‘O Sexto Sentido’: 9 curiosidades sobre o filme que acaba de completar 20 anos

Publicado no Huffpost

Em 6 de agosto de 1999*, o mundo foi pego de surpresa com O Sexto Sentido, um filme que apareceu sem muito alarde e se transformou no segundo mais visto naquele ano, atrás apenas de Star Wars: Episódio 1 – A Ameaça Fantasma, que trazia consigo toda uma expectativa de milhões de fãs que ansiavam pelo retorno ao universo de Guerra nas Estrelas após 16 longos anos desde O Retorno de Jedi (1983).

O tempo mostrou que A Ameaça Fantasma alcançou aquela marca de bilheteria totalmente apoiada no hype, já que o filme é considerado por muitos o pior de toda a saga. Já O Sexto Sentido conquistou seu espaço no mais puro boca a boca.

A produção era apenas o terceiro longa de um diretor ainda desconhecido. Um cara que nasceu na Índia, mas que foi criado nos Estados Unidos e tinha um nome difícil de pronunciar: M. Night Shyamalan.

Da noite para o dia, o então jovem Shyamalan — que não tinha nem 30 anos — passou a ser chamado de o “novo Hitchcock”. Não só por suas pequenas aparições em seus próprios filmes (algo que Hitchcock tinha como marca registrada), mas também por sua predileção pelo suspense.

A trama gira em torno do psicólogo infantil Malcolm Crowe (Bruce Willis), que pega o caso de um assustado garoto de 8 anos, Cole Sear (Haley Joel Osment), que afirmava “ver pessoas mortas”.

A história caiu nas graças até da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas, que indicou o filme a 6 estatuetas do Oscar, incluindo as de Melhor Filme, Melhor Diretor e Ator Coadjuvante, para a revelação Haley Joel Osment, que tinha apenas 11 anos de idade.

Para celebrar os 20 anos de O Sexto Sentido, reunimos nove fatos curiosos sobre o filme:

*Nos cinemas brasileiros, O Sexto Sentido estreou no dia 22 de outubro de 1999. O filme faz parte do catálogo atual da Netflix.

Um dia especial para M. Night Shyamalan

O Sexto Sentido foi um marco na carreira de M. Night Shyamalan. E a data de seu lançamento é muito especial para o diretor. Seus dois longas anteriores, Praying with Anger (1992) e Olhos Abertos (1998) arrecadaram, juntos, US$ 350 mil. Já O Sexto Sentido, que estreou quando ele completou 29 anos, arrecadou, apenas naquela dia, US$ 8 milhões.

O papel de Cole Sear poderia ter sido interpretado por Michael Cera ou Liam Aiken

Michael Cera, ator que ficou conhecido por seus papeis na série Arrested Development e nos filmes Superbad – É Hoje (2007), Juno (2007) e Scott Pilgrim Contra o Mundo (2010) disse em uma entrevista à Esquire, 10 anos depois da estreia de O Sexto Sentido, que fez o teste para o papel de Cole Sear, mas que falhou miseravelmente.

Segundo Cera, ele não sabia do que o filme se tratava exatamente, e quando viu Osmond atuando na cena de seu teste, percebeu que tinha feito a tal cena de um jeito “alegre” que não combinava em nada com o tom do filme.

Outro ator que podia ter conseguido o papel foi Liam Aiken, de Estrada para Perdição (2002) e Desventuras em Série (2004), mas sua mãe achava que ele era muito jovem para um papel em um filme com um assunto tão pesado como a morte.

Marisa Tomei quase conseguiu o papel de Lynn Sear, e Toni Collette não ficou muito empolgada

Atual Tia May de Homem-Aranha: De Volta ao Lar (2017) e Homem-Aranha: Longe de Casa (2019), Marisa Tomei até que tentou, mas não conseguiu o papel de Lynn Sear, mãe do garoto Cole. Ela perdeu a disputa para a australiana Toni Collette, que nem ficou lá muito empolgada com o papel, pois estava mais interessada em ser escalada para Vivendo no Limite, de Martin Scorsese, que acabou não agradando à crítica e foi um fracasso de bilheteria. Collette também foi indicada ao Oscar — Melhor Atriz Coadjuvante por sua atuação em O Sexto Sentido.

O executivo da Disney que foi demitido por apostar no sucesso de O Sexto Sentido

Alto executivo no escalão do Walt Disney Studios, David Vogel gostou tanto do script de O Sexto Sentido que nem consultou seus superiores para comprar os direitos do roteiro por US$ 2,25 milhões e contratar o ainda novato M. Night Shyamalan para dirigir uma produção que custou US$ 40 milhões para a empresa. A Disney não gostou nada da atitude e demitiu Vogel, mas a aposta dele se mostrou acertada, já que o filme rendeu mais de US$ 670 milhões globalmente.

Cena logo no começo do filme entrega a surpresa do final, mas ninguém percebeu

Na cena em que Cole diz: “Eu vejo gente morta” para Malcolm, a câmera vai se aproximando cada vez mais do rosto do personagem interpretado por Bruce Willis, entregando a verdadeira situação do psicólogo. Shyamalan chegou até a achar que estava dando uma dica muito explícita, mas ninguém nas exibições de teste percebeu e a cena foi mantida. Sinceramente, você percebeu quando viu o filme pela primeira vez?

Shyamalan quase cortou totalmente sua participação

Após O Sexto Sentido, as participações de M. Night Shyamalan em pequenos papéis em seus filmes viraram uma tradição para o diretor. Porém, seu papel como o Dr. Hill foi quase totalmente cortado da produção. Ele detestou sua atuação e manteve muito pouco do que havia filmado. E só porque a participação era uma homenagem a seus pais, que são médicos.

Toda estrela mirim tem um pai que é uma fera

Também ator, o pai de Haley Joel Osment, Eugene Michael Osment, aproveitou a fama do filho para conseguir espaço no cinema. Tanto que depois do sucesso de Haley em O Sexto Sentido, ele conseguiu papéis em produções como A.I. – Inteligência Artificial (2001) e Minority Report – A Nova Lei (2002). Para o papel de Cole, Eugene fez seu filho ler o roteiro todo três vezes. O pequeno Haley estava tão preparado para o teste que Shyamalan ficou impressionado com a atuação do menino.

Já nas filmagens, Eugene mostrou mais uma vez que faria de tudo para o sucesso do filho. Quando Haley não conseguiu chorar em uma cena, Eugene pediu a Bruce Willis que gritasse com Haley sem que o garoto soubesse previamente disso. A estratégia (nada sensível) deu certo.

Bruce Willis participou de O Sexto Sentido para pagar uma dívida com a Disney

Alguns anos antes da estreia de O Sexto Sentido, Bruce Willis viu um projeto seu na Disney se transformar em um verdadeiro pesadelo. O filme Broadway Brawler acabou não saindo do papel depois que Willis demitiu o diretor e boa parte da equipe da produção, o que gerou um prejuízo de US$ 17,5 milhões para o estúdio. Para compensar o rombo, Willis aceitou estrelar três filmes para a Disney, e um deles foi O Sexto Sentido. Os outros dois foram Armageddon (1998) e Duas Vidas (2000).

A lenda da série teen da Nickelodeon que serviu de inspiração para O Sexto Sentido

Reza uma lenda que Shyamalan se inspirou em um episódio de uma série teen canadense que passava no canal Nickelodeon para escrever o roteiro de O Sexto Sentido. A série em questão se chamava Are You Afraid of the Dark? e o episódio, The Tale of the Dream Girl, que foi ao ar em 1994.

Na trama, um jovem é assombrado por uma garota morta. Ele busca a ajuda de sua irmã, mas no final, percebe que ela é a única pessoa que pode vê-lo além da tal menina morta. É aí que ele se dá conta que está morto, e que a garota era sua namorada que morreu junto com ele em um acidente de carro.

Mesmo com tantas coincidências, essa história de que o episódio – que você pode ver acima, em inglês – era uma fonte de inspiração para O Sexto Sentido foi desmentida por Shyamalan em uma entrevista para o Screen Crush na época do lançamento de Fragmentado (2016), em que ele afirmou nunca ter ouvido falar na série.

Comentários

Este QR-Code permite acessar o artigo pelo celular. QR Code for ‘O Sexto Sentido’: 9 curiosidades sobre o filme que acaba de completar 20 anos

Deixe o seu comentário