Facebook, ame-o ou deixe-o

facebook-ame-ou-deixe

 

Por Sérgio Dávila, na Folha de S. Paulo

Na sexta-feira, o Facebook censurou um texto noticioso da Folha publicado na página que o jornal mantém na rede social e na qual tem 1,76 milhão de simpatizantes.

Falava da manifestação de um grupo pró-passe livre em Porto Alegre e mostrava foto de protesto em que pessoas apareciam nuas. Procurada pelo jornal, a empresa não quis explicar a censura.

O Facebook é, hoje, o terceiro “país” do mundo em “população”, com 1,1 bilhão de usuários, 73 milhões deles no Brasil. Pois este “país” é uma ditadura, que pratica censura prévia e póstuma. Sem explicações.

Espiona também seus “cidadãos”, como mostrou o austríaco Max Schrems, em entrevista à Folha. Ele venceu uma ação contra a empresa, que teve de exibir tudo o que tinha arquivado dele: um dossiê de 1.222 páginas, algumas com e-mails que ele pensava ter deletado para sempre.

E divide o que sabe de seus “cidadãos” com “governos amigos”, como fez com o serviço de espionagem dos EUA pelo programa Prism, segundo revelou o britânico “Guardian”.

Não sou um ativista anti-Facebook. Sou “cidadão” desde 2005, quando estudava em Stanford e a rede mal tinha evoluído de sua origem –ajudar nerds a classificar rostos (daí o “face” do nome) como bonitos ou feios.

Mas tenho discutido aqui se devemos nos entregar a essa “rede social” sem questionar suas práticas e sua ética. Como numa seita, muitos não querem nem ouvir falar disso.

Um apresentador de TV que respeito insinuou que o “mimimi” da “grande mídia” com o Facebook era inveja. Uma amiga e ex-editora da Folha disse que, com tantas objeções, o jornal não deveria estar ali.

“O espírito do Facebook é ame-o ou deixe-o?”, provoquei, citando um dos slogans da ditadura militar (1964-1985). Ela respondeu que, “se há tantas restrições sobre a postura empresarial das redes, me parece, sim, um ame-o ou deixe-o”.

Não amo, nem deixo. E continuarei a questionar.

Comentários

Este QR-Code permite acessar o artigo pelo celular. QR Code for Facebook, ame-o ou deixe-o

4 Comentários

  1. maria jose honorio campos disse:

    obrigado meu deus por mais um dia!

  2. Muito legal mesmo! Parabéns pelo artigo, era isso que eu tava procurando no google até chegar aqui hehe
    obrigadaa
    beijos

  3. Joana Severo disse:

    Estou deixando ele, na moral…

Deixe o seu comentário