Conteúdo marcado como profetas

Carência de profetas

Carência de profetas
Ricardo Gondim Reconheço: existem diversas pessoas sérias entre os crentes. Admito: mais de sete mil profetas não se dobraram a Baal. Não desprezo o testemunho daqueles que me precederam e honraram a fé. Dados os devidos descontos, impossível não admitir o colapso do que se popularizou como movimento evangélico. Como calar diante do avanço de vigaristas e charlatões? Quantos vão manter um silêncio obsequioso diante das promessas irresponsáveis de cura, […]

Evangelho das vadias: cadê o Amarildo?

Evangelho das vadias: cadê o Amarildo?
Nancy Cardoso Pereira, no Facebook Eu sou daquela religião que espera pelo corpo com o corpo: ressuscitado! A espera se move pela paixão por tudo que é humano… tanta e toda capaz de enfrentar a morte: a cruz. Aborreço os senhores – horrorizai-vos – que querem travestir a fé de Jesus numa expressão obediente de louvores estéreis: não louvo pra que a “som livre” toque – deslouvado seja! Nem me […]

Eclesiastes 1 em minhas próprias palavras

Eclesiastes 1 em minhas próprias palavras
Ricardo Gondim Vazio por cima de vazios, tudo não passa de uma gigante vaidade. Todo suor é vão; todo esforço, inutilidade. Sob as lajes frias do cemitério jazem os ossos secos de homens e mulheres que calejaram as mãos por coisa alguma. O mar lava a praia, arrastando em seu movimento perpétuo, gerações inteiras. O sol silencioso e frio sela destinos, e em sua jornada cotidiana não toma conhecimento dos […]

Metáforas desconcertantes do divino

Ricardo Gondim Nietzsche disse que só acreditaria no Deus que soubesse dançar. As implicações filosóficas e existenciais dessa afirmação são enormes. Entre algumas: contingência, liberdade humana, o uso da sabedoria no improviso, desmonte da existência engrenada. Dizer que Deus dança significa que a vida pulsa com liberdade. Começo, meio e fim não jazem nos grilhões da necessidade. Em desagravo à espiritualidade nietzscheniana, atrevo-me dizer que o Deus que dança não […]

Reeducação para a vida

Ricardo Gondim Decepções, desapontamentos e traições serviram para reeducar-me.  Eu precisava desaprender alguns valores que incorporei ao longo dos anos. Minha escola foi complicada. Convivi ao lado de vespas fascinadas por luz de qualquer espécie e também acabei hipinotizado. Não sei precisar quando, mas, entrevi, em meio às minhas próprias vaidades, que convivia com certos Adônis travestidos de profetas. Acordei: afetações de gente altiva vinham corroendo valores que aprendera com […]