Conteúdo marcado como Luiz Felipe Pondé

Jesus can’t be boring

Jesus can't be boring
A vida é curta, precária e frustrante, logo, uma hora dessas, ou Jesus ou Frontal vai bater na sua porta Luiz Felipe Pondé, na Folha de S.Paulo Não, o título deste texto não é uma citação, apenas uma expressão que em inglês soa melhor. Se formos falar “Jesus não pode encher o saco” ou “Jesus não pode entediar”, isso não capta o sentido contemporâneo de Jesus como “commodity”. Inglês é […]

‘Esperança do Mundo’

'Esperança do Mundo'
Luiz Felipe Pondé, na Folha de S.Paulo “Nunca confiei na felicidade”, diz o personagem de Robert Duvall no filme “Tender Mercies” (“A Força do Carinho”, título brasileiro bem infeliz para o filme), papel com o qual ganhou o Oscar de melhor ator em 1983. O filme narra a derrocada de um cantor de música country e sua sofrida redenção, graças ao amor e generosidade de uma mulher. No filme, salta […]

‘Há uma luta entre a luz e as trevas’

'Há uma luta entre a luz e as trevas'
título original: ‘True philosopher’ Luiz Felipe Pondé, na Folha de S.Paulo “Há uma luta entre a luz e as trevas”, diz o detetive Rust Cohle (Matthew McConaughey) na série “True Detective”, na última cena do último episódio da primeira temporada. Já disse e repito que as séries americanas são hoje, de longe, o maior experimento dramatúrgico nos EUA, porque o cinema americano quase não existe, derretido pelo medo do politicamente […]

‘O Deus de Israel não gosta de covardes’

'O Deus de Israel não gosta de covardes'
título original: Nôach Luiz Felipe Pondé, na Folha de S.Paulo O Deus de Israel não gosta de covardes. Homem, mulher, criança, todos são chamados à coragem, à dor e a tomar decisões difíceis. Noé (Nôach), foi um desses heróis. Erich Auerbach, no seu “Mímesis”, afirma que Deus testa seus heróis e heroínas, levando-os ao limite do insuportável, para que, sobrevivendo ao teste, descubram por que foram eleitos. Deus funda, assim, […]

Melhor impossível?

Melhor impossível?
Os poucos jovens religiosos que conheço no meio que frequento costumam ser melhores alunos, mais atentos ao que se fala em sala de aula e menos inseguros com relação a temas como sexo, drogas e rock and roll Luiz Felipe Pondé, na Folha de S.Paulo Você lembra do filme com Jack Nicholson chamado “Melhor É Impossível”? Há uma cena em que ele, um obsessivo-compulsivo (diríamos, um caso grave de TOC), […]