com propagandas menos invasivas, que colham menos dados dos usuários. Uma delas seria o pagamento de pequenas taxas para utilizar aquele serviço. Para Zuckerman, o investimento em audiência poderia também ajudar a empresas a conseguir implantar caminhos diferentes e criativos. “Startups poderiam diminuir o plano de crescimento da receita com anúncios e focar em construir audiências. Se as receitas forem insuficientes para cobrir os custos e prover conteúdo ou serviços, isso não importa de início – o que importa é o crescimento da audiência. Um site com 10 milhões de usuários leais com certeza encontraria um outro modo de gerar receita”.

dica da Rina Noronha

Leia Mais

Com Facebook fora do ar, americanos pedem ajuda à polícia

size_590_1975037_10152612184566729_756631254_n

Publicado na Exame

Na tarde desta sexta-feira (1), o Facebook ficou fora do ar mundialmente durante aproximadamente duas horas. Com isso, usuários americanos da rede social recorreram à polícia para tentar resolver o problema.

O sargento Burton Brink, xerife do condado de Los Angeles, recorreu ao Twitter para explicar que a instabilidade do Facebook não era problema da polícia.

“#Facebook não é um problema legal, por favor, não nos ligue para avisar que ele está fora do ar, nós não sabemos quando o FB estará de volta!” Veja o tweet abaixo:

#Facebook is not a Law Enforcement issue, please don’t call us about it being down, we don’t know when FB will be back up!

— Sgt. Brink (@LASDBrink) 1 agosto 2014
O twitter oficial de comunicação do departamento também falou sobre o ocorrido, tweetando: “Por favor. Sem perguntas sobre quando o #Facebook estará de volta, nós não sabemos…Obrigada!”. Veja abaixo:

Pls. No questions about when #Facebook will be back up, we do not know… Thx! #LAPD

— LAPD Communications (@911LAPD) 1 agosto 2014
Segundo o Facebook, o problema afetava todas as APIs e superfícies web da rede social. “O Facebook passa por problemas que estão afetando todas as suas APIs e superfícies web.

Nosso engenheiros detectaram o problema e estão trabalhando para resolvê-lo rapidamente”, disse a empresa ontem, em comunicado. Por volta das 15 horas, o Facebook já se encontrava estável novamente.

Leia Mais

USB possui brecha de segurança que não pode ser resolvida

imagem

Publicado no Olhar Digital

Dois pesquisadores de segurança estão prestes a divulgar uma descoberta sobre o USB que decreta o formato como um dos mais inseguros da atualidade.

Karsten Nohl e Jakob Lell construíram provas de conceito indicando que é possível contaminar uma unidade USB sem tocar na memória flash, focando apenas no firmware que controla suas funções.

Isso significa que nem a varredura mais completa encontraria o arquivo malicioso, e que qualquer coisa que use saída USB pode ser infectada – incluindo periféricos como teclado e mouse, além de pendrives.

Eles conseguiram colocar malwares nos chips usados para conectar um dispositivo ao computador e esses arquivos maliciosos são capazes de controlar funções e alterar pastas, além de direcionar o tráfego da internet a sites de interesse do atacante. Tudo sem serem notados.

O USB pode infectar o computador ou ser infectado por ele, e em nenhum dos casos o usuário comum tem chance de descobrir. Apenas um especialista com conhecimentos em engenharia reversa poderia encontrar o problema, mas só se estivesse procurando – e o firmware não costuma levantar suspeitas.

Os pesquisadores mostrarão como isso funciona durante a Black Hat, conferência anual sobre segurança que ocorre na semana que vem em Las Vegas, na intenção de estimular as pessoas a tomarem cuidado com o USB, porque este é um problema sem solução.

O que Nohl e Lell pretendem com a divulgação de suas descobertas é fazer um alerta para que as pessoas tratem dispositivos como pendrives da mesma forma que tratam seringas: cada um só pode usar o seu. É a única forma de garantir que não haverá complicações.

Leia Mais