Conteúdo marcado como antonio prata

Era uma vez uma cidade

Era uma vez uma cidade
Antonio Prata, na Folha de S.Paulo Era uma vez uma cidade que se considerava “a locomotiva do Brasil”, mas cuja tara rodoviária era, ironicamente, uma das responsáveis por quase não haver locomotivas no Brasil. O lema escrito no escudo da cidade, em latim, era “Não sou conduzido, conduzo”, mas bastaria a ela olhar em volta para suspeitar que não fosse especialmente boa na condução. Em cima da frase em latim, […]

Dar cabo

Dar cabo
Antonio Prata, na Folha de S.Paulo Aos oito anos de idade, descobri que o ser humano não prestava. Estava no banco de trás do carro, descendo a 23 de Maio, li “Abaixo a ditadura!” num muro e perguntei pro meu pai o que significava aquilo. Meu pai, cuja particularíssima pedagogia baseava-se no princípio de que as crianças deviam ser tratadas como os adultos, sem filtros, me deu uma resposta bem […]

Caro Fernando Haddad

Caro Fernando Haddad
Antonio Prata, na Folha de S.Paulo Quem te escreve aqui é Espírito Paulistano. O senhor não me conhece, como deixa claro a sua rejeição por 47% dos motoristas, quero dizer, dos cidadãos de nossa pujante metrópole. Não votei no senhor, mas tampouco me apavorei com a sua vitória. Apesar de vir do PT, o senhor aparenta ser de boa família, tem essa pinta de pai em propaganda do Itaú Personnalité, […]

Fogo na capela

Fogo na capela
Antonio Prata, na Folha de S.Paulo Por uns dias, acreditamos que seria possível vencer sem Neymar, sem Thiago Silva, sem meio de campo, sem time: só no grito, no peito, na raça, no hino, mas a seleção a capela não pegou na banguela e morremos na praia -ainda que em Minas, tão perto do ouro, tão longe do mar. Um poeta português que muito cantou o mar já disse que […]

Vai ter toldo

Vai ter toldo
Antonio Prata, na Folha de S.Paulo Cada vez que leio sobre os gastos com a Copa, lembro do meu casamento e das intermináveis discussões a respeito do toldo. Quem já trocou alianças numa casa ou num local aberto sabe do que estou falando. Chega uma hora na organização de todo casório em que alguém –uma sogra, um cunhado, um conhecido da prima da vizinha– levanta a questão: “não vai botar […]