Conteúdo marcado como Sostenes

O pêndulo da presença

Publicado por Sostenes Lima So I will dance with Cinderella While she is here in my arms ‘Cause I know something the prince never knew Oh I will dance with Cinderella I don’t want to miss even one song ‘Cause all too soon the clock will strike midnight And she’ll be gone Steven Curtis Chapman[1] A presença das pessoas que amamos é, de tudo que nos cerca, o que realmente […]

O silêncio é alma da palavra

O silêncio é alma da palavra
Publicado por Sostenes Lima O silêncio antecede e forma a palavra. Quando o silêncio é longo demais, a palavra nasce envelhecida ou morta; Quando é curto demais, a palavra nasce prematura, informe e disforme. O silêncio tem que ser do tamanho certo. Palavras nascidas depois de uma boa gestação no silêncio são fortes, mas não brutas espontâneas, mas não canhestras suaves, mas não passivas simples, mas não simplórias Mesmo depois […]

Condenados à liberdade e à temporalidade

Condenados à liberdade e à temporalidade
Publicado por Sostenes Lima O presente é o único tempo que temos, mas não é o único tempo que nos constrói. Somos uma síntese de tempo (passado, presente e futuro) que se desenrola agora. É verdade que, em termos físicos, não há outro tempo, senão o presente. Podemos até dizer, aprofundando um pouco mais a questão, que nem mesmo há tempo. O que há é um conceito de tempo, uma […]

Deus não serve pra nada. E agora?

Deus não serve pra nada. E agora?
Publicado por Sostenes Lima “Se queremos ser autenticamente cristãos, é preciso chegar a crer que Deus é perfeitamente inútil” [François Varillon]. Para que serve Deus? Essa pergunta está na base do sentimento religioso humano. Diante de nossa inalienável condição de desamparo – potencializada, segundo Freud, a) pela contingência da natureza, b) pela finitude e decadência do corpo e c) pelas crises que relações sociais desencadeiam[1]– resta-nos recorrer a Deus, mesmo […]

Exílio das palavras

Exílio das palavras
Publicado por Sostenes Lima Quando as palavras rumam para o exílio, O texto vira miragem num horizonte que sempre se afasta, A página fica em branco, O dia finda antes da noite chegar, O silêncio se impõe implacavelmente, Frustram-se todos os projetos de locução. O exílio das palavras É uma ausência que provoca saudade e desespero É um silenciamento que fortalece a inércia. Dou anistia para todas as palavras, mesmo […]