Bancada evangélica quer indicar ministro do STF e PGR

Guilherme Schelb, na foto com o pastor Silas Malafaia, é o nome preferido da bancada evangélica para ocupar o cargo de procurador-geral da República. Foto: Reprodução

 

Publicado na Época

De olhos fechados e ar concentrado, cerca de 40 deputados lotavam o Plenário 6 da Ala das Comissões da Câmara dos Deputados, em Brasília, no último dia 13. Era o segundo culto do ano, organizado pelos 91 parlamentares evangélicos. Os cantos e a música no violão, em volume alto, eram entremeados pelos glórias a Deus e améns do coro. O assunto principal das pregações dos deputados, quase todos eles pastores, era uma votação que começaria à tarde no Supremo Tribunal Federal e decidiria sobre a criminalização da homofobia, tema a que os parlamentares evangélicos são quase unanimemente contrários — à exceção dos de esquerda. “Pai querido, que este julgamento de hoje, ó Senhor, não nos surpreenda negativamente. Que tudo aconteça nos termos da Constituição de nosso país, ó Pai”, pediu João Campos (PRB-GO), presidente da Frente Evangélica no passado e um dos principais defensores da mais recente reivindicação da bancada da Bíblia: o direito de indicar um ministro do STF e o procurador-geral da República.

Os evangélicos não consideram o pedido um devaneio: eles correspondem a quase um quinto da Câmara — com 85 deputados —, onde são bem mais fortes do que no Senado, em que têm apenas seis senadores. Com integrantes de quase todos os partidos, a Frente Evangélica é um grupo heterogêneo também na origem de suas fés, com parlamentares de 20 denominações diferentes. A maioria é da Assembleia de Deus (26 deputados), Universal do Reino de Deus (17) e Batista (10).

Quase todos defendem a laicidade do Estado, mas não uma laicidade francesa, de separação implacável entre Estado e religião, e sim uma laicidade à brasileira. Gostam de frisar que os constituintes de 1988 colocaram Deus no preâmbulo da Constituição e que “não dá para um povo tão religioso como o brasileiro não ter um pouco de religião no Estado”. Com poder crescente nas últimas décadas, consideram agora ter eleito o presidente mais afinado com seus valores e visões de mundo.

A relação de Jair Bolsonaro com o segmento é umbilical. Muitos acreditavam, durante a eleição, que o capitão era evangélico, tamanho foi o empenho de Bolsonaro de fazer circular, há alguns anos, as imagens de seu batismo em Israel pelas mãos do Pastor Everaldo. Quando Bolsonaro afirmou ser católico, causou surpresa, mas não incômodo. Só ficaram irritados durante a transição de governo, ao saber que o ministro da Educação poderia ser o educador Mozart Neves, do Instituto Ayrton Senna, que consideravam demasiadamente progressista. Gostaram quando ouviram o nome do conservador Ricardo Vélez Rodríguez. Mas, de lá para cá, têm se sentido distantes do Planalto.

Parlamentares evangélicos participam de culto na Câmara dos Deputados, quando rezaram para que o STF não criminalizasse a homofobia. Foto: Eduardo Barreto

“Ah, se a gente tivesse mais Damares! No Planalto, seria ainda melhor”, elogiou Dr. Jaziel, do PR, fiel da Assembleia de Deus do Ceará, feliz de ter interlocução direta com a ministra Damares Alves, via WhatsApp. “A Damares é a ministra do Bolsonaro mais alinhada com a gente. Dá atenção, responde. Embora o Onyx (Lorenzoni) diga que faz esse trabalho, ele não chega perto da gente. Não temos acesso, não somos acolhidos no governo”, disse, em tom de recado. Apesar da proximidade, a bancada evangélica gosta de dizer que não indicou Damares Alves. Batem no peito para dizer que não nomearam ninguém até agora. Reservadamente, muitos admitem que estão guardando cartuchos para usar em indicações que consideram ser estrategicamente mais importantes para eles. A começar pelo STF, onde se acham pouco ouvidos.

Demitido pelas urnas em 2018, Magno Malta era o parlamentar evangélico mais próximo do Supremo — ou ao menos de alguns dos ministros. Um de seus últimos compromissos como senador foi em dezembro, dias antes de começar o recesso. Às 8 horas da manhã, Malta telefonou para um assessor e pediu que ele o acompanhasse ao STF: Dias Toffoli havia topado recebê-los. Quando Malta entrou, Toffoli estava suado e com roupas de academia. “Só recebo porque é você, e não vai ter foto”, disse Toffoli a Malta, em tom de brincadeira. A conversa foi rápida, com os três de pé, perto da porta do gabinete. Malta queria dar um abraço antes do fim de seu mandato. Mas também tinha um pedido a Toffoli: “O senhor está aqui há dez anos e ainda tem mais de 20 anos de STF. Eu fui o que mais o defendeu em sua sabatina no Senado. Quero que o senhor não paute a questão do aborto no STF”. Toffoli ficou em silêncio.

Os parlamentares evangélicos até hoje não engoliram a permissão para o aborto de anencéfalos, em 2013, e a autorização da união homoafetiva, em 2011. “Infelizmente, há precedentes do STF de invadir competências do Legislativo e legislar em nosso lugar”, disse João Campos no culto, em tom grave.

O nome mais forte é o do também evangélico Guilherme Schelb, procurador regional em Brasília e hoje o integrante do MPF com mais interlocução com o segmento. “Ele conversa, interage conosco plenamente. É pessoa de fácil acesso. É excelente no trato. O diálogo é permanente”, derramou-se Lincoln Portela (PRB-MG), atual presidente do grupo. Pudera. Schelb seria a certeza de que nenhuma mudança na legislação sobre aborto, drogas, homofobia, entre outros temas caros aos evangélicos, seria encampada pelo MP.

O segmento sabe que mudanças na legislação sobre esses pontos têm mais chance de ocorrer pelas mãos do STF. No Congresso, dificilmente esses temas iriam à votação e jamais seriam aprovados. Lá, a articulação vai no sentido contrário. Só neste ano já foram apresentados sete projetos de endurecimento penal contra o aborto — todos de autoria de deputados homens. Também brotam as propostas com apelo simbólico, como a transformação da Bíblia em patrimônio imaterial do Brasil. O autor traz em seu nome político o apelo do militarismo e da religião: Pastor Sargento Isidoro, ex-gay, o deputado federal mais votado na Bahia nas últimas eleições. Sempre carregando um exemplar da Bíblia, Isidoro não está preocupado com a indicação para o STF ou para a PGR. Seu empenho agora é em conquistar apoio para um de seus últimos projetos: a criação do Dia do Orgulho Heterossexual, que visaria, nas palavras dele, à preservação do “encaixe perfeito do pênis e da vagina” para “a procriação da raça humana”.

Com Eduardo Barretto

Comentários

Este QR-Code permite acessar o artigo pelo celular. QR Code for Bancada evangélica quer indicar ministro do STF e PGR

Deixe o seu comentário