Conteúdo marcado como Marcelo Rubens Paiva

Sentir ou ficar frio?

Sentir ou ficar frio?
Contardo Calligaris, na Folha de S.Paulo Li e amei o novo livro de Marcelo Rubens Paiva, “Ainda Estou Aqui” (selo Alfaguara, R$ 39,90, 296 págs. ). É um livro de memórias. E é um livro sobre a memória –ou melhor, sobre a lembrança da infância. O pai de Marcelo foi torturado e assassinado nos porões da ditadura militar. Sua prisão aconteceu num dia de sol no Rio de Janeiro, um […]

‘Jovem é de esquerda porque o pai sustenta’, diz Roger do Ultraje a Rigor

'Jovem é de esquerda porque o pai sustenta', diz Roger do Ultraje a Rigor
Publicado no F5 O vocalista do Ultraje a Rigor, Roger Moreira, 57, é conhecido por não ter papas na língua, muito menos quando o assunto é política. O músico afirma que possui características das duas tendências, sendo que seu lado de direita, segundo ele, era expresso por ser “um cara honesto, trabalhador”. “A esquerda é desonesta e vagabunda a maior parte das vezes”, disse à revista. “Jovem é de esquerda […]

“O Brasil não digeriu a ditadura”

“O Brasil não digeriu a ditadura”
Publicado na Folha de S. Paulo A participação de Marcelo Rubens Paiva na Flip, na mesa sobre os 50 anos da ditadura, emocionou o público, reverberou nas redes sociais e se tornou também objeto de polêmica. Paiva chorou durante a leitura de um artigo de Antônio Callado sobre a morte e desaparecimento do pai, Rubens Paiva, tendo a mãe, Eunice, como personagem principal. Mais tarde, comentou que não havia chorado […]

Marcelo Paiva e Roger travam duelo sobre a ditadura militar

Marcelo Paiva e Roger travam duelo sobre a ditadura militar
Juliana Gragnani, na Folha de S.Paulo Na semana passada, o vocalista da banda Ultraje a Rigor, Roger Moreira, 57, apagou do Twitter mensagens (reproduzidas abaixo) em que atacava o jornalista e escritor Marcelo Rubens Paiva, 55. Mas isso não quer dizer que tenha se arrependido. À Folha, o autor da canção “Inútil” admitiu ter sido “extremamente grosso”, mas reiterou suas declarações e disse que o jornalista “pode ter sofrido lavagem […]

Sertanejo universitário por quê?

Sertanejo universitário por quê?
Marcelo Rubens Paiva, no Estadão Difícil detectar como surgiram alguns achados brasileiros, o chorinho [não a música, mas a dose extra que nos é servida na maioria dos bares] e o sertanejo universitário [a música, não o interiorano que entrou na faculdade]. Quando começou? 1. Chorinho. Peça um uísque. O garçom trará a garrafa, para você conferir a procedência, exigência de uma economia que convive há séculos com contrabando e pirataria, […]