Conteúdo marcado como gls

Expulso por ser gay, pastor cria igreja voltada a homossexuais no RS

Pastor Zambom fará o primeiro culto da nova igreja neste sábado (24) (Foto: Mauro Vieira/Agência RBS) Felipe Truda, no G1 A partir das 19h do próximo sábado (24), o Rio Grande do Sul terá a primeira igreja voltada ao público gay. Homossexual assumido, o pastor Anderson Zambom conta os dias para a inauguração da Igreja Cidade de Refúgio de Porto Alegre, vinculada a uma comunidade nacional que tem como objetivo […]

Governo da Bahia empossa primeiro transexual na história

“Nomeação é um orgulho que representa o reconhecimento da militância da causa gay”, diz Paulett Lucas Esteves, no Terra Pela primeira vez na história do Governo da Bahia, um transexual será nomeado para um cargo público. Nascida como Paulo César dos Santos há 25 anos, Paulett Furacão foi integrada ao quadro de funcionários da Secretaria de Justiça, Cidadania e Direitos Humanos (SJCDH) do Estado na manhã desta quinta-feira. A cerimônia […]

A cura gay

A cura gay
Hélio Schwartsman, na Folha.com O clima é de guerra. De um lado, estão os gays e os Conselhos de Psicologia, em suas vertentes federal e regionais, de outro, os cristãos, mais especificamente o povo evangélico. O tema do embate é (aqui não há como evitar as aspas) “a cura da homossexualidade”. O certame teve início nos anos 90, quando militantes do movimento gay, em particular a Associação Brasileira de Lésbicas, […]

Casal gay é o 1º a obter separação legal e partilha

Paulo Saldaña, no Estadão Depois de o Supremo Tribunal Federal (STF) reconhecer a união estável homoafetiva, gays agora usam esse direito para conseguirem se separar legalmente. Em Franca, interior de São Paulo, um casal de lésbicas garantiu a separação dos bens na Justiça depois de uma relação que durou 13 anos. Segundo o movimento gay, o caso é o primeiro no País. A aposentada Teresinha Geraldo Lisboa, a Terê, de […]

Homofobia não é crime

João Pereira Coutinho, na Folha de S.Paulo É um erro comum: alguém escreve sobre o julgamento de Oscar Wilde em 1895 e o apresenta como o momento infame em que a sociedade vitoriana resolveu reprimir “o amor que não ousa dizer seu nome”. Admito que essa versão faça as delícias das patrulhas, para quem Wilde virou mártir, ou santo. Mas, ironicamente, a perdição de Wilde não começou com a intolerância […]