2014, a Copa que o Brasil já perdeu

Marin, Ronaldo e Valcke: trio está na cabeça da 'operação Copa do Mundo'
Marin, Ronaldo e Valcke: trio está na cabeça da ‘operação Copa do Mundo’

Thiago Arantes, no ESPN

O Brasil será o grande derrotado na Copa do Mundo de 2014. Esqueçam esquemas táticos, análises técnicas, convocações, gols ou arbitragem. A derrota não virá numa zebra nas oitavas de final contra a Bélgica, num duelo épico de quartas contra a Itália, numa semifinal angustiante contra a Espanha ou num Maracanazzo reloaded contra a Argentina.

O Brasil perdeu, leiam bem. O que vai acontecer com a seleção brasileira é outra história. Uma história que muda pouco o que realmente importa. O Brasil perdeu a Copa de 2014.

Um evento como a Copa é a chance de um país mudar, se redescobrir, sanar problemas e construir soluções, mesmo que seja sob a fajutíssima desculpa de “o que o mundo vai pensar da gente se não estiver tudo dando certo?”. Que seja, dane-se a pequenez da desculpa, desde que sejam construídas estradas, linhas de metrô, corredores de ônibus, elevadores, hotéis, e, vá lá, até um ou outro estádio.

A Copa do Mundo é, para os tempos de hoje, o que foram as tais

O resultado do time de Felipão pouco importa: o Brasil já perdeu
O resultado do time de Felipão pouco importa: o Brasil já perdeu

“Exposições Mundiais” no século 19. Era preciso se arrumar para receber visitas em casa.

Mas o Brasil hoje corre para retocar a maquiagem, empurra a vassouradas a sujeira para debaixo do tapete, tranca os cachorros pulguentos na despensa e manda a criançada dormir mais cedo, porque sabe como é criança quando chega visita, desanda a falar cada coisa…

Faltam pouco menos de dois meses para a Copa das Confederações, e o estádio da final não está pronto. Aquele estádio na Zona Norte do Rio, que foi erguido no lugar do Maracanã ao preço mirabolante de 1 bilhão de reais; e que terá de ser reformado para a Olimpíada.

(Aqui, um parêntese: todas as reportagens sobre estádios da Copa têm a obrigação de falar quanto custou e quem financiou a obra; isso é utilidade pública, antes de mais nada).

Faltam menos de dois meses para a Copa das Confederações e nenhum aeroporto teve reformas significativas concluídas. Pouco mais de um ano para a Copa do Mundo e os taxistas que falam inglês continuam a ser uma raridade, as placas de trânsito seguem indecifráveis para estrangeiros, os hotéis e vias públicas não vão dar conta do recado, obras de mobilidade urbana de Manaus, Brasília e São Paulo não ficarão prontas – umas foram canceladas, outras postergadas, todas custaram irreversíveis milhões e não é difícil adivinhar quem pagou a conta.

O 'novo Maracanã': para 2016, mais reformas
O ‘novo Maracanã': para 2016, mais reformas

A um ano e dois meses do começo da Copa, o presidente do Comitê Organizador Local está cercado por denúncias, e não é para menos. José Maria Marin, o homem que gere a operação Copa do Mundo no Brasil, passou seus mandatos de deputado bajulando delegados ligados às torturas da ditadura, superfaturou a sede da CBF, negociou apoio na aprovação de contas da confederação dando cheques a seus eleitores.

Enquanto isso, o secretário-geral da Fifa, Jerome Valcke, diz que a organização da Copa do Mundo no Brasil seria mais fácil se o país fosse menos democrático e tivesse menos esferas de governo, legal é a Rússia, que tem um poder centralizado e menos palpiteiros.

A organização da Copa do Mundo seria mais fácil, monsieur Valcke, se ela estivesse nas mãos de gente diferente.

De gente que não estivesse interessada apenas em sugar dinheiro do país com o benefício de isenção de impostos. A organização da Copa do Mundo seria mais fácil se ela fosse feita para, de fato, deixar o país com algumas pequenas vitórias em áreas que vão muito além do campo de jogo.

O Brasil de Felipão, de Neymar, de Ronaldinho ou Kaká, o Brasil pentacampeão, seja com volantes classudos ou brucutus, pode ganhar ou perder a Copa de 2014.

O Brasil de 200 milhões de pessoas, aquele que acordará no dia 14 de julho de 2014 para trabalhar, este sairá da Copa derrotado. Qualquer que seja o resultado da final.

Leia Mais

Fotógrafo cria cenas surreais de animais silvestres em mercados

Agan Harahap fotografou animais em três zoológicos de Cingapura. Imagens foram mescladas com fotografias de supermercados.

Guilherme Tosetto, no G1

Imagens inusitadas de animais silvestres dentro de mercados, próximos a gôndolas de frutas e bancas de carne e peixe fazem parte do último trabalho do fotógrafo indonésio Agan Harahap. As cenas surreais da série intitulada ‘Garden Fresh’ chamam atenção por os animais estarem deslocados de sua realidade.

Zebra em foto da séria 'Garden Fresh'. (Foto: Agan Harahap)
Zebra em foto da série ‘Garden Fresh’ (Foto: Agan Harahap/Divulgação)

As imagens dos animais foram feitas em três visitas a zoológicos de Cingapura, onde o fotógrafo fez sua residência artística em 2012, conta em entrevista por email ao G1. Usando programa de edição Agan juntou as fotos dos animais com imagens de arquivo feitas em supermercados.

A ideia surgiu durante uma residência artística em Cingapura, “eu não sabia o que fazer e andava pela cidade procurando alguma inspiração. Fui em um zoológico e observando os animais presos tentando se adaptar em seu novo habitat, tive a ideia para desenvolver a série.”

Foto da série 'Garden Fresh' (Foto:  Agan Harahap/Divulgação)
Foto da série ‘Garden Fresh’ (Foto: Agan Harahap/Divulgação)

Baseado neste contexto Agan criou a série ‘Garden Fresh’, cujo título foi copiado de uma seção de vegetais em um mercado. “Estas fotos não se referem apenas aos animais, mas também quando somos colocados em uma nova realidade.”

Foto da série 'Garden Fresh' (Foto:  Agan Harahap/Divulgação)
Foto da série ‘Garden Fresh’ (Foto: Agan Harahap/Divulgação)
Pelicano na séria 'Garden Fresh' (Foto: Agan Harahap/Divulgação)
Pelicano na séria ‘Garden Fresh’ (Foto: Agan Harahap/Divulgação)

Leia Mais

Mais uma vez crianças nos dando lições valiosas

publicado no Razões para Acreditar

“Ontem minha mãe postou uma foto no Facebook do meu irmão Sam, de 5 anos, usando um par de sapatos que ele escolheu para usar no seu primeiro dia de aula na escola.

Ela tentou explicar para ele na loja que os sapatos foram feitos para garotas. Sam respondeu que não se importava e que “ninjas podem usar sapatos rosa também”.

Sam foi para a escola e recebeu diversos elogios sobre os seus sapatos novos. Nenhuma criança disse algo de negativo sobre eles.No entanto, minha mãe recebeu cerca de 20 comentários sobre a foto de vários membros da família dizendo o quão “errado” é isso e como “coisas como essa irão afetá-lo socialmente”. Minha tia-avó foi ainda mais eloquente dizendo que “essa merda vai transformá-lo em um gay.”Minha mãe apagou a foto da internet e disse ao Sam que ele pode vestir o que ele quiser para ir à escola, que essa é uma decisão só dele. Se ele quiser usar sapatos cor de rosa, ele pode usar sapatos cor de rosa.Sam, então, explicou-lhe que ele não gostava dos sapatos por eles serem cor de rosa, mas porque eles foram “feitos de zebras” e zebra é o seu animal favorito.

O que dizer de uma sociedade quando um grupo de adultos deveria ter aulas sobre humanidade com uma turma de crianças?”

Leia Mais

Lista traz fotos com momento exato em que predadores capturam presas

Publicado originalmente no G1

No mês passado, o fotógrafo amador indonésio Shikei Go flagrou o momento exato em que um camaleão capturou um inseto com sua língua, que pode chegar a ter duas vezes o comprimento de seu corpo. Abaixo, o G1 reúne flagras de predadores caçando.

O fotógrafo ficou à espera do momento exato da captura do inseto. (Foto: Caters)
O fotógrafo ficou à espera do momento exato da captura do inseto. (Foto: Caters)

Em setembro, o fotógrafo Matt Prophet registrou o exato momento em que um leopardo saltou e conseguiu capturar seu jantar após um bando de aves voar próximo ao chão. (Foto: Caters)
Em setembro, o fotógrafo Matt Prophet registrou o exato momento em que um leopardo saltou e conseguiu capturar seu jantar após um bando de aves voar próximo ao chão. A cena ocorreu em um parque na fronteira entre Botsuana e África do Sul. (Foto: Caters)

Flagra feito pelo fotógrafo Steve Bloom mostra um grande tubarão branco caçando uma foca na África do Sul. A imagem divulgada pela agência 'Barcroft Media' em julho de 2011 mostra o predador saltando fora d'água para alcançar a presa. (Foto: Steve Bloom/Barcroft Media/Getty Images)
Flagra feito pelo fotógrafo Steve Bloom mostra um grande tubarão branco caçando uma foca na África do Sul. A imagem divulgada pela agência ‘Barcroft Media’ em julho de 2011 mostra o predador saltando fora d’água para alcançar a presa. (Foto: Steve Bloom/Barcroft Media/Getty Images)

Em 2011, o fotógrafo Nicolas Reusens conseguiu registrar o exato momento em que uma cobra abocanhou uma perereca no Parque Nacional de Bako em Sarawak, em Bornéu. Segundo Reusens, o réptil levou cerca de 15 minutos para devorar sua refeição. (Foto: Nicolas Reusens/Barcroft Media/Getty Images)
Em 2011, o fotógrafo Nicolas Reusens conseguiu registrar o exato momento em que uma cobra abocanhou uma perereca no Parque Nacional de Bako em Sarawak, em Bornéu. Segundo Reusens, o réptil levou cerca de 15 minutos para devorar sua refeição. (Foto: Nicolas Reusens/Barcroft Media/Getty Images)

O fotógrafo Julian Stratenschulte flagrou em fevereiro deste ano o exato momento em que um urso polar devorava um peixe no jardim zoológico de Hanover, na Alemanha. (Foto: Julian Stratenschulte/AFP)
O fotógrafo Julian Stratenschulte flagrou em fevereiro deste ano o exato momento em que um urso polar devorava um peixe no jardim zoológico de Hanover, na Alemanha. (Foto: Julian Stratenschulte/AFP)

A fotógrafa Gabriela Staebler flagrou o momento em que uma zebra adulta foi atacada por um crocodilo faminto no Rio Mara, no Quênia. (Foto: Gabriela Staebler/Caters)
A fotógrafa Gabriela Staebler flagrou o momento em que uma zebra adulta foi atacada por um crocodilo faminto no Rio Mara, no Quênia. (Foto: Gabriela Staebler/Caters)

Em outubro, o fotógrafo Patrick Pleul flagrou o exato momento em que uma águia capturou uma enguia no lago Breiter Luzin em uma reserva natural perto Feldberg, na Alemanha. (Foto: Patrick Pleul/AFP)
Em outubro, o fotógrafo Patrick Pleul flagrou o exato momento em que uma águia capturou uma enguia no lago Breiter Luzin em uma reserva natural perto Feldberg, na Alemanha. (Foto: Patrick Pleul/AFP)

Leia Mais