Arquivo da tag: Youtube

Agência cria anúncio “impulável” para vencer Skip Ad

adnews-20281683811406659201e22ec5df1fc18c4d8532638c4c3ff032459e69be

publicado no Adnews

Um dos maiores desafios da propaganda na web é vencer o famoso “Skip Ad”, o botãozinho do Youtube para pular anúncios. Se por um lado, o grande trunfo da internet é justamente dar ao público a liberdade de poder escolher o conteúdo que se quer consumir, quando quiser e da maneira mais conveniente, por outro, esse comportamento gera um enorme obstáculo para marcas e agências, que precisam quebrar a cabeça e utilizar muito bem os primeiro cinco segundos do vídeo (quando o botão para pular o anúncio não está disponível) para conseguir a atenção do público até o fim da mensagem.

Ao olhar a incrível taxa de pessoas que pulam as propagandas assim que o malvado botãozinho aparece, mais de 94% de acordo com as pesquisas americanas mais recentes, a tarefa parece praticamente impossível. A agência Nail Comunications não pensa assim e está disposta a mudar esse número. Na visão dela, é possível utilizar os recursos que a web proporciona de maneira geral (incluindo o big data), além das plataformas (onde entra o Youtube) para criar filmes suficientemente atrativos para que o consumidor não pule os vídeos. Para a empresa de comunicação, os anunciantes e agências precisam pensar em conteúdo exclusivo para a plataforma de vídeos do Google. “

Anúncios do YouTube devem ser projetados para o YouTube. Eles devem usar as ferramentas e os recursos que nos foram dados e interagir com o usuário da plataforma de um modo que não pode ser rivalizado”, diz a Nail.

Para exemplificar, a agência criou o anúncio “impulável”, em que o sujeito aparece ao lado de um cachorro, controlando os cabos de uma bateria presas ao animal. Evidentemente todos querem ver o desfecho do filme e saber se o cãozinho vai se safar da suposta experiência. A ação aproveita para fazer doações para a instituição ASPCA (Sociedade Americana para a Prevenção da Crueldade contra os Animais).

Confira o Filme:

Garoto negro mostra racismo na rede social Vine

Rashid Polo

publicado na INFO

Rashid Polo geralmente usa os sete segundos de vídeo no Vine para trivialidades. Ora reclama de professores, ora comenta como se sente ao ver a ex com outra pessoa, ora encena um suicídio no caso de ter de ouvir Happy, de Pharrel Williams, mais uma vez.

Mas também gosta de flagrar (e comentar) o racismo velado com o qual atendentes de lojas tratam rapazes negros como ele, de acordo com uma postagem do BuzzFeed. Basta entrar em um mercado ou uma loja de conveniência e lá está o funcionário, rondando-o para ver se o rapaz não furta algo.

“Ela está me seguindo pela loja o tempo to… Olha lá! Ela pensa que eu estou roubando!”

“Ela pensa que eu estou roubando! Ela pensa que eu estou roubando! Reparem.”

Geração “só a cabecinha”

Se Caetano Veloso já achava que tinha muita notícia nos anos 1960, o que dizer de hoje?

(foto: Nik Neves/ Editora Globo)

(foto: Nik Neves/ Editora Globo)

Bia Granja, na Galileu

Outro dia vi um estudo que diz que 25% das músicas do Spotify são puladas após 5 segundos. E que metade dos usuários avança a música antes do seu final. Enquanto isso, no YouTube, a média de tempo assistindo a vídeos não passa dos 90 segundos. O mais chocante desses dois dados é que o uso do Spotify e do YouTube, em geral, está focado no lazer, no entretenimento. Ou seja, se a gente não tem paciência para ficar mais de 90 segundos focado em uma atividade que nos dá prazer, o que acontece com o resto das coisas?

Você ficou sabendo da entrada do ator Selton Mello no seriado Game Of Thrones? Saiu em vários grandes portais brasileiros e a galera na internet compartilhou loucamente a notícia. Tudo muito bacana, não fosse a notícia um hoax, um boato inventado por um empresário brasileiro apenas pra zoar e ver até onde a história poderia chegar. Bem, ela foi longe: mais de 500 tuítes com o link, mais de 3 mil compartilhamentos no Facebook, mais de 13 mil curtidas, matéria no UOL, Ego, Bandeirantes, O Dia e vários outros sites.

Quem não tem paciência de ouvir cinco segundos de uma música tem menos paciência ainda pra ler uma notícia inteira. Pesquisas já mostraram que a maioria das pessoas compartilha reportagens sem ler. Viramos a Geração “só a cabecinha”, um amontoado de pessoas que vivem com pressa, ansiosas demais pra se aprofundar nas coisas. Somos a geração que lê o título, comenta sobre ele, compartilha, mas não vai até o fim do texto. Não precisa, ninguém lê!

Nunca achei que a internet alienasse as pessoas ou nos deixasse mais burros, pois sei que a web é o que fazemos dela. Ela é sempre um reflexo do nosso eu, para o bem e para o mal. Mas é verdade que as redes sociais causaram, sim, um efeito esquisito nas pessoas. A timeline corre 24 horas por dia, 7 dias da semana e é veloz. Daí que muita gente acaba reagindo aos conteúdos com a mesma rapidez com que eles chegam. Nas redes sociais, um link dura em média 3 horas. Esse é o tempo entre ser divulgado, espalhar-se e morrer completamente. Se for uma notícia, o ciclo de vida é ainda menor: 5 minutos. CINCO MINUTOS! Não podemos nos dar ao luxo de ficar de fora do assunto do momento, certo? Então é melhor emitir logo qualquer opinião ou dar aquele compartilhar maroto só pra mostrar que estamos por dentro. Não precisa aprofundar, daqui a pouco vem outro assunto mesmo.

Por outro lado… quem lê tanta notícia? Se Caetano Veloso já achava que tinha muita notícia nos anos 1960, o que dizer de hoje? Ao mesmo tempo em que essa atitude é condenável, também é totalmente compreensível. Todo mundo é criador de conteúdo, queremos acompanhar tudo, mas não conseguimos. Resta-nos apenas respirar fundo, tentar manter a calma e absorver a maior quantidade de informação que pudermos sem clicar em nada. Será que conseguimos?

* Bia Granja é co-criadora e curadora do youPIX e da Campus Party Brasil. Seu trabalho busca entender como os jovens brasileiros usam a rede para se expressar e criar movimentos culturais

“No céu, todo mundo trabalha”, diz menino que inspirou “O Céu É de Verdade”

ceu1Publicado por Roberto Sadovski

Colton Burpo atende ao telefone com voz grave. Aos 15 anos, ele não é mais o garotinho que fica na memória após uma sessão de O Céu É de Verdade, drama de inspiração cristã baseado em uma experiência que ele teve aos 4 anos de idade. Em 2003, um apêndice perfurado o levou a uma cirurgia de emergência arriscada. Quando estava na mesa de operação, Colton diz que deixou seu corpo, viu seus pais em outros pontos do hospital e foi levado ao Céu, ao paraíso cristão, por Jesus. Conheceu sua irmã que morreu antes de nascer, conversou com seu bisavô, teve um vislumbre da vida do outro lado… e voltou para contar a história. “O Céu é como a Terra, todo mundo trabalha, todo mundo tem uma função”, explica, ao telefone. “Só que tudo lá é mais bonito.”

A história de Colton, narrada em fragmentos para seus pais, o pastor Todd e sua mulher, Sonja, causou problemas em sua comunidade, a pequena Imperial, no estado de Nebraska. Muitos tomaram por alucinações na mesa de cirurgia. Outros, pela vívida imaginação de uma criança de 4 anos. “Eu mesmo duvidei de minha própria fé”, confessa Todd. “Mas ele contou coisas que ninguém sabia, descreveu pessoas e situações com uma riqueza de detalhes que ele não poderia inventar.” A história se tornou um livro, publicado em 2010. Hollywood não ignorou as vendas e o enorme público-alvo em potencial, e O Céu É de Verdade, com Greg Kinnear no papel de Todd Burpo, materializou-se pelo diretor Randall Wallace (Fomos Heróis). O resultado foi um arraso: o filme faturou 90 milhões de dólares, um sucesso absoluto.

A verdadeira família Burpo, à época da publicação de O Céu É de Verdade

A verdadeira família Burpo, à época da publicação de O Céu É de Verdade

“É bizarro e assustador ver sua história ser interpretada por outras pessoas em um filme”, conta Todd, sempre bem humorado. “O livro é nossa visão do que aconteceu, já o filme conta sua própria história.” Em outras palavras, Hollywood dramatizou um recorte da vida da família Burpo e a experiência de Colton. Apesar de estar descrito em várias obras literárias, inclusive a própria Bíblia, o Paraíso cristão é, para muitos, uma metáfora, uma demonstração poderosa da força do simbolismo religioso. Não para Colton. “Eu ainda lembro de tudo claramente”, conta, tímido. “Sentei no colo de Jesus, conheci meu bisavô. Eu sei o que vi e o que vivi”. E como a descrição de Hollywood se compara com o que ele testemunhou? “Ah, eles fizeram um trabalho bacana.” Todd acrescenta: “A primeira vez que eu vi Connor Corum, que interpreta Colton aos 4 anos, foi como se estivesse vendo meu filho. Eles recriaram alguns dos momentos mais difíceis de minha vida.”

Difíceis. Igualmente fantásticos. Para quem não compartilha a fé dos Burpo, uma fantasia elaborada. Quando eu pergunto como eles acham que alguém que segue o Islamismo ou o Budismo veria o Céu, caso tivesse uma experiência como a de Colton, a resposta é supersônica. “Não sei, não posso nem imaginar”, dispara Colton. “Acho que, ver o que eu vi, é para quem acredita em Jesus e em seu amor.” Religião é, de fato, assunto complexo. Mas Todd se apressa em fugir da pregação. “Muitas pessoas tiveram experiências como a de Colton”, continua. “Muitos adultos, porém, tem medo de relatar o que viveram, justamente pelo temor em serem chamados de malucos.” O pastor conta que, após a publicação do livro, muitos o procuraram, mesmo ser compartilhar sua fé cristã, para dizer que acreditam em Colton.

Colton foi ao Céu, voltou e nem trouxe uma camiseta…

Colton foi ao Céu, voltou e nem trouxe uma camiseta…

Se, como filme, a história pode ser encarada como uma fantasia cristã, do lado de cá a família Burpo enfrentou críticas pesadas. Vários líderes religiosos atacaram a descrição nada bíblica do Paraíso feita por Colton, com Jesus montado em um cavalo colorido como um arco-íris, Maria ajoelhada ante o trono de Deus e uma vida no pós-vida não muito diferente do que temos por aqui. Já personalidades não religiosas apontam que tudo não passou de uma fantasia infantil, já que a mente de um menino de 4 anos ainda seria incapaz de discernir realidade e fantasia.

“Já ouvi todo tipo de agressão, mas também ouvi muitos testemunhos de fé”, conclui Todd. “Não posso dizer a ninguém no que acreditar. Eu mesmo demorei para fazer as pazes com minhas crenças! Mas acredito em meu filho, e acredito no que ele experimentou.” Mais de uma década depois, Colton Burpo segue a vida, um adolescente normal, nenhuma sequela nem de sua operação, nem de sua experiência fora de seu corpo. “Você então está OK, Colton?”, pergunto, no que logo sou interrompido por Todd Burpo, que brinca: “Fisicamente ele está ótimo, mas seus irmãos nunca vão dizer que ele é OK”.


dica do Tércio Ribas Torres

Juiz da semifinal é pastor, ouviu a voz de Deus e evita apelido ‘demoníaco’

O árbitro Marco Antonio Rodríguez foi o mais jovem a apitar na 1ª divisão mexicana, aos 22 anos (foto: Getty Images)

O árbitro Marco Antonio Rodríguez foi o mais jovem a apitar na 1ª divisão mexicana, aos 22 anos (foto: Getty Images)

Publicado no UOL

Marco Antonio Rodríguez, escolhido para apitar a semifinal entre Brasil x Alemanha, é classificado como “o único juiz cristão da Copa” pelos veículos mexicanos especializados em notícias do mundo gospel. Quando pendura o apito, o árbitro verga uma cópia da Bíblia e trabalha como pastor evangélico em uma igreja da cidade de Milpa Alta, na região metropolitana da Cidade do México.

Aos 40 anos, em sua terceira Copa, ele não quer ser chamado pelo apelido que virou uma espécie de sobrenome desde que se tornou famoso, “Chiquidrácula” (Minidrácula), graças a uma suposta semelhança com um personagem de uma antiga e popular comédia mexicana.

Rodríguez diz que seu trabalho pastoral e suas atividades ligadas a crianças carentes não combinam com a ligação com um personagem demoníaco, como o senhor dos vampiros.

Sua vida de pregador às vezes se mistura com à de árbitro, como no dia em que foi acusado pelo técnico Carlos Reinoso, do América, de o ter expulsado de campo apenas porque o treinador acusou o juiz de não ser cristão como ele, Reinoso, era.

Em uma gravação de quase 20 minutos disponível no Youtube, é possível ouvir Rodríguez dando um emocionante “testemunho” sobre sua vida religiosa. “Estou muito feliz de estar aqui hoje”, começa o juiz. “Poderíamos falar sobre por que não dei um pênalti para o Toluca ou por que expulsei Cuauhtémoc Blanco, mas hoje quero contar a vocês como Deus mudou a minha vida.”

Depois de viver a adolescência e os primeiros anos da vida adulta de maneira “depravada” e “obscura”, o juiz sentiu a mão de Deus em sua vida ao superar uma alegada infertilidade e fecundar sua mulher, que deu à luz sua primogênita Abigail.

Anos depois, o casal foi abençoado novamente com a gravidez de Shalom, mas o feto esteve perto de morrer por causa de uma complicação no útero da mãe.

O médico queria fazer uma cirurgia que poderia salvar a grávida, mas causar a morte de Shalom. O pai se lembra de ficar repetindo à mãe e aos médicos: “Deus vai nos mostrar algo, Deus vai nos mostrar algo”. Decidiu com a mulher não operar. Foram embora do consultório prometendo ao médico que, aos nove meses, ele faria o parto de Shalom. “O médico disse que eu estava louco, mas eu acreditava no Senhor”, lembra o juiz.

Shalom nasceu sem sustos cinco meses depois. “A minha relação com Deus é pessoal”, afirmou o juiz em uma entrevista anos depois.

Em 2003, Rodríguez ouviu pela primeira vez a voz d’Ele. Estava do outro lado do mundo, no Catar, apitando um campeonato local, quando Deus o acordou no meio da noite. “Ouvi claríssimo, pela primeira vez: ‘Para agora! Porque vai acontecer uma tragédia em sua família’.”

Sem entender a razão, o juiz começou a chorar e rezou por uma hora, pedindo a Deus que poupasse sua família do que quer que fosse. Até que sentiu “uma paz” e foi dormir. No dia seguinte, sua mulher telefonou informando que a irmã de Rodriguez, Marissol, esteve muito perto de morrer.

O juiz tem certeza que suas orações foram fundamentais para que a tragédia não se consumasse. “A partir daí, comecei a sentir um desejo ardente de me tornar íntimo de Jesus Cristo.”

Rei dos cartões

Dentro das quatro linhas, Rodríguez é descrito como um juiz rigoroso e às vezes exagerado. Talvez ele seja o único árbitro da história do futebol a ter mostrado dois cartões amarelos ao mesmo tempo, um em cada mão, para dois jogadores diferentes.

Aconteceu na final do Campeonato Mexicano de 2011, e um dos advertidos não evitou um risinho diante dos dois braços estendidos do juiz. Rodríguez pegou cinco jogos de suspensão pelo exotismo do método, classificado por seus detratores como um “show de arrogância e exibicionismo”.

Ele também entrou na história da Libertadores ao expulsar aos 25 segundos de jogo um atleta do Atlético Nacional, da Colômbia. Foi o cartão vermelho mais precoce da história da competição – e um dos mais exagerados também.

Apesar do excesso de rigor, Rodríguez já pode se considerar um dos árbitros mais bem sucedidos do México, já que vai comandar sua sétima partida de Copa do Mundo. Foram quatro jogos em 2006 e 2010, além de Bélgica x Argélia e Uruguai x Itália, no Brasil.

Neste último confronto, ele não viu a famosa mordida de Suárez em Chiellini, um dos fatos mais memoráveis desta Copa. Também expulsou o italiano Claudio Marchisio, cartão vermelho a que o time europeu credita boa parte de sua eliminação precoce.

Mas além de cartões e Cristo, o juiz tem outra fixação: o aprumo de seu cabelo, que raramente é visto em outra posição senão a de extremamente colado ao crânio (esse penteado, aliás, é o principal responsável por todos acreditarem que ele é um sósia do conde Drácula).

Foi na sua Copa de estreia, na Alemanha, que o árbitro percebeu que poderia ganhar dinheiro também no ramo da estética capilar. Ele apitava Costa do Marfim x Sérvia debaixo de muita chuva. O penteado impecável começou a desmontar. O juiz lamentou o fato de não haver no mercado um gel fixador tão potente que pudesse resistir a uma chuva daquelas.

Quatro anos depois, sua empresa, a “Producciones Chiquimarco”, lançava o “Chiquigel”, em duas versões: amarela (firme) e vermelha (extrafirme). “Não é como os outros géis que você passa e fica aquela coisa branca como se você tivesse caspa. Como o “chiquigel” não há outro no México ou no mundo”, garante o juiz-empreendedor.

Dizem que a atuação de um juiz é tão boa quanto menos ele aparecer em campo. No caso do Chiquidrácula, passar despercebido é um desafio muito maior.